segunda-feira, 8 de abril de 2013

Religiões Afro-brasileiras - Fases e Ciclos da Iniciação

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 346

69 comentários:

  1. Aranauam, Saravá, Axé a todos!
    Como sempre, Pai Rivas fala com a experiência de quem vivenciou, por muitos anos, o longo processo de Iniciação nas Religiões Afro-brasileiras, que hoje oferece aos seus discípulos.
    Ouvir Pai Rivas falar de Iniciação é mais do que simplesmente instrutivo: é rigorosamente imprescindível a quem quer que queira entender melhor o assunto desde fora – sem os preconceitos e insuficiências de que padece a cultura profana a respeito dele –, mas muito especialmente a quem sente, visceralmente, a necessidade existencial de conhecê-la e vivenciá-la desde dentro.
    Meus respeitos a quem é Pai e foi filho e é Pai justamente por ter sido um bom filho! Meus respeitos a Mestre Arhapiagha: ontem, hoje e sempre!
    Itarayara (Thomé Sabbag Neto)

    ResponderExcluir
  2. Aranauan, Saravá, Axé!

    A Iniciação de uma maneira geral é conhecer todas as coisas, inclusive a si mesmo. Com estas palavras, Pai Rivas mostra a universalidade da Iniciação em praticamente todas as religiões existentes. Ao mesmo tempo, seu vídeo enseja a compreensão de alguns pontos importantes da Iniciação dentro de sua Raiz. Algo que nos enche de alegria. Didaticamente o vídeo aponta três estágios na senda iniciática: aceitação, conscientização e aprendizado vivenciado. Todas as fases são igualmente importantes, mas gostaria de dar maior ênfase na primeira: a aceitação.

    Todos, sem exceção, que buscam o Mestre, assim procederam porque quiseram. “Algo” em sua (in)consciência mostrava a certeza daquela busca. Este algo tem nome: Astral. O Astral sempre nos apóia nas decisões importantes da vida e encontrar um caminho espiritual na Terra talvez seja a mais importante escola que nós fazemos. Certamente as entidades não se afastam ao realizarmos a nossa escolha, pelo contrário, se aproximam.

    Alguns poderiam nos perguntar onde ficaria o “livre-arbítrio” ao sermos estimulados pelo Astral a buscar um Mestre. Lembramos que a escolha sempre é nossa. Claro que ao realizarmos algo bom para nós, os Guias vão nos apoiar sempre. Da mesma forma, é difícil imaginar uma entidade do Astral Superior estimulando alguém a ir contra um irmão, trair sua ancestralidade, muito menos cometer erros do tipo roubo ou furto. Não é mesmo?

    Resumindo, quando a situação é favorável para nós e a coletividade, o apoio do Astral Superior é constante. Quando é para prejudicar a si ou ao próximo, na impossibilidade de influenciar a mudança de postura, o Astral Superior se afasta. E aí quem se aproxima? ...

    Ainda na fase de aceitação, lembro-me de quando residia no Rio de Janeiro, com poucas condições financeiras, ia ao encontro do Mestre em São Paulo na certeza de que tinha finalmente encontrado o meu lugar. Lembro-me da ajuda, obviamente além de Pai Rivas, do Aramaty, Aratyara, Yaranacy, seja com a conscientização ao mundo novo que se descortinava diante de meus olhos espirituais, seja a guarida e carinho de verdadeiros irmãos que somos.

    O contato com o Mestre dentro e fora do terreiro, os ensinamentos que, mais do que ditos, eram transmitidos pelo exemplo... Anos de terreiro e quantas características positivas descobri em mim mesmo! Em número maior, quantos defeitos vieram à tona e hoje, se não estão plenamente sanados, possuo exata consciência deles. Mais do que isso, no dia-a-dia da iniciação consigo enfrentá-los com força, fé e luz que o Mestre e o Astral nos estendem sempre.

    Esse vídeo de Pai Rivas é um verdadeiro manifesto da Iniciação de uma legítima Escola Afro-brasileira. Como seu discípulo, permito-me afirmar que sou signatário do mesmo. Não só pela evidente beleza das palavras ditas, das histórias contadas, mas – principalmente - pela força do exemplo que o Senhor nos oferta diuturnamente. Feliz por ter um Mestre, por ter dado minha cabeça ao Sábio, seu filho pede a benção! Axé Babá Mi!

    ResponderExcluir
  3. De tudo o que foi falado no vídeo, julgo relevante enfatizar os seguintes aspectos:

    1. A Iniciação é DEFINIDA como o processo de internalização, pelo discípulo, de conhecimentos e vivências relacionadas a todas as coisas (inclusive a si mesmo). O MÉTODO INICIÁTICO é o de vivência e convivência entre Mestre e discípulo (Tradição Oral), devendo o Mestre ter sido um dia discípulo e outorgado e elevado, por um Mestre consumado, a esta condição, num encadeamento contínuo, regular e ininterrupto (Raiz/Linhagem Mestral).

    2. Todo processo iniciático, nas Religiões Afro-brasileiras, tem como CONDIÇÕES: (a) a ACEITAÇÃO, que é o momento em que o discípulo, reconhecendo voluntária e livremente, no Mestre, a condição de encaminhá-lo pelo estreito e longo caminho da Iniciação, o que faz com que, em seguida, possa o Mestre também aceitá-lo ou não como discípulo; e (b) a diminuição da distância entre o mundo natural (físico/”Aiyé”) e o mundo sobrenatural (mentoastral/”Aruanda”/”Orun”), através da MEDIUNIDADE, na qual os Espíritos Iluminados, pelo transe, sacralizam o corpo físico e os corpos sutis do médium/discípulo, aumentando-lhe gradativamente a percepção das coisas.

    3. Em nossa Escola, o processo iniciático é constituído de FASES ou GRAUS (em número de 7) e de CICLOS (em número de três), marcado intermitentemente por Ritos de Consagração que concretizam e finalizam a alçada de determinados graus, pelo discípulo. Neles, são dados ao discípulo determinados objetos sagrados que simbolizam essa qualificação. Ganham destaque aqui, de acordo com a iconografia litúrgica da nossa Raiz: a CRUZ, a COROA (representada pelas Tolhas Iniciáticas), a ESTRELA (representada pelas Guias Cabalísticas) e a ESPADA...

    4. O processo iniciático revela à pessoa o seu verdadeiro estado atual e a sua verdadeira natureza original. Por essa razão, a Iniciação revela à pessoa tanto alguns conteúdos positivos seus, quanto outros, negativos. Por isso, ela não é cômoda ou confortável e, em muitos casos, pode levar a processos de difícil superação. Seu propósito, aliás, é justamente o de retirar o discípulo da “zona de conforto”, ao lhe mostrar o novo (antigo?) e o desconhecido (esquecido?)...

    5. O vínculo iniciático verdadeiro é indissolúvel, pois é constituído de compromissos, direitos e deveres, que são firmados não só junto ao Mestre de Iniciação, como também ao Astral Superior. Aliás, sempre que vamos atrás de um Mestre e com ele permanecemos durante razoável período de tempo é porque nossas Entidades com isso aquiesceram, pois se assim não fosse certamente Elas teriam tomado providências a fim de nos informar que aquele Mestre não era o mais adequado para nós, por qualquer razão que se possa considerar aqui.
    Assim, seria inteiramente incompreensível que determinado discípulo, depois de anos formando, delineando e desenvolvendo suas afinidades ritualísticas, mediúnicas, espirituais etc. nos moldes propostos pelo método da Escola conduzida por seu Mestre, simplesmente dela se apartasse, sem mais nem menos, e continuasse praticando aquilo que praticava dentro da Casa de seu Pai de Santo.
    Portanto, nesses casos, de duas uma: ou (a) o vínculo iniciático permanece de algum modo – já aqui potencial e latente – aguardando que se finde o período mais ou menos longo de confusão e entorpecimento temporário da mente do discípulo, quando será possível que volte a se efetivar gradualmente; ou (b) o vínculo em questão jamais foi propriamente iniciático, mas apenas aparentemente iniciático, e as “conquistas” de que se poderia cogitar ou imaginar aqui, não passaram em verdade de formas puramente exteriores sem qualquer conteúdo interior correspondente.
    Ambas as situações confirmam, cada uma a seu modo, que o vínculo iniciático propriamente dito não se rompe jamais. Trata-se de uma aquisição definitiva do espírito, que “o ladrão não rouba e a traça não rói”.

    Meus respeitos a quem é Pai e foi filho e é bom Pai só por ter sido bom filho! Meus respeitos a Mestre Arhapiagha: ontem, hoje e sempre! Axé Baba mi!

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito de assistir o vídeo de Pai Rivas!

    Muito interessante a explanação sobre fases próprias ao processo de Iniciação, bem como de seu "início", através do essencial fator de aceitação, tanto do filho para com o Pai de Santo, quanto, obviamente, o inverso.

