quinta-feira, 28 de julho de 2011

Blog entrevista Pai Casildo, Mãe Luz e Pai Alexander (Montevideo - Uruguai)

O senhor é sacerdote há quantos anos?

He sido liberado en el año 2006, también mi casa religiosa es llevada adelante por otros dos sacerdotes; pae Casildo de Caboclo Pena Verde liberado en el año 2004 y la mae Luz de Caboclo Arariboia liberada en el año 2004. Este centro tiene como filosofía el llevar adelante el concepto de “Comunidad”, donde estamos en contra del concepto de ordenes jerárquicos en el plano Material.


O ilê do senhor fica em qual endereço?

La Dirección es José María Delgado 1935.

Quais são as atividades desenvolvidas no templo?

Las actividades que venimos desarrollando están enfocadas en dos grandes direcciones: 1) El desarrollo espiritual a travéz del desenvolvimiento Mediumnico y la practica religiosa. 2) En lo institucional estamos avocados en el estudio, investigación y difusión de los valores culturales y religiosos de las culturas Afro-amerindias.

Este año 2010 estamos en el proceso de finalización de talleres con la temática de "Umbanda, las religiones de tronco Africanas y su relación con el Medio Ambiente", los talleres realizados fueron tres:

1) Las culturas Tupí y Bantúes y su relación con su Medio Ambiente; este taller fue impartido por especialistas de la temática y la participación de un representante del Congo que conto su experiencia en su país.

2) Como el Batuque, el Candomble y la Umbanda se relacionan con el Medio Ambiente, dichos talleres fueron dados por jefes de religión de Batuque, Candomble y por Umbanda nuestro Centro.

3) El Calentamiento Global y experiencias de organizaciones sociales, dado por dos especialistas de la temática.


Como estão configuradas as religiões Afro-brasileiras em sua cidade? E no Uruguai como um todo?

En el Uruguay se cultua tanto Umbanda, como el Batuque y el Candomble y también el ritual de Quimbanda; la gran mayoría de los religiosos afro-umbandistas realizan Umbanda, el ritual de Quimbanda y alguna de las dos religiones de tronco africanista, como ser el Batuque y el Candomble, aunque en gran mayoría realizan el culto de Batuque y existe una minoría que realiza Candomble. Esto sucede porque la inserción de la religión fue en primera instancia por el sur del Brasil, donde se realiza en gran mayoría el culto del Batuque.

Lo que nos es común a todos los religiosos Afro-umbandistas del Uruguay es la realización del ritual de Quimbanda, este ritual es el que nos une a todos y nos permite interactuar una casa con otra, alem de las diferencias. En el contexto geográfico las casas de religión Afro-umbandistas están ubicadas en la Capital del país y en los departamentos más cercanos como Canelones, o sea al Sur de nuestro país; también al Norte de nuestro país, como ser Artigas y Rivera y algunas expresiones en el litoral del país.

As religiões afro-brasileiras sofrem processos de intolerância religiosa? Se sim, oriunda de que setores?

Si, nuestra religión es una de las expresiones religiosas más discriminadas de nuestro país por la sociedad en su conjunto y principalmente por los sectores religiosos evangelistas, que todas las noches por televisión y otros medios de comunicación masiva están demonizando nuestras expresiones religiosas. También estos sectores han comenzado a ingresar como en el Brasil a incidir en la política y desde allí están intentando de continuar su política de demonización.

Desde lo que es la sociedad existe un gran desconocimiento de lo que son nuestras expresiones religiosas, y se tiene la visión de que somos religiones demoniacas y primitivas, donde están fuertemente arraigado los sacrificios de animales y las ofrendas en las encrucijadas como elementos negativo. Sin embargo el 2 de febrero es uno de los eventos populares más importantes de nuestro país, es una de las grandes contradicciones que nuestra sociedad tiene; donde la discriminación racial es también muy fuerte y sin embargo también uno de los eventos populares más importantes de nuestro país son “Las Llamadas”, eventos estos de la cultura Afrodescendiente que nuestro país toma como propios de la cultura uruguaya.

O senhor faz alguma atividade social? Se sim, qual?

Mi actividad en lo social esta vinculada al movimiento negro, desde hace más de 12 años. Trabajando desde lo social y lo político, tratando de alguna manera el poder vincular mi actividad social a lo religioso ya que estas dos actividades están fuertemente asociadas y a mi entender no puedo separar una de la otra.

Desde el movimiento social – político tratando de luchar contra la discriminación racial, buscando crear políticas de acción afirmativas (discriminación positiva) a uno de los sectores de nuestra sociedad más desfavorecidos de la sociedad; teniendo en cuenta que en el Uruguay los Afro descendientes somos el 10% de la población y estamos inmersos en los sectores socio-económicos más desprotegidos de nuestra sociedad, y la representación política es proporcionalmente muy baja (1 diputado negro en esta administración).

Y desde lo religioso trabajando en pro de devolver a nuestra comunidad una identidad cultural y religiosa que habilite la posibilidad de identificación. Por este motivo estamos trabajando desde el 2008 en la investigación, difusión y valorización de los valores culturales de las culturas Afro-amerindias. Entendiendo que estás dos culturas lograron asimilarse y misceginarse de forma natural, creo que desde la Umbanda debemos de dar a nuestra América la revalorización de los conceptos culturales de los africanos y amerindios.

Como está sendo a parceria com a FTU para disponibilizar cursos de extensão universitária?

Como institución creemos que es de mucha ayuda el aporte que la FTU esta realizando para la formación y la creación de una línea de trabajo unificadora, partiendo y aceptando las diferencias que existen entre las distintas escuelas afro-umbandistas. También para la creación de una visión distinta de nuestras expresiones religiosas, para una sociedad que nos discrimina principalmente por el desconocimiento y la poca difusión que existe por parte de los propios religiosos de nuestra doctrina y filosofía, y también por los intereses que existen de mantener el poder a través del miedo.


Qual é a reposta da comunidade para as comunidades de terreiro que como a sua, tem levado a educação pelo templo?

La respuesta siempre va ser buena, por el motivo de que es algo nuevo que desconocen y quieren poder entender y más aún cuando se trata de hacer con responsabilidad y respeto por las distintas visiones y posiciones religiosas.


Como o senhor tem encarado o conceito de Escolas propugnado pelas linhas de pesquisa da FTU?

Como lo planteamos en un comienzo nuestra casa religiosa tiene tres jefes y este tema lo venimos discutiendo, y creo que las visiones sobre esta temática entre la FTU y nuestra comunidad religiosa (nuestro templo) son muy similares, en ese sentido creo que esa intención de buscar encontrar las visiones en común entre las distintas escuelas para nosotros es la base filosófica de nuestra comunidad. Con respecto a los conceptos vertidos por la FTU sobre escuelas de Umbanda, no es un concepto nuevo y si creemos que es importante el promover el respeto y la confluencia de las distintas formas de realizar el culto.

O senhor autoriza a disponibilização desta entrevista para a FTU nos seus meios digitais e impressos?

Si.


Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 168

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Religião Afro-brasileira – Tradição Oral manifestada em som e imagem

Homem, Axé e Iniciação são discutidos por intermédio do vídeo disponibilizado na presente publicação.

Interessante e instigante é como o autor (Rivas Neto) vem apresentando “fundamento de santo”, pois reúne aspectos rito-liturgicos e acadêmicos por intermédio de som e imagem; apresenta a Tradição Oral, enriquecida com a imagem e tudo o que dela decorre.

Novos aspectos da apresentação de Tradição Oral? O tempo trará a resposta... Axé!





Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 167

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Blog entrevista Pai Leonardo (Belo Horizonte - MG)

Qual o nome do senhor e a dijina de santo?

Pai Leonardo. Odélabomy no Candomblé. Bom... Eu tenho duas formações... tenho a formação sacerdotal de Umbanda, que é a formação na Umbanda bem tradicional mineira, preto velho, caboclo, exu. Eu tenho minha formação no Candomblé. No Candomblé eu sou feito, raspado, filho de Don`ana do Ogum. Don`ana é uma Mãe de Santo ainda da geração antiga da casa de Oxumaré em Salvador.

Qual sua formação dentro da academia?

Sou Graduado em Tecnologia em Processamento de Dados, pós graduado em Banco de Dados. Sou também formado em Psicanálise e especialista em Hipnoterapia e Técnicas de Regressão.

O senhor é sacerdote há quantos anos?

