quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Cantos e encantos no toque da Encantaria

Na publicação de hoje vamos mostrar um pequeno vídeo que registra o Toque da Encantaria conduzido por nós no templo de nossa filha espiritual, Mãe Fabi.
Na próxima publicação voltaremos a registrar outras nuances do V Congresso Brasileiro de Umbanda do Século XXI / II Congresso Internacional das Religiões Afro-brasileiras realizado nas dependências da FTU. Axé!




Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 309

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Congresso: Entrevista com o Mestre Juremeiro Cleone Guedes e prof. Luiz Assunção

Passaram poucas horas do encerramento da quinta edição do Congresso Brasileiro de Umbanda do Século XXI que também comportou o II Congresso Internacional das Religiões Afro-americanas. Na publicação de hoje, vamos compartilhar algumas importantes impressões deste evento por meio de vídeo. Trata-se da entrevista que nosso filho espiritual João Luiz Carneiro (Yabauara) fez com o Mestre Juremeiro Cleone e prof. Luiz Assunção.

O Mestre Juremeiro Cleone é filho espiritual e carnal do Mestre Geraldo Guedes, sendo ambos uma das principais referências em Jurema no Nordeste brasileiro. Além disso, Mestre Cleone fora iniciado também na Jurema pelo renomado Babá Carol, outra grande referência na região. Passou pelo Candomblé Ketu e hoje conduz a casa de Mestre Geraldo.

O Prof. Luiz Assunção é Doutor em Ciências Sociais pela PUC e tornou-se uma importante referência acadêmica sobre Jurema ou Umbanda Nordestina, como afirma em sua tese de doutorado.

Abaixo, o vídeo. Axé!




Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 308

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O Corpo no transe religioso afro-brasileiro

O corpo é sempre discutido em nossas publicações já que ele tem função relevante dentro dos rituais afro-brasileiros e também na vida dos adeptos. A forma de lidar com o corpo, como algo sagrado (e não externo e pecaminoso) é marca da cosmovisão afro-brasileira, em suas múltiplas manifestações. Não há religião afro-brasileira que não tenha o corpo como um instrumento sagrado, como um veículo das divindades e ancestrais e como um dinamizador, receptor e veiculador de axé.
Nesta publicação aproveitamos para trazer à tona um texto apresentado no XIII Simpósio Nacional da Associação Brasileira das Religiões, em junho deste ano, na cidade de São Luis do Maranhão (Universidade Federal do Maranhão). Na ocasião, vários olhares se encontraram, especialmente o teológico, antropológico e sociológico, a fim de que os pesquisadores discutissem o campo religioso brasileiro de forma saudável e dialógica. Duas teólogas formadas pela Faculdade de Teologia Umbandista estiveram presentes, apresentando sobre o papel do corpo nos transes religiosos afro-brasileiros. O trabalho foi muito discutido o que denota que as discussões sobre o corpo e sobre o transe devem ser sempre e mais exploradas. E é este texto que aproveitamos para mostrar aos leitores do nosso blog. Boa leitura! Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 307

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Toque dos Encantados - Encantaria de Mestre Canindé


O corpus dos saberes e práticas das Encantarias faz a ponte entre as várias religiões afro-brasileiras. Sua composição ritual leva em consideração as primeiras matrizes formadoras do povo brasileiro, a indígena, a indo-europeia, não excluindo a africana. As Encantarias são ritualizadas em várias partes do país e estão assentadas nas sagas dos Mestres, nos poderes veiculados pelo vinho da Jurema e a sacralização dessa árvore e pela força da comunidade religiosa (que não é fechada, mas aberta).
Esta publicação destina-se a apresentar fotos de um Toque dos Encantados realizado no último dia 15 de novembro na Casa Espiritual de Mãe Fabí (minha filha de santo) em Itanhaém (a Terra que canta e encanta). Estiveram presentes filhos de santo de São Paulo, de Itanhaém, além de outras lideranças religiosas que vieram comungar conosco dos poderes dos encantados.
Axé!





Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 306


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Faculdade de Teologia sedia evento: V Congresso Brasileiro de Umbanda e II Congresso Internacional das Religiões Afro-brasileiras!