    Muito interessante também o destaque para o fato de que, ao procurar o Pai de Santo, o médium teve a aquiescência de seus mentores espirituais (se não tivesse, lá não estaria a buscar o Mestre Espiritual).
    Naturalmente, uma questão...
    E aqueles que viram as costas ao seu Pai de Santo?
    Tem a concordância de seus mentores?
    É claro que não. A lógica e bom-senso já respondem a pergunta.

    Finalizando, permissão para deixar registrado aqui minha grande gratidão e admiração por Pai Rivas e por poder ser filho de Pai Rivas!
    Mestre de Iniciação consumado!

    Exemplo vivo de Ética e Seriedade para com o Astral Superiror, a sociedade de santo e a sociedade em geral.
    É o que eu sempre vi.

    Axé Baba Mi.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

  6. Por mais esta vez agradeço a oportunidade de ver , escutar e sentir, palavras do mundo espiritual superior por intermédio de nosso Mestre e mais ainda de poder compartilhar o sentido da pertença ao caminhar em nossa "pequena Aldeia Terreiro, em nossa Abaça de Caboclo em nosso Peji conga, respirar e sentir nossa Escola , nossa Raiz, e a verdade de nosso Mestre.

    Longa vida a nosso Mestre!!!

    Karamatan

    ResponderExcluir
  7. Neste post de nosso mestre, temos a rara oportunidade em saber sobre etapas e vivências na iniciação. Pude ver neste anos que pertenço a linhagem espiritual de meu mestre, o quanto temos que buscar melhorar a nós mesmos, pois esta é a primeira condição básica para se atingir determinadas etapas citadas pelo mestre. A aceitação já é um processo muito sério pois existe aí, um pedido do seu astral, para o astral do mestre, e ficará a cargo dele aceitar ou não como discípulo. Acontecendo isso, o iniciante passará por um processo de conscietização e aprendizado que deverá ser vivido diariamente. mas a chave de tudo isso com certeza é o astral que imprimirá ciclos e ritmos em sua vida material e espiritual, fazendo com que atinja um patamar mediano entre a Aruanda e Terra, pois o contato só se faz desta maneira, quando o discípulo consegue chegar a um ponto onde os processos de contato medúnico se concretizam e o "corpo" se sacraliza. Podemos então perceber assim,o que é galgar os degraus da iniciação ou rola-los.
    Lembro-me quando recebi a cruz iniciática em 1983, meu mestre me dizia que me achava muito jovem para recebe-la e foi por interseção do astral que me acoberta que ele acabou me transmitindo o 4º grau de iniciação na época. Apreendi muitas coisas nestas anos todos, passei por vários rituais e tudo sempre me levou a entender a responsabilidade desta grande oportunidade em minha vida espiritual e saber que se não tivesse o Caboclo, o Pai Velho, a Criança, o Exu e o mestre Arhapiagha a me acobertar, com certeza não conseguiria chegar até aqui com saúde e lucidez, afinal são muitos embates pelo caminho...
    Conclamo a todos os irmãos que participem e se munam de muita vontade para vencerem a si mesmos e melhorar o mundo interno e externo, desta forma, com responsabilidade e amadurecimento, seremos todos vencedores!
    Paó ao nosso mestre!
    Hoje, agora e sempre!
    Ygbere

    ResponderExcluir
  8. Ao assistir o vídeo em que o Mestre fala da Iniciação de suas fases senti um chamado à reflexão.
    Pensar sobre a Iniciação fez em mim desabrochar sentimentos adormecidos sabe Oxalá há quanto tempo.
    Pensei nos Iniciados de todos os Tempos, e daqueles que nem podemos imaginar que existiram pois ficaram na aurora da Terra. Percebi que a linhagem a que alude o Mestre se perde na aurora dos tempos. Percebi também que uma profunda ansiedade me acometeu ao refletir estas coisas tão profundas, imagens subitamente tomaram conta de meu cérebro, mostrando que tudo continua. Somos e seremos, se quisermos, a continuação desta história magnífica. E bate à porta a oportunidade tão desejada, a de fazer parte da construção de nossa própria existência como Espíritos eternos.
    Ontem vi o Mestre me levantando da tristeza de minhas más escolhas. Hoje, vejo o Mestre me aceitando como discípula mais uma vez, e sabe Oxalá quantas vezes ele ainda o irá fazer. E amanhã vejo o Mestre buscando os frutos das sementes semeadas em minha consciência. Fato é que o Mestre sempre esteve lá, está aqui agora, e no futuro, certamente estará lá, pegando o discípulo pelas mãos e direcionando o caminho do autoconhecimento e da compaixão.
    A Iniciação é o bem mais desejado de todos que buscam o caminho espiritual. E continuar a subir os degraus desta iniciação é o maior desafio daqueles que abraçam este sagrado caminho.
    E se o Mestre me honrar nesta vida com a Iniciação, e novamente eu retomar meu caminho, comprometo-me mais uma vez com a Corrente Astral de Umbanda, e com todos os níveis que isso envolve.
    Vida longa a Mestre Araphiagha, permita meu crescimento interior, e que eu o honre nesta vida, com uma vida digna, comprometida com os ideais superiores.
    Axé Baba mi.
    Obaosi’tala

    ResponderExcluir
  9. Aranauan, Saravá, Axé!

    Neste post de Mestre Arhapiagha, suas palavras tornam bastante claro o que é Iniciação. Viagem interior, descoberta de outras realidades, tomada de consciência de si mesmo e do outro, ressurgimento para uma vida mais plena e liberta, responsabilidade...
    Quantos naufragam nesta jornada... Quantos...
    Vivenciar a Mandala de um Mestre Verdadeiro nunca é fácil. O processo de lapidação do discípulo é árduo. Os cascões precisam ser retirados um a um... E são tantos! São as Bênçãos deste Mestre de fato e de direito que, conectando-nos à nossa própria essência original, nos fazem seguir adiante... (isso para aqueles que têm “olhos de ver e ouvidos de ouvir”).
    É no recôndito mais profundo da alma que as “Vozes da Senhora da Luz Velada” fazem ecoar os Ensinamentos do Mestre como o ribombar de mil trovões, acordando o discípulo e despertando o Iniciado.
    Obrigado, Mestre... Peço sua Bênção...

    Asè, Baba Mi!

    Tashirenanda

    ResponderExcluir
  10. É com muito orgulho e satisfação que lhe sigo. Nunca encontrei em minha caminhada espiritual um Pai de Santo que tenha tido uma Raiz, uma História, uma Iniciação verdadeiramente vivenciada.
    Graças a Zambi que encontrei um Mestre. Um Mestre imbuído em fazer de nós um ser humano melhor, um Mestre que nos ama verdadeiramente. Um Mestre que nos mostra o caminho da Iniciação. Caminho esse que é o conhecimento de nós mesmo.
    A iniciação muitas vezes se torna difícil, pois é difícil mudar é difícil sair da zona de conforto, é difícil sair do condicionamento e da conveniência. Nosso Mestre nos ensina exatamente isso. Ele destrói nosso Ego. Cabe ao discípulo querer isso ou não, pois não somos obrigados a nada, a liberdade da escolha é nossa.
    Eu escolhi segui-lo sempre. Peço ao Astral força e muita lucidez para continuar minha jornada que só esta começando, tenho muito que vivenciar e aprender.
    Que eu possa merecer sua benção, de ser sua discípula sempre.
    Axé Baba Mi

    ResponderExcluir
  11. Só tenho a agradecer ao nosso Mestre e ao Astral à oportunidade de vivenciar esses ensinamentos.

    Axé Babá mi!

    Obashitara

    ResponderExcluir
  12. Yacyrê (Érica Jorge)8 de abril de 2013 19:46

    Não fico surpresa ao assistir este vídeo de Pai Rivas sobre a Iniciação. Fico sim, extasiada. Não é novidade para mim a responsabilidade e seriedade com que Pai Rivas trata as questões da vida iniciática, afinal, conhece vários destes percursos há décadas, encontrou e viveu com vários mestres e teve a honra de viver 18 anos com Pai Matta e Silva, de quem herdou não apenas a raiz, mas o compromisso em levar avante dignamente o nome da Umbanda e das Religiões Afro-brasileiras.
    Sou discípula de Pai Rivas há mais de uma década e sempre o vi lidar com cuidado com cada fase iniciática de cada adepto. A fase de quando o discípulo mal fala com o mestre, quando o discípulo se revolta consigo mesmo, a fase de quando o discípulo se realiza com ganho de grau, a fase que o discípulo se realiza com a conquista coletiva...vi e continuo a ver várias destas fases. Todas elas cuidadas por Ele com extrema paciência e responsabilidade, pois sabe que,acima de tudo, cuidar da cabeças dos outros não é tarefa trivial e que o outro lado a todos aguarda...
    A internalização mencionada por Pai Rivas e a relação de cada "cavalo-de-santo" com seu ancestral, mestre, orixá, vodun, inkice são os elementos norteadores da Iniciação. Também considerei fundamental no vídeo quando Ele menciona que há várias iniciações e não apenas uma. Esta visão globalizada, porém não homogeneizante e hegemônica das religiões afro-brasileiras, demonstra que temos um Mestre que sabe que há tantas iniciações quantos forem os graus de percepção da realidade. Cada um fica com o sacerdote que mais lhe afiniza, com a Casa que mais respeita. Isto é justo, justíssimo. O que não existe é Iniciação copiada. Iniciação comprada. Iniciação camuflada. Conforme o próprio vídeo atesta, só tem as toalhas quem tem direitos e deveres. E não apenas a primeira toalha. Há quem receba a primeira e a tenha como última, sem perceber que há muito ainda por caminhar.
    Eu sou feliz por estar com alguém que cuida de meu ori com requinte espiritual e responsabilidade sobre o destino. E estou disposta a caminhar muito ainda, pois estou nos primeiros passos.
    Recentemente observando minha família-de-santo pensava nas realizações que cada um estava tendo. Observei pessoas que adentraram à corrente. Pessoas que voltaram depois de 12 anos para a corrente. Pessoas que passaram a fazer parte da corrente atendendo mediunicamente. São momentos indescritíveis para quem vivencia e aspira verdadeiramente pela Iniciação. Fiquei realizada quando vi a vitória desses (as) irmãos (as). Senti a vitória deles como minha também. Este sentimento de identidade religiosa só existe quando há laços firmados não apenas pela comunidade social, mas pela comunidade astral que assegura que as tarefas sejam cumpridas dentro da justa Lei.
    Por essa mesma Lei Divina, peço minha humilde benção ao senhor,
    Yacyrê.

    ResponderExcluir
  13. Ouvir nosso Mestre falar sobre iniciação nos dá a certeza que é através dela que alcançamos o mundo espiritual, ao mesmo tempo que mergulhamos no nosso mundo interno.

    Nesse mergulho, nesse caminho optamos se assim o quisermos, pela melhora individual que reflete na melhora coletiva, comprovando que somos unidos pela interdependência.

    Vejo a iniciação como o encontro consigo mesmo, é o rompimento com o egoísmo e a união com o coletivo. Encontro e união que só são verdadeiros quando direcionado por um Mestre consumado.

    Na aceitação de meu Mestre, abracei a iniciação.
    A conscientização e aprendizado vivenciado surgem do esforço que cada um coloca nesse caminhada.

    Se hj sou um ser melhor devo ao meu Mestre, que a cada dia com sua infinita compaixão, pacientemente me guia nesse jornada.

    Sua benção, hoje agora e sempre,

    Yarananda

    ResponderExcluir
  14. Só agradeço ao nosso Mestre e ao Astral à oportunidade da vivência que norteia nossos caminhos.

    Axé Babá mi!

    Obashitara

    ResponderExcluir
  15. Agradeço todos os dias ao Astral por ter promovido meu encontro com meu pai espiritual.
    Agradeço todos os dias ao meu Mestre por ter me aceito como seu discípulo.
    Os processos da iniciação requerem tempo e perseverança, o caminho é árduo e longo, porém recompensador.
    Axé Baba Mi

    Briga

    ResponderExcluir
  16. Aranauan a todos.

    Sabedores de que somos seres eternos, portanto imortais, penso que não encontramos o Mestre, e sim reencontramos a raiz, sendo Ele a personificação da mesma.

    A sucessão de Mestres é que mantém esta raiz "viva" em nosso plano, permitindo, assim, que os discípulos encontrem um método que os leve de volta ao seu estado natural.

    O Mestre abre, aos poucos, as cortinas do nosso inconsciente, e se inicia um processo de reconhecimento de si mesmo. Tem-se inicio a grande luta contra o ego, e muitos não suportam este estágio. Muitos fraquejam e precisam encontrar, fora de si, um culpado. Em sua grande maioria delegam esta responsabilidade ao Mestre. Afinal, não foi ele quem os levou a este processo? Sim, é verdade. Mas quem pediu?

    Ao vencer este estágio, somos levados ao reconhecimento do outro. É verdade, não estamos sozinhos no mundo, nem tampouco somos o mundo (rs). Percebemos que tudo o que pensamos, sentimos e fazemos afeta positivo ou negativamente todos os demais.

    A vivência com um verdadeiro Mestre nos dá uma nova perspectiva sobre o que somos, e o mundo ao qual fazemos parte. Renascemos, só que agora em um corpo adulto.

    O Mestre é o decodificador do plano Astral. AquEle que nos leva ao encontro dos ancestrais e nos permite a experimentação de diversas personalidades que se complementam, e isto
    fortalece nossos centros de iluminação, o que gradativamente nos proporciona equilíbrio na mente e nos conduz a paz interior, o que até então parecia impossível.

    Para que tudo isto ocorra é necessário que o discípulo seja dócil aos ensinamentos do Mestre, esteja atento a tudo o que é dito e, principalmente, o que não é. O Mestre pode
    não falar, mas sua vivência fala por ele... seus exemplos e sua conduta valem mais do que
    mil palavras.

    "Meu congá tem guiné, pode pegar quem quiser... meu congá tem mironga, só pega quem puder".

    Tudo isto não poderia ser do dia para a noite, requer anos e muita vontade do discípulo, sem falar na paciência (rs) do Mestre e a misericórdia do Astral.

    Nestes quase 17 anos de Ordem me vejo ainda no primeiro degrau, mas sei que o mais importante é que já encontrei a escada, esta tem um corrimão sólido e indicações seguras para cada passo que eu venha a dar objetivando sua subida. Quero que cada degrau que venha a subir seja verdadeiro e que me torne um ser melhor, para que ao atingir o último
    (se é que este existe) possa estar verdadeiramente capacitado a ser o corrimão de alguém.

    Reafirmo que o Mestre esta salvando esta minha presente encarnação. Ser-Lhe-ei eternamente
    grato.

    Agradeço ao Mestre Yamunisiddha Arhapiagha por me aceitar como seu discípulo e ao Astral por me permitir estar nesta raiz, e que um dia eu possa ser merecedor de fazer parte da mesma.

    Gerson

    ResponderExcluir
  17. O Processo de Iniciação, nos permite uma viagem para dentro de nós mesmos. A vivência com o Mestre é essencial para este processo pois é através dela que podemos interiorizar a essência de nossa raiz!

    Fabi (Yamaosilê)

    ResponderExcluir
  18. Ao ver este vídeo e ouvir as palavras de nosso Mestre, pude reviver minha caminhada que percorri e ainda percorro rumo ao encontro de mim mesma. Relembrei o primeiro momento que pus meus pés no terreiro, pois as portas do Templo haviam sido abertas para mim.
    Relembrei a felicidade que senti ao ser convidada a adentrar o Universo das Religiões Afro-brasileiras. Mas tudo isto aconteceu porque eu buscava ardentemente um sentido para minha vida e eu percebi que a iniciação iria me dar a oportunidade de trilhar novos caminhos e de, eu mesma, retificar o meu destino.
    Sei que a iniciação não é fácil, mas foi uma escolha minha. Ao nos depararmos com nós mesmos, muitas vezes nos faz vermos algo que nem sempre gostamos, mas aprendi na iniciação que se eu não gostamos de algo podemos mudar. Neste momento de mudanças e transformações a presença do Mestre é imprescindível pois só ele, com sua sabedoria que se perde nas noites dos tempos, possui a capacidade de nos guiar pelos caminhos que nos levam a nos mesmos. Axé Baba mi.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. Vida Longa Babá!!!
    Sinto-me cada vez mais agraciada por nesta presente vida te-lo encontrado e ter sido aceita como sua discípula. O processo de iniciação é dolorido por fazer com que mergulhemos em nós, e este processo só é possível porque temos um Mestre nos conduzindo e mostrando o caminho ININTERRUPTAMENTE. Aquele que não desiste da gente NUNCA. Acredita SEMPRE. Sem essa convivência e vivência experienciada hoje eu NADA seria.
    Muitas vezes conseguimos perceber até uma transformação física que nos ocorre, quem dirá a transformação espiritual que não é palpável e nem se vê a olhos nus!!
    Só quem é capaz de enxergar essa transformação e esse constante crescimento é quem nos aceitou desde o primeiro momento como seus discípulos, um verdadeiro MESTRE. Quero continuar sendo merecedora e digna para poder estar vivenciando, aprendendo e crescendo por toda eternidade no mesmo caminho que o seu!!
    Axé Babá, Axé Babá Mi
    Yranacy

    ResponderExcluir
  21. O Astral me encaminhou para o reconhecimento do meu Ser como mediun, respeitou o meu tempo para essa aceitação e foi me conduzindo para a conscientização, principalmente do compromisso e responsabilidade que compoem essa condição. Agradeço ao Astral e por ter me encaminhado ao Pai de Santo que me encaminhou nessa conquista. Aí o Astral me conduziu a busca do Pai Mestre Arhapiagha que com muito carinho e disposição me aceitou como sua filha para ser aspirante a Iniciação.
    Agradeço ao Astral por chegar até ele e agradeço MUITO AO MEU MESTRE por me acolher!
    Peço humildemente que o Astral continue lhe Iluminando e dando força para o exercicio de sua Maestria com toda a sabedoria que ele tem revelado continuamente.
    Sua Benção meu Pai
    Jaci

    ResponderExcluir
  22. O que posso dizer é: Obrigado Meu pai!!

