quinta-feira, 26 de abril de 2012

Religiões Afro-brasileiras

Introdução às discussões teológicas sobre a Divindade
         
Nos últimos textos nos ativemos à Divindade Suprema, ao Universo e aos Seres Espirituais. Como Puro Espírito entendemos o Espírito em sua “natureza” espiritual, isento de veículos de manifestação, sejam eles tempo, espaço, matéria e energia. Sim, o Espírito desnudo na Eternidade, sendo seu domínio o Vazio, a imutabilidade, a adimensionalidade e a infinitude.
Iniciemos respeitosamente nossas considerações sobre a Divindade que muitos denominam Deus. O Supremo Espírito para muitos é tido como Onisciente (Sabedoria Total), Onipotente (Todo Poderoso) e Onisciente (Presença Total), sendo pois, infinitamente Bom, Sábio, Poderoso, Justo, Misericordioso e todos os demais atributos que os homens tem como modelos de excelência.
Entende-se também que o Supremo Espírito estendeu seu poder criando todas as criaturas, sendo o “homem criado à sua imagem e semelhança”. É o senhor de Tudo, é o senhor do Nada. É o senhor de todas as realidades por nós conhecidas e desconhecidas.
Afirma-se que Ele domina e dirige tudo. Como Tudo se entende todos os Espíritos, a Substância primeva geradora da matéria/energia, o espaço cósmico, a Eternidade.
As várias Religiões Afro-brasileiras entendem que, por intermédio de sua Suprema Vontade e de seu Supremo Poder Idealizador, Ele plasmou o “modelo” das formas para todos os Espíritos que desceram ao outro lado da “Casa do Pai”, isto é, desceram de seus planos virginais onde “habitavam” sem nenhum veículo que expressasse suas afinidades virginais. Frisamos que “desceram” do Cosmo Espiritual, onde”habitavam”, e só Eles “habitavam” (no Cosmo Espiritual não há interpenetração da substância primeva), para as regiões onde teria domínio a substância primeva que deu origem ao: espaço, tempo, matéria e energia em vários níveis de densidade (do sutilíssimo ao denso).
Ressalvam também que o Supremo Espírito é Eterno, indivisível, nunca tendo recebido sobre si qualquer agregação ou sopro-vibração de nenhum outro Ser ou não Ser ou Realidade. Disso depreende-se que Ele é o Incriado Absoluto (“ninguém o criou”).
Ressaltam que é no Cosmo Espiritual a 1ª Via de Evolução para todos os Espíritos. Nessa 1ª via afirmam que há “hierarquia”. É como se o “Pai”, o Supremo Espírito, estivesse para fora desse Cosmo Espiritual, mas atuante através de sua Onisciência, irradiada em forma de Onipresença, naquilo que denominam Hierarquia Virginal. Esses Espíritos de máximo poder nesse Cosmo Espiritual vibram em “Consciência”, como um Colegiado, com o Supremo Espírito, com seus Emissários Primevos – Orishás. Primeiro Elo entre Ele e as Hierarquias subsequentes é denominado de “Coroa Divina”.
Bem, acreditamos que, no concernente aos conceitos teológicos sobre a Divindade Suprema já é o suficiente para, respeitosamente, fazermos algumas perguntas e pontuarmos outras maneiras de enfocar a Divindade Suprema, o que faremos em nossa próxima publicação.
No próximo texto ou vídeo discutiremos questões metafísicas e filosóficas importantes, as quais, não pretendem se colidir com nenhuma outra, apenas apresentar considerações que deixaremos ao leitor decidir sobre a pertinência dos mesmos.

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”
Publicação 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário