quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Cursos EaD da FTU: compromisso com o Ministério da Educação e com as várias Tradições Afro-Brasileiras

Nosso texto de hoje continua com a reflexão que temos feito sobre o uso das tecnologias educacionais com foco nas religiões afro-brasileiras. Já apontamos que tradição não é avessa à modernidade, muito ao contrário, as tradições religiosas estão, diariamente sendo atualizadas e ressignificadas. Por quem? Pela trama social que as envolvem. Quem muda a tradição não é o sacerdote, nem um filho ou filha-de-santo, apenas. As tradições mudam a partir do entrelaçamento de vários sujeitos sociais. Sim, a comunidade religiosa é fundamental, mas ela está em contato contínuo com outros grupos sociais. Aliás, o princípio de sociabilidade está intimamente vinculado ao processo de interação. Um grupo isolado está fadado a extinguir. Já os grupos que estabelecem diálogos com outras formas e práticas culturais, utilizam o processo de interação para reforçar e recriar seus próprios valores. Viver em sociedade é isto, afinal, não somos uma única massa homogênea, ao contrário, a cada dia novos grupos e identidades culturais são formadas.

Assim, as comunidades afro-brasileiras, à exceção daquelas que se assemelham a seitas fundamentalistas, todas elas estabelecem contatos e interações com a sociedade e, portanto, do ponto de vista que temos trabalhado, não devem ver a tecnologia como opositora de suas tradições.

Isto penso que conseguimos deixar claro em outros textos. Hoje, gostaríamos de diferenciar nossos cursos de extensão universitária que fazem uso das novas tecnologias da informação e comunicação (TICs) de alguns que encontramos. A principal diferença dos nossos cursos é que eles são diretamente vinculados ao Ministério da Educação, já que eles fazem parte de um projeto pedagógico maior da Faculdade de Teologia com ênfase nas Religiões Afro-brasileiras (FTU). Nossos cursos não são, portanto, da qualidade de cursos livres e muito menos vinculados à alguma casa específica de iniciação afro-brasileira. Consideramos que os conteúdos religiosos devem ser transmitidos e compartilhados no interior de cada casa de santo, na relação direta entre pai/mãe-de-santo e seus filhos(as). O que propomos com nossos cursos é oferecer à comunidade uma visão clara sobre alguns elementos essenciais da teologia afro-brasileira, sem com isso ferir ou adentrar em qualquer escolha ou preferência religiosa. Como dito anteriormente, o Ministério da Educação nos possibilita ofertar esses cursos na justa medida em que os mesmos são de caráter geral, fazendo a interface entre a comunidade acadêmica e a comunidade civil como um todo.

Não nos cabe apresentar uma visão sobre esta ou aquela entidade, criticar esta ou aquela forma de ritual e, muito menos, engessar uma única forma de se fazer este ou aquele procedimento religioso. Nossa intenção tem um caráter ético: o respeito incondicional a todos os pais e mães de santo e a todas as escolas afro-brasileiras e, por isso, não fazemos proselitismo ou destacamos preferências. Até porque, todas as escolas tem seu papel e função dentro do campo religioso afro-brasileiro. No entanto, é importante pontuar que há uma série de plataformas de educação a distância criadas por casas de santo afro-brasileiras que, não apenas, unificam um fazer ritual, como apresentam interpretações pontuais sobre entidades e desqualificam todas as que assim não seguem.

Nossos cursos não possuem nenhuma afinidade com esses setores. Somos uma instituição de ensino superior, devidamente reconhecida pelo Ministério da Educação e como tal, assumimos o compromisso de levar avante conteúdos de qualidade e perspectivas teológicas que deem conta da abrangência e complexidade do cenário religioso afro-brasileiro. Não pretendemos com nossos cursos abarcar fiéis. Longe disso. Pretendemos oferecer noções claras sobre a teologia afro-brasileira e fazer com que nossa sociedade valorize e respeite este acervo cultural religioso brasileiro. Que não é de uma escola apenas, não é meu, nem de quem quer que seja, mas da coletividade brasileira.

Para maiores detalhes sobre os cursos de extensão sugerimos acessar http://ftu.eadbox.com/ ou entrar em contato pelo email extensaoead@ftu.edu.br

Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 392

2 comentários:

  1. Boa tarde Pai Rivas.
    Motumbá.
    Já fui em sua Casa algumas vezes mas não consegui falar com o SR. visto a correria dos trabalhos e gostaria de saber qual a melhor forma de fazer contato contigo.
    Muito Obrigado.
    Axé.
    Marcos

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Pai Rivas.
    Motumbá.
    Já fui em sua Casa algumas vezes mas não consegui falar com o SR. visto a correria dos trabalhos e gostaria de saber qual a melhor forma de fazer contato contigo.
    Muito Obrigado.
    Axé.
    Marcos

    ResponderExcluir