segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Religiões Afro-brasileiras: retrospectiva de nossa Casa de Fundamentos e da FTU


Estamos chegando ao final de 2012 e gostaríamos nesta publicação de fazer uma breve retrospectiva com os fatos mais marcantes e significativos para nossa comunidade de santo.
Nosso ano ritualístico foi iniciado em fevereiro com o Toque para Caboclo, ritual de convivência e compartilhamento de forças entre vários terreiros. Há vários anos nossa Casa de Fundamentos tem realizado tais rituais como forma de aproximar os vários pais e mães de santo fazendo com isso um resgate o corpus de fundamento do sacerdócio.
Outra iniciativa atrelada à questão anterior foi a manutenção e crescimento do Fórum Internacional Permanente de pais e mães de santo, alimentado via mídia social (blog) pela Faculdade de Teologia Umbandista. Durante 2012 recebemos mais de 400 contribuições, sejam em textos ou vídeos, sobre as experiências particulares de cada uma das lideranças e suas interpretações sobre a diversidade religiosa.
No final de maio, início de junho alguns professores da FTU foram para o XII Simpósio Nacional da Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR) e apresentaram em vários grupos de trabalho os resultados de suas pesquisas com as religiões afro-brasileiras. Recentemente os anais do evento foram divulgados e os trabalhos apresentados constaram no material e foi amplamente divulgado nas redes sociais. Seguindo a perspectiva acadêmica, em julho algumas teólogas formadas pela FTU apresentaram seus trabalhos no XXV Congresso Internacional de Teologia e Ciências da Religião da Sociedade de Teologia e Ciências da Religião (SOTER) e travaram debates e discussões entre as várias teologias presentes, a católica, protestante e luterana, por exemplo. Foi um passo muito importante para valorizar a teologia com ênfase nas religiões afro-brasileiras mostrando que a mesma tem tanto valor como as demais e merece ser discutida e aprofundada nesses eventos.
Um fato marcante foi o evento Espiritualidade, Saúde e Ciência realizado pela Faculdade de Saúde Pública da USP. Neste dia várias lideranças religiosas foram convidadas a falar sobre a noção de saúde, doença e sua vinculação com a espiritualidade. Para falar sobre as religiões afro-brasileiras, a USP nos convidou. Temos certeza que muitos pais e mães de santo poderiam ter representado as religiões afro-brasileiras. O convite muito nos honrou, não apenas pela discussão com vários cientistas e religiosos mas sobretudo pela amizade firmada com eles.
Outros resultados acadêmicos foram conquistados também por meio de publicações de artigos científicos em periódicos de grande porte. Um deles foi internacional sobre as ervas nas religiões afro-brasileiras. Outro versou sobre a teologia de tradição oral, outro sobre os dados do censo 2010 e as religiões afro-brasileiras, especialmente com a umbanda. Foram publicações que repercutem em mídias sociais, em mailings de universidades e entre a comunidade de santo. Temos certeza que elas ajudam a fortificar o campo de estudos sobre as religiões afro-brasileiras.
É importante ressaltar que os brilhantes resultados obtidos pelos sacerdotes, professores e teólogas com ênfase nas religiões afro-brasileiras foram efetivados porque tal perspectiva acadêmica nasceu no interior do terreiro, com as experiências rituais e de fundamento adquiridas ao longo de vários anos por nossa Casa de Fundamentos. Sendo assim, aliando a prática ritual e a acadêmica, fomos mesclando os eventos acadêmicos aos vários toques realizados por nós e por vários outros terreiros de outras regiões do país. No final do ano, principalmente, os vários toques tiveram o objetivo maior de louvar os exus, divindades do panteão afro-brasileiro que se importam em fazer com que as pessoas façam se destino, corram atrás da vida e tenham boas realizações espirituais e materiais. Exus são os senhores dos vários caminhos, possuem uma profunda relação com Orumilá Ifá e, portanto, tem o poder de facilitar realizações.