O sacerdócio na Umbanda eu exerço há seis anos, que foi, quando a instituição que dirijo foi aberta. No Candomblé eu não sou sacerdote ainda, ainda sou iaô, mas eu não tenho pretensão de ser sacerdote de Candomblé, quero continuar com a Umbanda.

O ilê do senhor fica em qual endereço?

O Núcleo Holístico São Miguel Arcanjo fica em Belo Horizonte Minas Gerais. Site: http://www.nucleoholistico.com.br/

Quais são as atividades desenvolvidas no templo?

Temos as Giras tradicionais da Umbanda e uma série de atividades.

Como estão configuradas as religiões Afro-brasileiras em sua cidade? E em Minas Gerais como um todo?

Em se tratando das religiões afro-brasileiras, eu acho que, a Umbanda está muito descentralizada, muito “desafricanizada”, em Belo Horizonte, principalmente. Eu acho que no restante do Brasil o cenário pode ser diferente. A Umbanda aqui em Belo Horizonte, ela é uma instituição que ao meu ver, vive à sombra do espiritismo kardecista, sendo o tempo todo, em qualquer momento, comparada com o espiritismo kardecista, vivendo à sua margem. Já o Candomblé, eu acho que ele está num período, na cidade, de redescoberta. Os terreiros de Candomblé estão tentando voltar às origens de Salvador, buscando pessoas de Salvador para vir aqui em Minas a ensina-los a trabalhar, a fazer, a rezar, a fazer os rituais. Com dois interesses distintos. Primeiro lugar a descoberta mesmo. O segundo lugar, é a afirmação dos postos, dos terreiros de Belo Horizonte como terreiros tradicionais. Essas pessoas estão buscando este reconhecimento, que é uma coisa que até então, onde eu conheço o Candomblé a muitos anos, a vinte anos atrás não existia esta preocupação do Candomblé se buscasse reafirmar como instituição religiosa respeitada, original, como está acontecendo agora.

As religiões afro-brasileiras sofrem processos de intolerância religiosa? Se sim, oriunda de que setores?

Sofrer, elas sofrem sim. Nós sabemos que isto é uma coisa a nível nacional! Mas eu acredito que em Minas Gerais a gente tem bem menos problemas com intolerância religiosa do que em outros cenários como São Paulo e Rio de Janeiro por exemplo. Isso porque em nosso estado, a maioria esmagadora é católica e a intolerância vem muito mais das religiões protestantes do que da religião católica, pelo menos aqui em Minas. Como aqui o cenário é um pouco diferente, quanto à intolerância, acredito que seja um pouco menor. Mas, eu não sou uma pessoa boa para falar de intolerância religiosa, porque eu nunca tive nenhum episódio! Nunca sofri preconceito, não tive nenhum problema relacionado à atuação religiosa. Eu sei de algumas histórias, mas eu não sou um exemplo.

O senhor faz alguma atividade social? Se sim, qual?

Sim. Nós mantemos uma biblioteca numa cidade chamada São Joaquim de Bicas. Esta biblioteca é comunitária com livre acesso e tem o objetivo de proporcionar oportunidade de leitura a todos os habitantes do bairro. O bairro é de classe baixa, que vive assim na beira da miséria. E temos também outras atividades, pois temos um sítio próximo, e elegemos a comunidade no entorno para que a ajudássemos. Onde desenvolvemos projetos sociais como profissionalização, ensino de trabalhos manuais para as mulheres, oficina de costura, doação e distribuição de alimentos também. É uma atividade que fazemos às vezes com uma frequência maior, outras vezes com uma frequência limitada dependendo do numero de pessoas que puderem estar envolvidas nisso.

Como foi a parceria com a FTU para disponibilizar cursos de extensão universitária?

O Núcleo recebeu o primeiro curso de extensão da FTU aqui em Minas e essa parceria é sempre bem vinda. Eu acredito que é a única solução que nós temos para que, daqui a alguns anos nós tenhamos uma religião com mais credibilidade. É importante que se façam parcerias para estudar, sentar e estudar.

Qual é a reposta da comunidade para as comunidades de terreiro que como a sua, tem levado a educação pelo templo?

Normalmente, eu acredito que 80% do nosso público intrareligioso, dos iniciados, tem sido atraídos pela casa pelo fato do investimento que nós fazemos em educação. A comunidade que vem aqui, as pessoas de nossa assistência, nossos “pacientes”, eles também veem com excelentes olhos a educação. Agora, a comunidade de Umbanda no geral, ela não está presente aqui quando temos nossas iniciativas. Quando temos nossas diversas atividades como oficinas de cinema, mostra de filmes, semana de palestras. Infelizmente. Talvez se a divulgação fosse maior poderia ter um outro efeito.

Como o senhor tem encarado o conceito de Escolas propugnado pelas linhas de pesquisa da FTU?

Para nós, no nosso trabalho, a Umbanda não é só um coletivo de escolas, a gente adiciona na Umbanda diversas outras doutrinas filosóficas espiritualistas. Porque há um trabalho holístico e além de ter toda fé de Umbanda, a gente tem influência do taoísmo, do hinduísmo, do budismo tibetano, e de diversas outras correntes esotéricas que no nosso trabalho acabam sendo tão importantes quanto Orixás, Caboclos, e guias que toda a estrutura de Umbanda nos oferece. Então, eu acho que este conceito que a FTU hoje trás é extremamente válido, libertador, é universalista como a própria Umbanda é, e acredito que seja a forma melhor que nós temos para poder tratar a religião hoje.

O senhor autoriza a disponibilização desta entrevista para a FTU nos seus meios digitais e impressos?

Sim!


Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 166

segunda-feira, 18 de julho de 2011

FTU na SOTER: Mais uma vitória das Religiões Afro-brasileiras e homenagem ao amigo José Flávio


Nesta última semana, entre 11 e 14 de julho, ocorreu o 24º Congresso Internacional da SOTER (Sociedade de Teologia e Ciências da Religião) que discutiu o tema “Religião e Educação para a Cidadania” na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), em Belo Horizonte. Lembramos que este evento é tradicional da área, com reconhecimento nacional e internacional.

A SOTER é uma instituição de origem católica e está presente também na INSeCT (“Rede Internacional de Sociedades Católicas de Teologia”, com sede jurídica na Alemanha). Nos últimos anos muitos teólogos protestantes e de outras denominações cristãs têm participado das discussões da instituição. Em 2011, pela primeira vez, a Teologia com ênfase em Religiões Afro-brasileiras entrou no diálogo acadêmico marcando grande presença com a FTU.

Ao todo, foram três trabalhos apresentados por sete professores da FTU somados ao nosso trabalho em conjunto com o prof. José Flávio Pessoa de Barros. Certamente esta comunicação foi sua última contribuição em vida para o meio acadêmico. Uma parceria muito profícua conosco que ensejou além do artigo, curso de extensão universitária, participação em nosso último Congresso da FTU, entre outras iniciativas.

Gostaríamos de prestar mais uma homenagem, divulgando em primeira mão o resumo do nosso artigo que foi publicado pela SOTER e será exposto na íntegra por meio do próximo número da Revista Teologia da Convergência. Axé!

Religiões Afro-brasileiras, religiões de transe: dirimindo questões sociais

Autores: F. Rivas Neto e José Flávio Pessoa de Barros

GT 5: Teologia no Espaço Público e no Mundo Contemporâneo

O transe nas religiões foi analisado historicamente sob vários ângulos e ficou marcado por preconceitos. No início do século XX não foram poucos os cientistas sociais e até mesmo médicos que classificaram o transe como distúrbio mental. Atualmente o panorama mudou sensivelmente e o tema é considerado como uma manifestação legítima dentro de expressões religiosas específicas, caso das Religiões Afro-brasileiras, porém no imaginário brasileiro este estigma de certa forma permanece.

A comunicação discutirá o transe, encarado pelas Religiões Afro-brasileiras como estado superior de consciência, e seus mecanismos que dirimem questões sociais tomando como ponto de partida a análise crítica da Teologia com ênfase nas Religiões Afro-brasileiras expressa pela primeira faculdade do gênero: FTU.

Palavras-chave: Religiões Afro-brasileiras; Transe; Consciência; Teologia; Imaginário Brasileiro.

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 165

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Blog entrevista Pai Fábio Maurício (Aracaju-SE)

Qual o nome do senhor e a dijina de santo (se possuir)?

Chamo Fábio Mauricio e sou dirigente espiritual do Centro de Umbanda Caboclo Tupy. Não utilizamos nomes de batismo.


O senhor é sacerdote há quantos anos?