Na próxima semana a Faculdade de Teologia Umbandista sediará pela quinta vez consecutiva o V Congresso Brasileiro de Umbanda e o II Congresso Internacional das Religiões Afro-brasileiras/americanas. O evento será nos dias 23, 24 e 25 de novembro.
O Congresso faz parte da proposta da instituição em fomentar a aproximação entre o saber acadêmico e o saber religioso, entendendo ambos como formas legítimas e verdadeiras do conhecimento. Por ser um encontro acadêmico estiveram e estarão presentes pesquisadores de várias áreas, como teologia, antropologia, sociologia, educação entre outras. Mas a inovação do evento é contar com sacerdotes e sacerdotisas das religiões afro-brasileiras, os quais se dispõem anualmente em dialogar e trazer a força de suas tradições religiosas para que todos possam conhecê-las, de uma maneira mais próxima.
Este ano estará presente um sacerdote juremeiro (Mestre) residente em Natal que trará experiências da religiosidade da Jurema Nordestina. Esta vertente religiosa, tão rica e já conhecida nas regiões norte e nordeste, possui também adeptos em outras regiões do país, como o estado de São Paulo, por exemplo. Essa é apenas uma das marcas do campo religioso afro-brasileiro, a constante interpenetração de suas vivências. Se há traços marcantes em cada Escola Afro-brasileira, não podemos negar que elas dialogam em vários pontos, na crença nas potestades (orixás, voduns, inkices), nos ancestrais (caboclos, pretos-velhos, encantados, mestres, exus, baianos, boaideiros, etc), o transe, a relação com as ervas medicinais e rituais, a comunidade de santo, entre tantas outras que poderiam ser listadas. Essas são algumas das questões a serem debatidas no Congresso deste ano, uma vez que elas envolvem Cultura, Memória e Identidade das Religiões Afro-brasileiras.
Outro ponto importante são os grupos de trabalhos abertos para a comunidade acadêmica, professores e alunos, pesquisadores em geral que tem a oportunidade de expor suas pesquisas. O congresso terá 3 GTs: 1. Teologia, coordenado pela Profa Dra. Irene Dias; 2. Memória, Cultura e Identidade, coordenado pelo Prof. Dr. Luiz Assunção e 3. Meio ambiente e Espiritualidade, coordenado pelo Prof. Dr. Yuri Tavares.
Haverá também um coquetel e uma sessão de lançamento de livros da Editora Arché. Um dos livros mais esperados chama-se Da Minha Folha: múltiplos olhares sobre as religiões afro-brasileiras, organizado pelo Prof. Dr. Luiz Assunção. O livro conta com vários trabalhos de pesquisadores. Minha contribuição ao livro leva o título de Abordagem de saúde, doença e cura nas Religiões Afro-brasileiras. No capítulo, apresento uma das visões sobre doença, saúde e cura, sabendo que há várias Escolas e, claro, vários conceitos e tratamentos. Com certeza será uma obra que marcará este campo de estudos pelas várias abordagens contidas em seu interior!
Disponibilizamos abaixo o link do evento para que vocês possam observar a programação completa com os nomes de todos os palestrantes, as palestras, os locais para hospedagem em São Paulo e valor das inscrições.
Ainda há vagas para o evento e vocês, leitores, também podem fazer parte dessa história, construindo saberes convergentes e levando adiante a força da cultura e religiosidades afro-brasileiras.
http://www.ftu.edu.br/congressos/convidados.html#
Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 305

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Religiões Afro-brasileiras no censo 2010 pela visão de duas teólogas da FTU