No final de outubro tivemos nosso toque para exu, ligação de Exu, Orumilá Ifá e o Orixá da mediação Ossaim (divindade da medicina e da magia). Esse ritual foi coroado pela presença dos exus e dos vários pais e mães de santo do Brasil e, inclusive da Europa, com a presença de Pai Cláudio (Portugal).
No final de novembro tivemos o V Congresso Brasileiro de Umbanda do século XXI e II Congresso Internacional das Religiões Afro-americanas, ocorrido na FTU. O evento contou, como de praxe, com nomes renomados do universo acadêmico e várias lideranças afro-brasileiras. Um fato marcante foi a presença do Pai Cleone Guedes, um juremeiro de Natal (RN), que veio para uma mesa de debate com o antropólogo Luiz Assunção. Após os três dias de convivência com os congressistas, com a faculdade, e depois de muito observar nossa fala e nossa presença, Pai Cleone nos honrou dizendo que gostaria de poder vir morar em São Paulo para aprender conosco sobre as coisas do santo, pois reconheceu que nossa Casa tinha profundos conhecimentos das coisas do axé. Essa frase só poderia vir de uma pessoa amiga, receptiva e extremamente humilde, já que Pai Cleone é um dos mestres juremeiros mais reconhecidos na cidade de Natal. Agradecemos seus dizeres e esperamos poder trocar mais palavras amigas e experiências com Pai Cleone e sua família de santo.
Outro fato marcante no II Congresso Internacional das Religiões Afro-americanas foi o lançamento do livro Da minha folha: múltiplos olhares sobre as religiões afro-brasileiras, organizado pelo Prof Dr. Luiz Assunção e editado pela Arché Editora em parceria com a FTU. Ficamos muito honrado pelo antropólogo Prof. Dr. Vagner Gonçalves ter feito a contra capa do livro e do filósofo Prof. Dr. Cassiano Terra ter feito a orelha do mesmo. Foram contribuições que só somaram a qualidade dos textos da obra. O livro conta com vários artigos acadêmicos, de antropólogos, sociólogos, teólogos de várias partes do país. Nós também contribuímos com o livro apresentando um capítulo sobre a noção de saúde e doença nas religiões afro-brasileiras, texto fundamentado na nossa experiência sacerdotal e profissional médica.
Findamos o ano com vários toques de exus, os quais foram realizados em São Paulo, Itanhaém, Curitiba com a intenção de louvar essas divindades com a finalidade de alimentar, renovar e distribuir o axé, fazendo com que estejamos em dia com nossas obrigações rituais e sociais e, finalmente, isso se reverta em saúde em vários âmbitos.
Concluímos a última publicação do ano desejando que todos os amigos do blog, pais e mães de santo, comunidade do santo, comunidade acadêmica, possam deixar o ano de 2012 e entrar, serenamente, no ano de 2013. Todo novo ciclo deve ser louvado para que ele esteja coberto de vibrações e axé de nossas divindades. E que isso nos traga saúde, paz, alegria, compromisso, responsabilidade, força, determinação e vontade para mudarmos para melhor nosso destino individual e de nossa coletividade como um todo. Creiam-me. Esse é o nosso mais íntimo desejo.
Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 318

2 comentários:

  1. Toda esta produção, quer seja acadêmica, quer seja ritualística reverte-se em realizações positivas para toda a coletividade. São bênçãos distribuídas graciosamente à todos, sejam "Povo do Santo" ou não; trazem à toda a sociedade novos recursos e novas perspectivas de se bem viver em paz e em harmonia. Ashé, Baba Mi!

    ResponderExcluir
  2. Uma msg de alerta Tome cuidado com esse tal de olimpio q tem amisade com marginais da regiao e está ajudando um tal de chico mecânico e Fernando para aprontar com vcs. Cuidado com os carros. quem aviza amigo é

    ResponderExcluir