    Obrigado pela oportunidade de trabalho e espero poder trabalhar mais e ter a oportunidade de vivenciar e aprender cada vez mais com o astral através de suas bençãos de luz e positividade.

    Axé Baba Mi.
    Yatamaran

    ResponderExcluir
  23. Obrigado Mestre por nos presentear sempre com suas bênçãos de ensinamentos!
    Peço aos Orixás, Supremos Curadores do Mundo, Senhores do Amor e da Sabedoria que me façam digna de ser sua filha, que aproveite a oportunidade que estou recebendo me conscientizando da importância e da responsabilidade do caminho da iniciação, tenho bem claro que estou no início desta jornada, que não é fácil, mas, viver na ignorância espiritual é insustentável.
    Sou muito feliz por ter encontrado um “Mestre Curador” que preenche o vazio da alma nos possibilitando a vivência com o mundo espiritual e concretizando a amizade firmada com nossos ancestrais planetários.
    Obrigado por transformar nossas vidas!
    Axé Baba Mi.
    Adriana Pontes

    ResponderExcluir
  24. Acredito que maior clareza em relação ao tema é impossível.
    Iniciação: É uma escolha do discípulo por seu Mestre e a permissão do Mestre a esse discípulo tendo a aquiescência do Astral que assiste ao discípulo em relação à Ancestralidade a qual o Mestre representa.
    Uma vez que esse acordo seja pactuado a permissão de quebra de paradigmas e de egos fica permitida da parte do Mestre ao discípulo e a cada conquista o trabalho e as responsabilidades se avolumam ao pretendente da Inociação.
    Durante a caminhada iniciática, as delicias dos presentes recebidos e as conquistas da iniciação fazem com que muitos se esqueçam que esse na verdade é um Processo de Auto- Conhecimento e nos momentos em que cessam os denominados presentes iniciaticos para que os mesmos possam ser digeridos a contento ocorrem confusões mentais e de desejos atávicos daquele Ser que aquiesceu pela iniciação e fez sua escolha de livre e espontânea vontade e ai ficam evidentes as asperezas dos desejos e se desvelam os degraus da iniciação que como permitem a subida também permitem a queda.
    Na hora da queda, Não há como argumentar ter sido enganado pelos métodos e vivencias de seu Mestre uma vez que a escolha foi voluntária da parte do pretendente à iniciação e essa negação se estande ao próprio astral do iniciando tento em relação ao seu Mediunismo como aos seus mentores.
    Vida longa ao nosso Mestre Pai Rivas pelas sábias palavras que trazem em seu bojo a Responsabilidade e as benesses que o Astral coloca ao dispor de poucos e que muitas vezes não são aproveitadas. Enfim, nada como uma encarnação após a outra...
    Shamnara.

    ResponderExcluir
  25. Importante depoimento de Pai Rivas que demonstra por meio de sua palavra a força de quem viveu de fato. Diferentemente daqueles que livrescos, discorrem palavras decoradas e impressionam os incautos, Pai Rivas traz a valencia do aprendizado vivenciado, que emociona !
    A iniciação trás consigo como ele mesmo nos coloca, direitos e deveres, talvez mais deveres do que direitos e esta fundamentada essencialmente na procura pelo discípulo de seu Mestre. Sim o discípulo procura o Mestre e não o contrario e o Mestre o aceita ...
    Esta questão é primordial para que o processo se inicie. O Mestre faz com que o discípulo em primeira instancia se defronte com ele mesmo, e ai vem à parte mais difícil pois fazemos de tudo, criamos os maiores subterfúgios para escaparmos deste confronto que para muitos significa o fim do processo.
    Chamou-me a atenção, dentre todas as considerações feitas por Pai Rivas algumas citações que gostaria de comentar , senão vejamos :

    a. “... desvalorizar meu Pai é desvalorizar a mim mesmo...”, fato, e quem busca agir desta forma perde a identidade, retrocede, e muitas vezes só recupera quando retorna e recomeça, lá atrás...
    b. “... quero ser igual o meu Pai e não ser ele ...” outra característica daqueles que se encontram no processo de conscientização e acham que podem fazer o que seu Mestre faz, já vi muitos que não passaram da promessa...
    c. “... estamos sujeitos a leis imutáveis que transcendem a lei dos homens...” esta afirmação mostra a importância do respeito e principalmente da lealdade que devemos ter com nosso Mestre, e estaremos sujeitos a leis que transcendem as leis humanas e muitas vezes o contraditório nem sempre fala a nosso favor .

    Estas observações mostram o quanto Pai Rivas é fiel as suas origens, o quanto ele respeita a raiz que lhe foi transmitida e principalmente o quanto ele é reverente ao mundo espiritual. Como diz o ditado que ouvia de minha saudosa mãe “A fruta não cai longe do pé !” Felizes os que têm a benção da oportunidade de conviver com Pai Rivas e receber suas bênçãos !
    Meu Pai, peço sua benção a agradeço ter sido aceito como seu discípulo. Procuro todos os dias pedir a Zamby que lhe proporcione uma Vida Longa com muitas realizações e prosperidade !
    Seu filho, aqui do Planalto Central pede sua benção.

    Aramaty
    Discípulo de Mestre Yamunishidda Arapiagha –Pai Rivas

    ResponderExcluir
  26. Antonio Luz /Aratish9 de abril de 2013 08:53

    Pai Rivas fez uma síntese exemplar do processo de iniciação que visa diminuir a distância do indivíduo para com os ancestrais ilustres, por meio da aproximação deles do plano imanifesto na direção do iniciando (no plano manifesto).

    Descreveu-a como processo de autoconhecimento, que desvela não apenas qualidades, mas também áreas de sombra (aspectos negativos e inconscientes) dos que buscam este caminho. Então, a iniciação é palmilhar a rota da verdade, desinflando-se dos venenos do ego, dos apegos, vaidades e comportamentos pueris e narcisistas.

    Explica que para as Religiões Afro-Brasileiras, particularmente para a Escola de Síntese, a iniciação é um sistema que exige, de saída, três condições “sine qua non”:
    a) a aceitação de um Mestre de Iniciação, que na Escola de Síntese, só pode ser de 7º Grau de 3º Ciclo;
    b) ser médium (ser “cavalo” e ter a anuência das entidades que diretamente lhe assistem);
    c) buscar o aprendizado (internalização dos conhecimentos e valores por meio de vivências com seu Mestre e a comunidade de Santo).
    Segundo Pai Rivas, estas pré-condições visam reorganizar o iniciando tanto em termos de seu temperamento como no refinamento qualitativo de sua percepção e, portanto, de amplificar sua própria consciência.

    Na Escola de Síntese a velocidade de tal processo é variável dependente do tempo, do grau de preparo e de vivência do iniciando. Não se salta etapas, tudo é esforço e mérito. Iniciação não se faz com simonia, não se ganha, nem é fruto de lisonja, muito menos objetiva a sinecura.

    Sinto-me feliz por ter a benção de um caminho que conduz à realidade e me afaste definitivamente da ignorância, apego e ilusão, produzidos por mim mesmo e por outros.

    Axé Baba Mi!

    ResponderExcluir
  27. Nesse pouco tempo, ao menos nessa vida, em que tive a oportunidade de estar sob a cobertura de nosso Mestre tive a oportunidade de começar a degustar o autoconhecimento, que amargo ou doce, nada mais é do que o conhecimento de minha essência. Obrigado Mestre por me dar essa oportunidade e que eu faça por merecê-la.

    Felipe de Paula Nestrovsky

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mestre, nesses anos que acompanho o seu trabalho incansável em nos transformar em pessoas melhores, com paciência, bondade que só um pai amoroso faz, aprendi e aprendo sempre que o caminho da espiritualidade não é fácil, mas como o senhor disse em nossa última aula: nós das religiões afro brasileiras precisamos perseverar sempre os nossos objetivos, correr atrás da vida, caminhando sempre como diz o Caboclo, cada um na sua velocidade, mas caminhando. Ouço, reflito, tento compreender, e, mais do que isso tento exercitar mentalmente e com ações pôr em prática esses ensinamentos. Um deles que sempre releio e tento persistir no caminho: “o homem sábio é aquele que respeita a todos, tem poucos apegos e procura viver com simplicidade crescente”. Mestre, tenho muito orgulho de pertencer a essa comunidade religiosa liderada pelo senhor, procurando melhorar a cada dia, olhando o outro como irmão verdadeiramente, com respeito, participando com trabalho e alegria no seu projeto grandioso de instituir e manter uma Faculdade de Teologia Umbandista cujo o objetivo maior é transformar os seus alunos em pessoas melhores. Sua liderança positiva norteia e incentiva a continuarmos sendo melhores como pessoas e espiritualmente mais conscientes. Vida longa ao nosso Mestre Yamunisiddha Arhapiagha, pedindo aos nossos Ancestrais Ilustres que permita a extensão de sua bondade e espiritualidade a todos nós por muitos e proveitosos anos. Do neófito a discípulo Wilson Lopes

      Excluir
  28. "Um homem coerente..." estas palavras de nosso Mestre sempre me tocam, pois me identifico muito com elas.