Há mais de um ano o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vem publicando resultados dos dados colhidos no Censo 2010. Este trabalho é de suma importância e tem o objetivo de mapear o que ocorre com a população brasileira, seja no que se refere aos arranjos familiares, aos segmentos religiosos, aos dados sobre trabalho, violência entre tantos outros.
Um deles, por exemplo, diz respeito aos nossos indígenas que, hoje, somam apenas 896,9 mil, com 305 etnias e 274 idiomas. Esses números revelam quão ínfima é esta população se comparada a anos atrás.
Os dados sobre religião, logo que divulgados, foram foco de trabalhos acadêmicos de sociólogos, antropólogos e teólogos. Foi o caso de Maria Elise Rivas e Érica Jorge, duas teólogas com ênfase nas religiões afro-brasileiras formadas bacharéis na Faculdade de Teologia Umbandista em 2008.
As teólogas preocuparam-se em analisar quais as possíveis razões para explicar a manutenção do número de pessoas que se dizem vinculados às religiões afro-brasileiras. Tanto no censo de 2000 quanto em 2010 o número se manteve em 0,3% da população. Estagnação diria alguns sociólogos. Mas a proposta das teólogas foi mais desafiadora: o número indica uma mudança. Há dez anos atrás os sociólogos diziam que as religiões afro-brasileiras tendiam para sua quase escassez. Nesse sentido, a manutenção em 0,3% representa um avanço.
Pertencimento religioso, identidade étnica, pertencimento de grupo, dupla, tripla pertença religiosa, preconceito, repressão foram algumas das discussões levantadas e muito bem articuladas. Mas, as hipóteses mais contundentes levantadas pelas teólogas diz respeito à articulação das comunidades afro-brasileiras via mídia social e pela implementação da Faculdade de Teologia Umbandista, a qual promoveu um status diferenciado para os praticantes afro-brasileiros. Foi uma voz legitimadora e um caminho aberto pela Educação, muito mais nobre que qualquer embate religioso com outras vertentes, o que certamente acarretaria em enfraquecimento dos adeptos.
Assim, apresento o link abaixo do artigo produzido e que foi aceito para publicação em um periódico de uma instituição de ensino superior luterana. O aceite reforça a qualidade do trabalho, a importância da temática e, principalmente, o reconhecimento do trabalho que vem sendo construído por meio do saber teológico afro-brasileiro. Boa leitura a todos.
Axé!


Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 304

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

XXIII Rito de Exu e Ossaim - Guardiões do Axé e das Plantas Medicinais e Rituais (vídeo)


A publicação de hoje apresenta momentos marcantes da ritualística do XXIII Rito de Exu e Ossaim - Guardiões do Axé e das Plantas Medicinais e Rituais. 
No vídeo é possível observar primeiramente a Mãe Maria Elise Rivas (Sacerdotisa Yamaracyê) conduzindo o cerimonial e recebendo os diversos pais e mães de santo do Brasil e fora dele. Logo após, realizamos uma pequena prédica onde contamos de forma sucinta o enredo mágico-religioso envolvendo Exu e Ossaim.
Dando continuidade ao vídeo, vamos observar o toque para Ossaim, a louvação do Caboclo (Orixá Brasileiro) e os preparativos para a Quimbanda.
Seguindo no tempo, o vídeo mostrará o Rito de Exu propriamente dito em suas duas fases. A primeira nas dependências internas e externas da FTU, onde fomos literalmente para a rua! A segunda em nosso outro templo localizado na Rua Chebl Massud onde está assentado, entre outros fundamentos, o Exó de Exu.
Ao final, não poderíamos de deixar de homenagear os Encantados e todo o povo da Jurema.
Fica aqui o nosso convite para assistir estes momentos tão importantes do rito que ficarão para sempre marcados em nossa retina espiritual. Axé!


Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 303

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

XXIII Rito de Exu e Ossaim - Guardiões do Axé e das Plantas Medicinais e Rituais (PARTE II)

Antes de comentar a presente publicação, gostaríamos de agradecer a todos os pais e mães espirituais pela participação intensa no XXIII Rito de Exu e Ossaim - Guardiões do Axé e das Plantas Medicinais e Rituais. Também gostaríamos de agradecer a todas as nossas filhas e filhos, netos(as) de santé, enfim a toda a Linhagem que trabalhou para tornar este rito o sucesso que foi.  
Na publicação de hoje, disponibilizamos fotos da segunda parte do rito que se processou em nosso templo na Rua Chebl Massud. 
Na próxima publicação, vamos falar um pouco do ritual e das lideranças presentes.
Axé!



Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 302

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

XXIII Rito de Exu e Ossaim - Guardiões do Axé e das Plantas Medicinais e Rituais (PARTE I)

Dando continuidade à publicação anterior, vamos apresentar outros importantes registros do XXIII Rito de Exu e Ossaim - Guardiões do Axé e das Plantas Medicinais e Rituais.
Abaixo é possível acessar fotos de momentos preparatórios do evento, Congresso de Sacerdotisas e Sacerdotes e a primeira parte do Rito que ocorrera nas dependências da FTU e na rua! Axé!




Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 301