Há 21 anos


O ilê do senhor fica em qual endereço?

Bairro Aruana em Aracaju-SE

Site: www.geraweb.net/caboclotupy


Quais são as atividades desenvolvidas no templo?

Todas as nossas atividades estão ligadas, exclusivamente, à prática da caridade. Aos sábados temos consultas com os guias espirituais abertas ao público e em outros dias específicos ministramos diversos cursos, voltados para o desenvolvimento espiritual e mediúnico, conceitos e raízes da Umbanda, Geoterapia, benzeduras, fitoterapia, Magnetismo, oferendas e o meio ambiente dentre outros. Além de alguns preceitos internos como iniciação, reinos sagrados, pontos riscados, batismos e casamento.


Como estão configuradas as religiões Afro-brasileiras no Sergipe? E na Região Nordeste como um todo?

A religião predominante é o Candomblé de caboclo, misturando conceitos e guias da Umbanda com rituais de sacrifícios do candomblé. No interior do estado, podemos encontrar pouquíssimas casas que trabalham na Juremeira/catimbó. As casas de Umbanda têm proximidade com os católicos, em sua totalidade com altares com santos católicos. Em todo o nordeste a predominância é do Candomblé, catimbó e pajelança, este último com uma forte ligação com a Umbanda de caboclo com resquícios da tribo indígena dos Karirischocós.

As religiões afro-brasileiras sofrem processos de intolerância religiosa? Se sim, oriunda de que setores?

Sim, infelizmente sofremos, o nosso centro passou por momentos muitos difíceis, inclusive vindo à intolerância de alguns irmãos de culto. Por duas vezes tivemos que nos mudar porque algumas pessoas não aceitavam o nosso centro naquela comunidade. Hoje, graças a Deus e aos nossos guias espirituais conseguimos nossa sede própria, mas o que nos entristece é que isso ainda acontece. Eu me pergunto onde estão as federações, associações que “dizem” defender e auxiliar os federados de todo o Brasil e é nessa hora que sentimos o peso da solidão. De alguns anos para cá, estamos vendo movimentos fortes e organizados da cultura negra e isso é muito importante, mas ainda não vejo organização e vontade para nos unirmos em prol da nossa religiosidade. Como disse, o pior é quando vem o preconceito de nossos irmãos de escolas diferentes. A predominância em nosso estado é do Candomblé de caboclo e a desunião começa aí, pois eles não entendem, ou não querem entender, que existem formas diferentes de se trabalhar espiritualmente. Sofremos também preconceito dos Kardecistas e evangélicos e há um descaso por parte das autoridades, pois não apoiam iniciativas em nosso favor.

O senhor faz alguma atividade social? Se sim, qual?

O desenvolvimento mediúnico não deve ficar inerte à prática da atividade e inclusão social e em nosso centro, como formadores de cidadãos conscientes de nossas responsabilidades na sociedade. O trabalho do Centro não poderia se resumir às consultas espirituais, por isso desenvolvemos tarefas como visitas a entidades sociais. Nestas visitas, além de donativos procuramos trabalhar o lado humano, dando atenção, afeto, escutando e ajudando dentro das necessidades de cada instituição. Apoiamos projetos sociais com ideologia voltada para a inclusão no mercado de trabalho. Dentro do nosso centro, temos pedagogos, psicopedagogos, assistente social, psicólogos, advogados, dentre outros profissionais, atendendo as necessidades de nossa comunidade.



Como o senhor tem encarado o conceito de Escolas propugnado pelas linhas de pesquisa da FTU?

As religiões são os ramos de uma grande árvore, esclarecer, ensinar, procurar a união e respeitar acima de tudo é uma obrigação de todos. Não consigo ver onde está o erro, não consigo entender as críticas. Devemos nos sentir orgulhosos quando somos lembrados como religião séria e de fundamentos científicos, onde temos irmãos que se dedicam ao estudo e a explicar tudo o que nos foi negado, esclarecer a todos que queiram aprender e olhar diferente para a nossa religião. Isso tudo com respeito à diversidade de preceitos.

O senhor autoriza a disponibilização desta entrevista para a FTU nos seus meios digitais e impressos?