    Assim como muitos que o procuraram (e não ao contrário), posso dizer que no inicio do meu (re)encontro com Mestre a 1ª coisa que me tocou firmimente foi a coerencia em suas palavras a atitudes. Claro que hoje vejo muito mais, mas o START foi neste ponto. Ao ver este video, me remete a tudo que passei e a tudo que possa passar.

    Só tenho a agradecer a ele, por aceitar a mim e mnha familia e tenho a convicção que entreguei a "minha Cabeça" a um homem sério e coerente.

    Axé Baba Mi.

    Rodrigo Bueno

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aranaum, axé, motumbá, a todos os meus irmãos,

      Aceitação, Conscientização, Aprendizado, algo para meditar, porém só quem segue um Mestre é capaz de buscar essa realidade.
      No meu entendimento nessas três fazes O Mestre fala da importância do discípulo entrar dentro de si mesmo na iniciação , ou seja, compreender a si mesmo, para poder compreender o outro.
      Mostrando que mediunidade é intermediar e para isso é necessário primeiro encontrar o equilíbrio dentro da própria pessoa e assim ter a responsabilidade de construir um mundo e uma humanidade melhor.
      Obrigado Mestre Arapyagha pela sua Luz
      Sua discípula Marilene

      Excluir
  29. Ouvir as palavras de Pai Rivas nos leva a um sútil desprendimento da temporalidade. Não me refiro apenas a percepção do tempo subjacente a Teoria da Relatividade de Einstein. Mas também a permeabilidade do atemporal no temporal.

    Assim, esse a caminho a ser trilhado só começa a ser percorrido a partir do momento em que o indivíduo percebe que ele poderá fazê-lo quando um Mestre de Iniciação/Sacerdote aceitá-lo como discípulo, de acordo com o Astral dele, conforme Mestre Arhapiagha, Pai Rivas, explana claramente no vídeo. Ou seja, o discípulo precisa despertar para a procura de seu Mestre. Um iniciado é/foi iniciado por alguém, dentro de uma Raiz, de uma Tradição.

    A Iniciação não é um processo que se faz em uma rotação terrena. É um continuum em que o discípulo precisa estar consciente das suas obrigações, da importância do entendimento e da compreensão da realidade, e da internalização das suas vivências com o Mestre como elementos necessários deste processo. Esse caminho não será sempre linear. Devemos ter atenção e sermos responsáveis para não nos perdermos nas tortuosidades...

    Quero agradecer o Pai Rivas e o Astral Superior por terem me possibilitado as bênçãos do trabalho e mostrado o caminho. Que eu possa sempre trabalhar para ser digno da condição de discípulo de Mestre Arhapiagha.

    Axé

    Itaranan (João Henrique)

    ResponderExcluir
  30. CYNDALUÁ - 09/04/2013.
    Ao assistir este vídeo do Pai Rivas sobre iniciação, a princípio fiquei estática e aos poucos fui ressignificando ensinamentos que me foram passados e com o tempo, deixei a vida me levar, é muito mais fácil terceirizar os problemas.
    Mas como Pai Rivas sempre disse , a Iniciação é um processo que depende de cada um, a conscientização, interiorização e aprendizagem. E quando a discípula se revolta consigo mesma é crucial, se afasta do seu Mestre como se pudesse se esconder. Ela encontra mil desculpas para se afastar do caminho. Seu EGO venceu...
    Agradeço ao meu Metre este vídeo, que me fez repensar.
    Que eu receba sua BENÇÃO e possa continuar sendo sua discípula.
    CYNDALUÁ.

    ResponderExcluir
  31. Sou muito grato ao Astral por permitir encontrar (reencontrar?) nesta vida o Mestre Arhapiagha que, com muita clareza, sensatez e dedicação tem ajudado seus filhos a seguirem no caminho espiritual, ao longo de todos estes anos. As pessoas que recorrem ao templo, da mesma forma sempre ajudando a todos, indistintamente. Não há como fechar os olhos para tamanho exemplo de solidariedade e preocupação com a comunidade planetária. Ao Mestre Arhapiagha, toda corrente Astral, meu eterno agradecimento e desejo de continuar trabalhando por todas as realizações construídas e que ainda serão construídas pelo Mestre e a corrente Astral. Nas três esferas citadas da aceitação, conscientização e aprendizado vivenciado, o trabalho e os ensinamentos das entidades (humildade, sabedoria, disposição para vida e tantos outros) nos ajudam a nos tornarmos mais conscientes de nossa realidade espiritual. Axé Baba Mi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço ao Mestre por mais um aprendizado, por mais esta aula de conscientização.
      Pois iniciação é a concietização de que temos muito ego a ser destruido, para que possamos enchergar o nosso eu verdadeiro a nossa essência, só um Mestre com toda essa sabedoria e vivencia pode nos orientar.
      Axe!

      Excluir
  32. Axé meu Pai, Vida longa ao Mestre Yamunisiddha Arhapiagha.

    Sempre, a cada leitura de seus textos ou a cada video seu que assisto, recebo um banho de sabedoria e lições de vida.
    Há muito tempo identifico que há um complemento e continuidade em seus ensinamentos e também nos seus esclarecimentos. Procuro sempre refletir, profundamente...
    E como resultado sempre encontro algo que possa me ajudar. Me ajudar a ser mais humilde, respeitoso, a ser mais gente.

    Admiro muito esta Sua frase: "Não tenho a última resposta porque não sei qual é a última pergunta".
    Na verdade confesso que não sei se esta frase é de Sua autoria.
    Quando ouvi meu Pai pronunciar esta frase pela primeira vez (ainda como integrante da assistência em ritos públicos) pude entender que fatores comportamentais como humildade, respeito, tolerância, aceitação, entre outros, são fundamentais para o bom ser humano.
    Fundamentais para ser uma pessoa decente.
    Com o passar do tempo, após ter sido aceito como neófito, ter iniciado os meus trabalhos como médium, e também após inúmeras lições aprendidas que recebi tanto do meu Mestre como do Astral, aprendi uma coisa simples:
    Aprendi que não adianta estar ou tentar estar. Tenho que ser.
    Aprendi o quanto importante é se aceitar. Aceitar suas limitações. Se descobrir.

    Agradeço aos guias e protetores que nos acobertam, nos protegem, nos guiam e nos dão atenção.
    Agradeço ao meu mestre por ter me aceitado neste processo maravilhoso de autoconhecimento e conhecimento do outro.
    Agradeço ainda mais a todos que direta ou indiretamente, quer sejam encarnados ou desencardados, me ajudam a fortalecer este laço.
    Eu sou testemunha da grande sabedoria e da minha profunda admiração pelo meu Pai Espiritual.
    Foi por isso que o escolhi como Pai Espiritual e Mestre de Iniciação e, a ele entreguei minha cabeça para esta viagem de conhecimento, descobertas e realizações.

    Vida longa ao meu Pai Espiritual. Verdadeiro Mestre. Mestre Yamunisiddha Arhapiagha.
    Axé Babá Mí.
    Axé, muito Axé.

    Mauricio Marques

    ResponderExcluir
  33. Agradeço ao meu Mestre por nos mostrar o caminho da iniciação. Confio muito em seus sábios ensinamentos!
    Axé Baba Mi!

    Marcela Marques

    ResponderExcluir
  34. Nessa postagem vemos claramente que o caminho da iniciação não se trilha meramente por questão de Status: ele se trilha em busca da verdade de si mesmo e por meio de um genuíno Mestre de Iniciação, que com autorização do Astral Superior, conduz seus discípulos com responsabilidade e coerência. Que todos nós possamos caminhar com alegria,serenidade, coração aberto e firmes pelo amor aos nossos Ancestrais Ilustres, Axé!

