quinta-feira, 7 de junho de 2012

O Astral é um só!

Dando sequência lógica à última publicação, novamente passamos a pena para o nosso filho de santo João Luiz Carneiro (Yabauara) que relatará sobre outras nuances dos Tambores de Mina maranhenses e as relações com a nossa Tradição. Axé!

O Astral é um só!
Aranauan, Saravá, Axé!

Em textos recentes comentei sobre a vivência na minha raiz de várias formas de pensar e experenciar o Sagrado nas Religiões Afro-brasileiras e, em especial, o Tambor de Mina. Mais do que falar sobre, pisei em um Terreiro de Mina tradicional no Maranhão, assistindo, interagindo e vivenciando este ritual maravilhoso.

Ainda evocando o que já escrevi, consegui ter uma terceira percepção além do pesquisador acadêmico ou religioso de outro terreiro. Dito de outra forma, realmente me senti um “mineiro”, como se fala no jargão. Esta identidade não foi criada hoje. Está profundamente relacionada com o Centro de Cultura Viva das Tradições Afro-brasileiras. Por este motivo, gostaria de comentar umpouco desta minha experiência especificamente com esta casa do Pai Rivas.

Faz alguns anos que pisei pela primeira vez no Centro de Cultura Viva das Tradições Afro-brasileiras, casa de Iniciação onde sãoritualizados vários ritos da nossa Tradição, inclusive o Tambor de Mina.

Pois bem, neste primeiro contato com o Centro de Cultura senti o que todo mundo sente. Curiosidade com o novo, odesconhecido. Uma profusão de símbolos que me traziam paz, felicidade, mas que ao certo não conhecia seus reais significados. Aliás, Pai Rivas sempre abrira o Centro de Cultura para que vários filhos seus, adeptos de outros terreiros, acadêmicos, consulentes, enfim a sociedade geral o conhecesse. Igualmente muitos destes citados lá pisaram e nada compreenderam. Mas oAstral é sábio e, de uma forma ou outra, dá o tempo necessário para que todos encontrem os seus caminhos.

Meu Pai deu a oportunidade de continuar frequentando o Centro de Cultura e, anos depois, participar ativamente dos seus vários ritos ao lado de vários irmãos de santo que perceberam a importância, seriedade e profundidade desta proposta espiritual. Claro que alguns não entenderam, mas sabemos que assumir o estilo de vida do povo de santo não é fácil. Não cabe preconceito, elitismo ou desigualdades de qualquer ordem.

Continuando, vi e vivi os Mestres, Caboclos, Encantados, Exus,Voduns, Inkices, Orixás, enfim a diversidade de Ancestrais e do panteão de Deuses Afro-brasileiros. Foi esta diversidade que vivi também no Tambor de Mina em terras maranhenses. Afinal eles fazem as ladainhas católicas, em latim inclusive, cantam para Vodum, cantam para Orixá, cantam para Caboclo. Louvam os Ancestrais!

Fico me perguntando onde está a pureza doutrinária e ritualística que tantos acadêmicos ou religiosos ortodoxos evocam e que não se faz presente nas casas mais tradicionais das Religiões Afro-brasileiras. Aliás, as semelhanças não param por aí.

Por exemplo, abaixo coloco uma foto onde lado-alado estão: médium do tambor de Mina saindo do transe e Mestre Canindé acostado no Pai Rivas cessando o transe de uma filha de santo no Centro de Cultura Viva.


O cessar do transe por meio da toalha. Terreiros diferentes, ... on Twitpic 

Obs: Foto disponível também em - http://twitpic.com/9sj7zv

Observem  que ambos utilizam o mesmo elemento: a toalha branca. A dinâmica rito-litúrgica também é idêntica. Final do rito; ambos realizando o procedimento próximo dos tambores/abatás; postura dos médiuns (ligeiramente curvados) e voltados para ocentro da roda... Este registro fotográfico comparado é apenas uma das várias formas de demonstrar o que expus.

Se para mim foi motivo de agradável surpresa, para o Astral e estes sacerdotes, tenho certeza, é algo natural. No espiritual nãoexiste cizânias, desigualdades. Existem sim expressões diversas de uma mesma Espiritualidade.

Ps: O pano utilizado no Centro de Cultura não é pano-da-costa, mas a professora Mundicarmo Ferretti comentara conosco que em sua etnografia verificou que as casas mais antigas utilizavam o pano branco liso. O pano-da-costa é um elemento mais recente no Tambor de Mina, atualmente utilizado em larga escala.

Aranauan, Saravá, Axé,
Yabauara (João Luiz Carneiro)
Discípulo de Mestre Arhapiagha (Pai Rivas)
(03-06-2012) 

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 259

Nenhum comentário:

Postar um comentário