Sim



Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 164

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Religiões Afro-brasileiras - Releituras dos Rituais de Umbanda Esotérica

RESUMO

Na FTU, Teologia é muito além do que se sabe da religião. Claro está que não se pode olvidar as crenças, fé e rituais, todavia não se pode esquecer do fenômeno social, cultural, antropológico ou de outras áreas do saber acadêmico.Religião sob o prisma do senso crítico é Teologia, segundo a visão da FTU. Sim, Teologia, não é só religião ou ciência, mas a interface entre ambas.

O processo propugnado pela FTU é complexo, porém não complicado. O mesmo é percebido pelas duas vertentes da Teologia. Uma vertente é a do saber religioso, que aproxima , dialoga com o saber acadêmico. A outra vertente na religião, nas crenças e rituais mágico-religiosos.

Palavras-chave: Religiões Afro-brasileiras, senso crítico, Teologia, Tradição Oral, Umbanda Esotérica

ABSTRACT

In FTU, theology is far beyond what is known of religion. Of course you can not forget the beliefs, rituals and faith, however can not forget the social phenomenon, cultural, anthropological or other areas of academic knowledge. Religion through the prism of critical sense is theology, in the view of the FTU. Yes, Theology, not only is religion or science, but the interface between them.

The process advocated by FTU is complex but not complicated. The same is perceived by the two branches of theology. One strand is that of religious knowledge, which approaches, dialogues with the academic knowledge. The other aspect in religion, beliefs and magical-religious rituals.

Keywords: Afro-Brazilian Religions, critical thinking, Theology, Oral Tradition, Esoteric Umbanda

RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS – RELEITURA DOS RITUAIS DE UMBANDA ESOTÉRICA

Na FTU, Teologia é muito além do que se sabe da religião. Claro está que não se pode olvidar as crenças, fé e rituais, todavia não se pode esquecer do fenômeno social, cultural, antropológico ou de outras áreas do saber acadêmico.

Religião sob o prisma do senso crítico é Teologia, segundo a visão da FTU. Sim, Teologia, não é só religião ou ciência, mas a interface entre ambas.

O processo propugnado pela FTU é complexo, porém não complicado. O mesmo é percebido pelas duas vertentes da Teologia. Uma vertente é a do saber religioso, que aproxima , dialoga com o saber acadêmico. A outra vertente na religião, nas crenças e rituais mágico-religiosos.

A FTU tem posição privilegiada, pois se encontra na ciência e na religião. A Teologia das religiões afro-brasileiras, preconizada por esta instituição promove a decodificação e a tradução da linguagem da ciência para a religião e vice-versa. Torna-se, pois o instrumento, é ferramenta deflagradora da interface, é a própria interface entre ambas, ou seja, o diálogo, a reconciliação entre elas.

Sacerdote-raiz e professor da FTU, Rivas Neto tem afirmado que a Teologia das Religiões afro-brasileiras está fundamentada na Tradição Oral, não por inabilidade ou ausência de tecnologia, mas por metodologia que não desdenha da Tradição Escrita.

A Tradição Oral é diferente, mas de igual importância a outras Tradições. Por isto é que a FTU tem o “Templo” na Faculdade ou a “Faculdade no Templo”. Não se pode negar o avanço na Faculdade de Teologia das Religiões afro-brasileiras (FTU) que tem como corolário o ensino de alta qualidade e o Templo que faz a interface da religião com o saber científico.

Muitos acharam que a FTU queria codificar a Tradição Oral. Mas como codificar o que se encontra aberto permitindo releituras ou ressignificações? Não tem como ser adepto da Tradição Oral e desejar codificar as religiões afro-brasileiras e a sua Teologia. Na Tradição Oral não há codificações, é impossível tal violência.

Depois destas considerações introdutórias se apresenta um recorte dos rituais da Umbanda Esotérica preconizada pelo Sacerdote-escritor Woodrow Wilson da Matta e Silva, revisitando suas crenças e idéias manifestadas nesses rituais.

O objeto é o ritual da Umbanda Esotérica e nele descobrir pontes com outras religiões afro-brasileiras, se há ou não hibridização, adaptação ou outras formas de interação.

No intuito de proporcionar uma discussão aprofundada disponibiliza-se o vídeo “Releitura da Ritualística de W.W. da Matta e Silva”.

Outros desdobramentos serão apresentados em próximas publicações. Que o vídeo permita elucidar, dar luz ao tema e a devida compreensão. Axé!




Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 163

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Blog entrevista Pai Marco Ribeiro (Macapá-AP)

Qual o nome do senhor e a dijina de santo?

Meu nome é Marco José Ribeiro dos Santos, meu orukó na tradição de Ketu é Odé Olufonnin. Recebi o deká em 1993. O templo Ilê axé Ibi Olufonnin fica no bairro Congós, Macapá estado do Amapá.

Quais são as atividades desenvolvidas no templo?

Atividades como Iniciações, atualizações de obrigações, ordenações sacerdotais, sacramentos: Igbé Iyawô (casamento) Icomojadê (batizados, consultas espirituais, consultorias acadêmicas.

Como estão configuradas as religiões Afro-brasileiras no Amapá? E na Região Norte como um todo?

A religião autóctone aqui de Macapá é a Pajelança, que hoje sofreu influência do catolicismo. Vemos na única casa de pajelança aqui na capital a presença de um altar católico, os próprios guias incorporados louvam a Jesus crisro e N. S. da Conceição, mas ainda preservam o espaço para a cura de consulentes, a utilização dos tauarís, das penas e maracás, e a utilização de pouca luminosidade nos rituais. Porém, a Umbanda aqui é muito forte com influência do tambor de Mina do Maranhão e da mina Parauara, o tambor de babaçuera no Pará.

As religiões afro-brasileiras sofrem processos de intolerância religiosa? Se sim, oriunda de que setores?

Quanto à intolerância eu mesmo fui acusado de sacrificar animais com maus tratos e também de perturbação do sossego público pelo uso dos tambores, por isso fui julgado no júri comum, mas fui absolvido. Temos enfrentado outros fatos, mas agora estamos fortalecidos com a assessoria jurídica das federações e da LIRA, Na semana da consciência negra fazemos em parceria com outros setores do movimento negro a passeata zumbi dos Palmares, onde o pelotão dos afro-religiosos carregamos faixas, cartazes, usamos um trio elétrico e fazemos um grande barulho com palavras de ordem contra a intolerância.

O senhor faz alguma atividade social? Se sim, qual?

A LIRA em parceria com a CONAB e o Governo do Estado distribui cestas básicas as comunidades carentes inscritas no programa PAA. Temos atividades educacionais como cursos livres de Massoterapia, Geoterapia, trufoterapia, oficinas de cânticos e percussão, indumentárias e alfaias afro, capoeira etc..

Como está sendo a parceria com a FTU para disponibilizar cursos de extensão universitária?

A parceria com a FTU é uma benção. Os sacerdotes que cursaram o introdutório melhoraram seus discursos, seus entendimentos e suas visões, meus filhos tomaram gosto pelos estudos e passaram a se interessar mais pelas questões da religião. O curso Imaginário está bastante comentado e os alunos estão gostando muito, o mais interessante é entender como se construiu a imagem negativa das religiões afro, isso é importantíssimo no processo para desconstruir essa imagem.

Como o senhor tem encarado o conceito de Escolas propugnado pelas linhas de pesquisa da FTU?

A FTU conseguiu classificar diversas tradições religiosas por seus aspectos ritualísticos peculiares e suas tendências e chamou de escolas umbandistas, isto facilita o entendimento e didaticamente é ótimo, mas como dentro de cada escola está uma diversidade de tradições, ou seja, as escolas não são puras, como as religiões também não o são, acho que falta identificar princípios e valores comuns a todas as escolas e a todas as religiões afro, o que nos une em uma visão de mundo peculiar, particular das nossas tradições religiosas afro ameríndias descendentes, identificar e divulgar, isto certamente irá contribuir e elucidar melhor o conceito de umbanda.

O senhor autoriza a disponibilização desta entrevista para a FTU nos seus meios digitais e impressos?

Autorizo a utilização deste material.



Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 162

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Faculdade de Teologia Umbandista valorizando o Sacerdócio nas Religiões Afro-brasileiras

Resumo

Ano passado, mais precisamente no mês de outubro, recebemos em nossas dependências mais de duas mil pessoas em um grande congraçamento para a louvação de Exu. Contamos também com a presença de sacerdotes e sacerdotisas de todas as regiões do país e sacerdotes do MERCOSUL (Uruguai) que muito nos honraram. Cada um com as suas diferenças, cada um carregando a sua Tradição; porém todos dialogando pelos pontos de semelhança.