    ResponderExcluir
  35. A vossa bençao meu Pai Arhapiagha

    Ao ler a vossa mensagem sobre iniciaçao
    Lembrei-me de uma das vez que fui ao vosso consultorio

    Eu falei ao senhor que no kardecismo falava-se:Fora da caridade nao há salvaçao

    E eu perguntei ao senhor que como agora umbandista o que eu deveria fazer para ser salvo

    O senhor me respondeu : Sem a iniciaçao nao há salvaçao

    Eu na epoca nao entendi o que isto significava, hoje eu já entendo melhor as vossas palavras da epoca

    E a cada dia,atravez dos vossos ensinamentos , espero poder entender mais

    Nao tenho mais como meta nesta minha vida de ser iniciado(salvo)
    Mas espero que pelo menos eu possa nesta encarnaçao sair melhor do que aqui cheguei


    E se isto acontecer eu tenho certeza que deverei isto ao senhor, que sempre me guiou e me amparou nos momentos mais dificeis meus e da minha familia

    Por isto eu peço vossa bençao de continuar bebendo desta vossa fonte de sabedoria

    Itamar
    Vosso Discipulo

    ResponderExcluir
  36. Aranauam a todos

    Ao ouvir a mensagem do nosso pai Araphiagha

    Lembrei-me de umas primeiras conversas que tive com ele a sós

    Eu que vinha do kardecismo,que afirma :Que fora da caridade nao há salvaçao

    Perguntei-lhe :o que seria preciso para eu sair desta vida como um vencedor

    Ele respondeu-me prontamente:
    Fora da iniciaçao nao há salvaçao

    De lá para cá eu continuo na minha luta diaria ,
    Levanto,caio.Levanto caio
    Nosso pai me reergue

    Continuo ainda querendo ser aquilo que eu ouvi ele dizer e quando eu penso que eu estou conseguindo .Tropeço novamente

    Que meu pai Araphiagha continue tendo paciencia comigo

    Guiando-me nesta minha vida ,para que eu pelo menos consiga sair dela melhor do que eu cheguei

    Pai Araphiagha ,muito obrigado por mais esta vossa mensagem que nos ajuda a autoreflexao

    Vossa bençao

    Itamar

    ResponderExcluir
  37. Ararité (Sergio Cardoso)9 de abril de 2013 21:43

    Com a didática que apenas um Verdadeiro Mestre possui, assuntos complexos como Iniciação e Escolas são claramente tratados.
    A partir do respeito que possui por todos, independentemente do grau ou afiliação, Mestre Araphiaga usando de sua irrefutável coerência expõe os conceitos mostrando como é o processo em sua linhagem.
    Os princípios da Raiz de Pai Guiné, revivida e restaurada ao Velho Payé são mostrados em seus degraus e estágios sem dúvidas ou fragilidades.
    Babá, obrigado por nos orientar na busca pela origem e o destino retificado.
    Axé Babá Mi.
    Ararité.

    ResponderExcluir
  38. Agradeço ao nosso Mestre por mais um aprendizado, por mais uma aula de concientização e orientação.
    E como devemos agir para destruir o ego a ignorância e a vaidade que nos deixa tão longe da espiritualidade.

    Axe!

    ResponderExcluir
  39. Vera Lucia Silva Vieira9 de abril de 2013 22:33

    Só tem a agradecer todos os dias, ao Astral por ter conhecido o meu pai espiritual.Por esta vivênciando todo esse processo de aprendizado e evolução,espero ter a oportunidade de continuar.
    Obrigado Mestre
    Axé Baba Mi.

    ResponderExcluir
  40. Sei que nessa vida tenho que agradecer muitas e muitas vezes a oportunidade que tive de nascer como filho e como discípulo do mestre Arhapiagha, principalmente no aspecto do discípulo.

    Desde cedo me foram passados os ensinamentos para que eu viesse a me tornar uma pessoa correta, justa e que sempre procurasse melhorar. Pois, assim como meu mestre sempre me ensinou, a iniciação começa no terreiro, mas se estende por toda sua vida e em todos os aspectos da mesma.

    Não me restam dúvidas de que a iniciação não é fácil, pois nem deveria ser. A iniciação é o desvendar de si, é encarar o verdadeiro Eu e conseguir quebrar todas as barreiras que nos impedem de evoluir. Evolução essa que, ao menos pra mim, seria impossível sem meu mestre de iniciação, Pai Rivas.

    São vinte e um anos junto ao meu Pai. Vinte e um anos que a cada dia foi diferente, e a cada dia me foram proporcionadas novas possibilidades para mudar e crescer.

    O caminho da iniciação é longo, é duro e, com toda certeza, muito gratificante. Por isso agradeço ao meu Mestre, Pai Rivas, e a toda a sua linhagem e a todo o Astral por trás dele, por terem me proporcionado a oportunidade de crescer, como homem e, principalmente, como espírito.

    Hoje e sempre peço sua benção, pois sei que na minha existência, ela fez e fará enorme diferença.

    Axé Baba Mi.

    Yapury (Athus Rivas)

    ResponderExcluir
  41. Jósafa Avelino Marques9 de abril de 2013 22:54

    Só tem a agradecer todos os dias ao Astral, por ter conhecido o meu pai espiritual.Por esta vivênciando todo esse processo de aprendizado e evolução,espero ter a oportunidade de continuar.
    Obrigado Mestre
    Axé Baba Mi!

    ResponderExcluir
  42. Aranauan,

    Só tenho a agradecer ao Astral e ao nosso Mestre por mais uma oportunidade de aprendizado.
    Agradeço por ser sua discipula e poder caminhar ao seu lado.

    Axé Baba Mi.

    Fernanda Regina

    ResponderExcluir
  43. Rosimeire Amorim9 de abril de 2013 23:23

    Saravá a todo Povo do Santo!!!
    Neste processo de reconhecimento, não sei quanto andei, talvez muito pouco ou quase nada dentro deste longo caminho chamado Iniciação, mas...
    Alegro-me em saber que hoje consigo transitar por várias linguagens do Santo com a satisfação do "vivente"!
    Alegro-me por ter coneguido mudar, enquanto ouvia e repeia que a constante da tradição é a mudança!
    Alegro-me por vestir várias saias e me encantar com o movimento e o colorido de cada uma delas e, assim, me perceber igual a tantos outros como eu (enquanto antes buscava ser diferente)!
    Alegro-me por saber-me, cada vez mais, Povo do Santo e, assim, me redescobrir a cada rito como Povo do Mundo!
    Alegro-me por saber que tenho muitos outros motivos para me alegrar, mesmo que a caminhada seja, por vezes, muito difícil!
    Alegro-me e agradeço ao Astral Superior por ser conduzida por quem sabe o que faz e faz o que precisa ser feito, sempre...
    Axé Baba Mi
    Rosimeire da Silva Amorim

    ResponderExcluir
  44. Mestre, obrigada pela oportunidade. Misericórdia aos que caíram. Axé Baba Mi, Yanatsala

    ResponderExcluir
  45. Sou grata ao Astral por ter tido a Bênção de encontrar nosso Mestre nesta vida...Mais grata ainda por estar sob sua Mandala...
    Nosso Mestre fala da Iniciação. ..o quanto é importante aprendermos a ser discípulos. ..
    Agradeco ao Senhor, meu Pai, por todo ensinamento que sempre compartilhou conosco. ..
    Por toda sua paciência diante de nossas dificuldades de aprendizagem. ..
    Axé Baba mi...
    Yarashava

    ResponderExcluir
  46. Agradeço ao Astral por ter me dado a oportunidade de encontrar-me com Mestre Arhapiagha nesta vida, e agradeço ao meu Mestre por ter me aceitado como filha...Sei que a caminhada não é fácil...a medida em que nos encontramos com a verdade de nosso ser e de todas as coisas, o que é belo nos fortalece,faz com que nos tornemos mais nobres, na maneira de pensar, sentir e agir, conosco e com os outros, aquilo que ainda não é belo, é digno de ser reconhecido e lapidado...Mestre, ainda sou uma pedra bruta, mas minha alma não se cansa de lapidar-se dia após dia, pois nesta caminhada tenho a absoluta certeza de que o dia em que me tornar um diamante, não serei o reflexo da vaidade, do orgulho e nem do egoísmo, serei o reflexo da luz ofertada pelo senhor, em forma de ensinamentos, de bençãos, de sabedoria e paciência. Obrigada por tudo Mestre!!!!
    Axé Baba mi
    Marta Medeiros da Purificação

    ResponderExcluir
  47. Agradeço ao nosso Mestre, por compartilhar este ensinamento com seus filhos e seguidores do blog, e contribuir para os estudos das Religiões Afro Brasileiras!Axé

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como todos os ensinamentos, que o Mestre passa para todos que de alguma maneira já estão vislumbrando alcançar outros patamares de entendimento a respeito das coisas superiores, uma coisa ficou clara, tudo começa dentro da própria pessoa obrigado Mestre pela sua sabedoria e amor para com a humanidade.

      Excluir
  48. Sua benção meu Mestre!
    A menor de todas as trabalhadoras de sua casa pede agô para manifestar-se.
    Aquela que já há muito o considera seu Mestre, mesmo ainda não podendo chamá-lo Pai.
    Acho que consigo entender , pelo menos em parte, quando o Sr. fala que a etapa da aceitação é muito difícil. Passei muitos anos no RS esperando o dia de vir para São Paulo. Buscar Meu Mestre, pensava eu. Quando aqui cheguei, deparei-me com algo muito maior do que jamais havia imaginado. Um trabalho grandioso, construido ao longo de muitos anos com seriedade, determinação e firmeza.
    Senti o tamanho da minha pequenez, até hoje a voz embarga, e não consigo falar com o Sr.
    Mesmo assim, na sua bondade, fui aceita para trabalhar nesta casa.E todos os dias quando chego para trabalhar, agradeço ao astral pela oportunidade recebida.
    E um dia, quando for do meu merecimento, espero poder receber o presente de poder chamá-lo Pai.
    Agradeço aos Ancestrais Ilustres por, tendo nascido numa cidadezinha do interior do RS, já ter recebido a benção de conhecê-lo.
    Muito agradecida,
    Suzana Pinheiro

    ResponderExcluir
  49. Agradeço a Pai Rivas pela oportunidade nesta vida de poder vivenciar o caminho da iniciação. Sempre me ensinou desde pequeno a correr atrás da vida, nunca ficar parado. Pois se ficar parado...
    O Senhor disse e repetiu inúmeras vezes, que a constante da Tradição é a continua mudança. Estar no caminho da iniciação é estar na luta cotidiana, na mudança.
    Meu Pai, sua benção. Agradeço ao senhor por me aceitar como seu discípulo.
    Axé Baba mi

    Yamani

    ResponderExcluir
  50.     Lembro-me desde cedo nessa presente reencarnação de uma busca constante de algo que eu não sabia explicar com palavras, e nem sabia o nome. Ao encontrar meu Mestre espiritual encarnado, essa busca cessou. Ao encontrar meu Mestre, tive a certeza que enfim eu estava no meu caminho.
           A Iniciação é uma escalada íngreme, e requer muito esforço, mas quem tem um Mestre verdadeiro, sabe onde encontrar forças para seguir em frente, e a felicidade a cada degrau vencido apazigua a alma.

            Axé Baba mi

            Aradhana

    ResponderExcluir
  51. Ouvir as palavras de um verdadeiro MESTRE sobre iniciação é um privilégio! e Pai Rivas faz isto com muita clareza.
    Neste processo que envolve discípulo e Mestre a percepção, vivência, aceitação e paciência são necessárias e compartilhadas.
    O Mestre mostra os espelhos ao discípulo que em alguns momentos não os consegue enxergar, pois sua visão está turva, mas com vontade e persistência vai conseguindo uma melhor visualização, e em outros momentos o espelho está embaçado e o Mestre vai gradualmente limpando e polindo para que a imagem fique cada vez mais clara. Nestes momentos se descobrem e são vistas coisas boas e coisas ruins que fazem parte deste aprendizado.
    Todos estes passos são acompanhados pela Astral que também ajudam na consciência da ligação existente entre as Divindades e os humanos,que inclusive acabam reconhecendo o corpo como algo sagrado.
    Mestre Arhapiagha somente tenho a agradecer estes anos de convivência pela sua paciência e dedicação, na esperança que isto perdure por muito tempo e no momento certo que possa receber das suas mãos todos estes objetos citados que um dia o senhor recebeu de seu Pai .
    Sua bênçao!
    Axé Baba Mi !
    Anselmo

    ResponderExcluir
  52. Através desse vídeo , me remeti a pensamentos profundos e me veio em mente que desde de que há anos,fui recebida e acolhida pelo nosso Mestre e pela espiritualidade que lhe assiste ,tento me encontrar ,descobrir o meu verdadeiro eu , o meu sentido. A vida às vezes , dificulta o meu caminho,mas desde que aceitei e me conscientizei do que realmente procuro, fica mais fácil eu me redirecionar ,o que seria impossível sem a presença do nosso Mestre
    ;Mestre esse , exemplo vivo de responsabilidade e seriedade espiritual ,que sempre humilde e pacientemente nos transmite sua vivência e cuida de nossas cabeças de acordo com o nosso grau evolutivo.Ao nosso Mestre e ao Astral, deixo o meu mais profundo agradecimento pela oportunidade dessa vivência que me remete ao meu eu. Vida longa Mestre!!!!!! Axé Baba Mi .YARANAYA

    ResponderExcluir
  53. Ser aceito pelo senhor como discípulo desde 14/11/1989, modificou minha vida, a partir do momento em que o conheci iniciei uma nova jornada.

    Desde então o aprendizado tem sido constante sobre todos os aspectos da vida (substância, existência e essência)

    Aprendi a perceber que o senhor é a própria tradição.

    Seus ensinamentos sua coerência e transparência como sua energia são indescritíveis.

    A vivência iniciática sob sua orientação permitiu meu despertar.

    Sua sabedoria, simplicidade e alegria para com tudo que realiza são exemplos para todos os seus discípulos e no meu entendimento para toda a humanidade.

    Sou feliz e realizado em minhas aspirações em razão de ser seu discípulo.


    Muito obrigado.

    Sua eterna benção!


    Tashanan

    ResponderExcluir
  54. Asé Babá Mi!

    Incansavelmente agradeço ao Astral por ter me guiado até o Sr, meu Mestre, meu Pai, destruidor do meu ego! Por ter me aceito como sua filha de santo permitindo-me estar debaixo de sua mandala nesta encarnação. Aprendo com suas palavras, mas guardo na memória do meu espírito o exemplo de sua vivência. Peço a misericórdia de estar ao seu lado para não perdê-lo de vista, pois sei que neste caminhar da iniciação, a nuvem de minha ignorância e de meu ego podem torná-lo invisível. Clamo por força, sabedoria, tranqüilidade e lucidez para que não tropece na minha pequenez. O tenho como porto seguro de minha alma e o farol que me guia nesta difícil trajetória que é a iniciação, mas não desistirei, pois sei que a pior fase que é a da aceitação eu já ultrapassei. Aceito-o, meu Mestre, no passado, neste presente (que me foi dada nova oportunidade) e no futuro! Labutando para sair como vitoriosa de mim mesma, mas, consciente da sua essencial ajuda e direcionamento.

    Suas bênçãos!

    ResponderExcluir
  55. Lucidez, clareza, magnifico !!!!!!
    Agradeço pela oportunidade da iniciação, obrigado por me permitir viver aqui e agora com um magistral ancestral das tradições afrobrasileiras, um mestre da alma. Obrigado por me fazer um homem melhor.


    Yamatiara

    ResponderExcluir
  56. Ao assistir ao vídeo postado por Pai Rivas, tocou profundamente meu coração, e me fez lembrar de quinze anos atras quando bati à porta da OICD. Buscava por um homem sábio, buscava pelo Mestre pois meu espirito clamava por Ele. Tive a bencão e a honra de por Ele ser aceito e ao Mestre entreguei meu Ori e a Ele confiei meu destino. Sua forte presença, sua infinita bondade e sabedoria fez e faz de mim a cada dia um ser melhor e venho ao seu lado despertando para o caminho da iniciação pois o Mestre é o decodificador do Orun para o Ayê. Sem o Mestre não tem iniciado e muito menos iniciação, sem meu Mestre não consigo e não conseguiria caminhar pois Ele é o Sol que ilumina meu ser. Obrigado meu Pai, meu Mestre e meu Amigo. Axé Baba Mi
    Aratyara

    ResponderExcluir
  57. Estou tão feliz e me percebo tão pequeno que, como poucas vezes na vida, me sinto despido de palavras para agradecer e quantificar o que é este trabalho e o que tem feito por mim e pelas pessoas que amo. Qualquer tentativa de agradecimento ao Mestre Arhapiagha, autor deste espaço e a todo o seu trabalho não deporia mais em ajudar a manter o que este blog faz como veículo de debate e entendimento para as religiões de matriz africana do que uma tentativa fria e objetiva de ler este espaço. Tentarei, então, me ater ao blog e o que acredito que ele represente no nosso meio religioso, sem ter pretensão de com minha petulante digressão crítica, definir obra tão importante. Assumindo minha pouca experiência e ignorância, peço de antemão desculpas por qualquer erro de conceito ou adjetivação indevida.
    O vídeo, como todos os outros que tive o prazer de assistir de nosso pai espiritual, é muito elucidativo, e de uma didática viva e eficaz, como sempre é, ou deveria ser, o aprendizado nos terreiros e demais agremiações religiosas calcadas no saber de tradição oral.
    Fico muito feliz em saber que poder ouvir as palavras de Pai Rivas não é para poucos. Com a veiculação aberta e gratuita, estas palavras deixam de ser privilégio e, sendo oportunidade de crescimento para qualquer afro-religioso que tenha a pretensão de tentar entender o seu meio, passam a ser obrigação política, pelo menos. Assisto a muitos dos vídeos com certo aperto no peito, imaginando o quão caro e difícil é abordar temas que são verdadeiros vespeiros com a sinceridade e objetividade com que são tratados. Com o intuito de apr(e)ender esse respeito universal e tolerância, na medida das minhas capacidades, tento discernir esse limite tão difícil entre suscitar o debate e o pensamento crítico sem pretender encerrar ou definir o assunto com um parecer - por mais que o lastro de sabedoria seja irrepreensível. É muito generoso ter um espaço de discussão dessa dimensão e usá-lo sempre em favor da abertura e do convívio fraterno. É grande contribuição às Umbandas e demais religiões afro-brasileiras o debate empreendido neste blog. Faço votos que este espaço se perpetue e que seja exemplo de luta inteligente, perene , militante e diletante ao mesmo tempo, para a promoção de nossa cultura.
    No âmbito da religiosidade suas colocações nos brindam com tomos de sua imensa sabedoria conduzida com respeito geral e irrestrito a todos os outros cultos e seus praticantes, sem deixar de ser direta, incisiva e promotora de uma ampliação de perspectiva e de uma reestruturação de pensamentos. No âmbito pessoal, estes vídeos, textos e fotos são meio de aquisição de conhecimento complementar ao saber fundamental (interno) a ser aprendido para trilhar nosso feliz caminho; unindo o exotérico ao esotérico, o intramuros ao extramuros do templo e da academia. Tenho certeza de que servem em alguma medida a todos os religiosos que procuram meios de entender seu caminho e expressar fraternidade e unidade na diferença do percurso de cada viés religio-filosófico e de cada caminhante.

    Obrigado, meu Pai, do fundo da alma que espero começar a desvelar, obrigado!

    ResponderExcluir
  58. Obrigada Mestre, por ter me apresentado ao mundo maravilhoso da espiritualidade e por me manter neste mundo. O senhor, que é a manifestação viva do Orun no Aiyê, a própria tradição, fazendo o elo, a ligação ... É uma honra ser sua filha espiritual. Que eu seja digna deste caminho.


    Fernanda

    ResponderExcluir
  59. Obrigado Mestre, Pai Rivas, por colocar a mão sobre minha cabeça. Devo minha gratidão ao Senhor e ao astral, pela oportunidade que tenho nessa encarnação de conhecer e trilhar o caminho da iniciação.
    O Senhor me ensinou que sou dono do meu destino. Assim vou moldando meu caminho, tendo sua luz como guia e seus passos como doutrina.

    Axé Baba mi

    Yatará (Ariel C Estácio)

    ResponderExcluir
  60. Agregação de conhecimentos e vivências gradativas é que darão ao iniciando condições cada vez mais amplificadas da percepção da realidade. A este processo denomino de Iniciação.

    A iniciação não se consegue sozinho, pois que as dificuldades são imensas, impostas pela ignorância do egoísmo, orgulho, vaidade, mas também pelas influências várias, sendo elas do mundo material ou do mundo sobrenatural, e nós que adeptos das religiões afro-brasileiras cremos na Iniciação como método para amplificar cada vez mais a percepção da realidade ultima, aproximar Orun do Ayê gradativamente para que se faça uma aproximação com o Orixá, o genitor Divino.

    Pelas grandes e inúmeras dificuldades no caminhar é necessário alguém que possa orientar, e nas religiões afro-brasileiras existe a figura do Pai/Mãe Espiritual e especificamente na nossa Escola um Mestre consumado.

    Mestre Arhapiagha descortina o assunto didaticamente neste vídeo, o que é a Iniciação nas religiões afro-brasileiras, especificamente na nossa Escola, sem querer esgotar o assunto, nem por isso o trato é periférico, pois os conceitos apresentados são bastante profundos e complexos. Ele o faz como nunca o vi antes, pelo menos que eu tenha tido conhecimento, desvelando um pouco mais dos mistérios que envolvem a condição de ser um iniciado.

    Como falar sobre a iniciação sem ser um iniciado? Não tenho palavras, mas posso sentir e perceber ao fitar, ouvir e ver as realizações de um verdadeiro Iniciado, nas suas atitudes e na coerência no tratamento não só nas lides do Santo, em todos os âmbitos da vida principalmente na sabedoria.

    Mestre Arhapiagha, Mago, verdadeiro Iniciado no sétimo grau do terceiro ciclo, reconhecido como sucessor de Mestre Yapacany (Pai Matta) pelo Astral Superior através de Pai Guiné de Angola. Eu o reconheço como Meu Mestre em espírito e verdade, ao Senhor entrego meu ori, e o reconheço e o aceito como meu Mestre, porque sinto em ti a extensão dos poderes do mundo Astral através do Caboclo Urubatão da Guia dirigente de toda a nossa Linhagem.

    Tenho tido a honra da convivência Templária com Mestre Arhapiagha durante quase 14 anos onde vivenciei no exercício da mediunidade dentro da nossa Escola, especificamente na Umbanda, experiências que me fizeram despertar para a Iniciação sendo cônscio das minhas responsabilidades. Espero sempre ser digno de pisar no solo Sagrado do Templo de Caboclo Urubatão de Guia.

    Mestre Arhapiagha minha gratidão eterna.

    Yaratan (Massumi Miyazaki).
    Axé Babá Mi,
    Seu filho pede a benção.

    ResponderExcluir
  61. Sua benção meu Pai, Mestre, Baba Mi,
    Somos muitas vezes pequenos para enxergar os caminhos, porém a luz emitida por todo seu trabalho nos faz caminhar, mesmo que em passos pequenos. Interiorizar nossos defeitos para corrigi-los é um processo dificil e prolongado, mas que com certeza sob seu auxílio, orientação e caminhos vamos chegando devagar, devagarinho. Agradeço, meu Pai, toda a paciência, compreensão, carinho e toda ajuda que me tem sido oferecido e toda orientação que nos tem dado através das aulas, videos, FTU e tudo mais que é passado para nós. Só um Mestre de verdade nos faz compreender que temos que dar o mergulho no nosso interior para começar a modificar. Vida Longa Mestre! Vida Longa a toda a Linhagem!

    Vânia Japiassu Viana(Yaratacy)

    ResponderExcluir
  62. Yabacyara@hotmail.com14 de abril de 2013 22:14

    Mo dupé lokiki Baba mi. Estes vinte e três anos no Ilê aprendo muito com o Senhor, é uma pena e ao mesmo tempo providencial não me lembrar "quando" este processo iniciático deu-se, e tenho certeza que não se findará nesta breve passagem pelo Aye.Vou pedir sempre diante do peji em oração aos Mentores e a Ti que me aceite como sua filha se santo.Peço energia aos mentores para buscar todos os dias de minha existência o merecimento de adentrar aos awos do congá, e assim por mim e por todos que convivo poder práticar e validar todos estes anos em sua casa espiritual.
    Ase Baba Mi.
    Yabacyara(Márcia Moura)

    ResponderExcluir
  63. A iniciação do Mestre
    A iniciação é uma oportunidade de trabalhar com seres Iluminados.
    Esses seres iluminados vem trazer: paz, alegria, axé, luz e proteção.
    Meu Mestre, meu pai, agradeço muito por fazer parte dessa iniciação que é uma oportunidade única.
    Aprendi que somos seres espirituais porque estamos com novas ideias, novos pensamentos que surgem através da iniciação, trazendo entendimento que nos fortalece e afasta do sofrimento.

    Williams Alberto da Silva

    ResponderExcluir
  64. Com meu Mestre aprendi que a iniciação é experiência, é por em prática o que ele fala e ter tolerância com as diferenças, é buscar a paz mundial, conhecer a si mesmo.
    Aprendi a entender o mundo e respeitar o ser humano.
    Aldenir Pontes Goes

    ResponderExcluir
  65. Este contato com meu mestre nos últimos anos vivenciando este enrredo ritualistico construido por ele por meio de vários ritos praticados na OICD,tentando demonstrar a diversidade religiosa que há dentro das religiões afro brasileira,me ajudou a entender melhor e a ter uma convivencia harmoniosa e pacifica com adéptos e não adéptos.

    Todo este universo de conhecimento e prática que se desenvolve dentro do templo orientado pelo Mestre Arapiagha nos auxilia no processo de iniciação, ao meu ver quanto mais voce se aproxima de seus Ancestrais Ilustres( Divindades ou entidades) fica mais fácil a compreensão e a busca deste reencontro com a sua Ancestralidade e com a sua essência divina. A caminhada do iniciado dentro das religiões afro brasileira é um processo do caminho inverso,tem que procurar conhecer e entender a origem de todas as coisas, inclusive a origem de sua essência divina, ir fundo em sua alma, se conhecer melhor, pensar no coletivo, não ter apego s na vida material,ser ético ao seu Mestre e aos seus Ancestrais Ilustres e a toda sua Ancestralidade. Agradeço a Espiritualidade ( Astral Superior) por permitir que eu reencontrasse meu Mestre nesta vida e de ele ter aberto as portas do Templo para mim e aceitado como seu discípulo nestes quase dezenove anos.
    Axé Baba Mi e vida longa a Mestre Arapiagha

    Milton Diniz

    ResponderExcluir