Este grande congraçamento em 2010 será repetido e aprofundado em um encontro no Rito de Exu deste ano que será precedido por um Congresso de Sacerdotes das mais diversas Escolas das Religiões Afro-brasileiras. Já estamos nos mobilizando para não só aumentar a quantidade de estados participantes deste congresso sacerdotal, como também realizar encontros itinerantes em várias regiões do país.

Palavras-chave: Congresso, Faculdade de Teologia Umbandista, Religiões Afro-brasileiras, Sacerdócio, União

Abstract

Last year, more precisely in the month of October, we received at our facilities more than two thousand people in a big praise for the rite of Exu. We had the presence of priests and priestesses from all regions of the country and priests of the MERCOSUL (Uruguay) which we are very honored. Each with their differences, each one carrying his tradition, but all the talking points of similarity.

This grand reconciliation will be and developed further in a meeting in this year rite of Exu that will be preceded by a congress of priests from various Afro-Brazilian schools. We are already mobilizing to not only increase the number of states participating in this Congress for Priests, as well as traveling to hold meetings in various regions of the country.

Keywords: Congress, Faculdade de Teologia Umbandista, Afro-Brazilian religions, priesthood, Union


Faculdade de Teologia Umbandista valorizando o Sacerdócio nas Religiões Afro-brasileiras

A FTU(Faculdade de Teologia Umbandista ), fundada por nós, é uma IES (Instituição de Ensino Superior) autorizada e credenciada pelo MEC(Ministério da Educação) para formar bacharéis em teologia com ênfase nas Religiões Afro-brasileiras, sendo até os dias de hoje a única em seu gênero. Esta nobre instituição tem realizado uma séria de atividades teológicas que são a manifestação da própria interface entre Ciência e Religião, ideia propugnada por nós.

Ano passado, mais precisamente no mês de outubro, recebemos em nossas dependências mais de duas mil pessoas em um grande congraçamento para a louvação de Exu. Contamos também com a presença de sacerdotes e sacerdotisas de todas as regiões do país e sacerdotes do MERCOSUL (Uruguai) que muito nos honraram. Todos os Estados do Sul (Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina) e do Sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais); além da região Centro-Oeste (Mato Grosso, Goiás); Norte (Amapá); Nordeste (Ceará, Piauí, Alagoas, Pernambuco) estiveram no templo existente na FTU e participaram ativamente do Rito conduzido por nós. Cada um com as suas diferenças, cada um carregando a sua Tradição; porém todos dialogando pelos pontos de semelhança.

Este rito se processou tanto no espaço interno da FTU, quanto na rua que fora fechada em acordo com a prefeitura de São Paulo. Ou seja, simbolicamente o Rito de Exu representou uma manifestação de união que extrapola o templo, está na esfera pública tão bem expressa na rua, locus onde todos se encontram e interagem independente de condições socioeconômicas.

Este grande congraçamento em 2010 será repetido e aprofundado em um encontro no Rito de Exu deste ano que será precedido por um Congresso de Sacerdotes das mais diversas Escolas das Religiões Afro-brasileiras. Já estamos nos mobilizando para não só aumentar a quantidade de estados participantes deste congresso sacerdotal, como também realizar encontros itinerantes em várias regiões do país.

Enfatizamos também que além de ser um evento para troca de experiências e fortalecimento da nossa amizade, servirá como preparatório para o IV Congresso Brasileiro de Umbanda do Século XXI que este ano recebe o seguinte tema: “Arte, Filosofia e Ciência nas Religiões Afro-brasileiras: FTU promovendo o diálogo interdisciplinar”. Ou seja, não apenas sacerdotes construirão saberes importantes, mas cientistas, filósofos e artistas estarão discutindo de forma interdisciplinar questões importantes das Religiões Afro-brasileiras.

A FTU mantém contato constante com a classe sacerdotal, bastiões da Tradição Oral, dialogando intensamente no sentido de propor e ouvir ideias. Para servir como preparativo do nosso Congresso Sacerdotal e o leitor do Blog tomar contato cada vez mais com a diversidade das Religiões Afro-brasileiras, na próxima publicação e sempre que possível divulgaremos algumas entrevistas que nossos amigos, pais e mães espirituais, gentilmente cederam para a faculdade. Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 161