segunda-feira, 1 de agosto de 2011

FTU - Ensino Superior em Teologia das Religiões Afro-brasileiras

Resumo

Antes do início do Cosmo não havia nada. Como nada entendemos ausência de espaço/tempo. Como pôde o nada gerar o universo que conhecemos? O nada, ausência de energia/matéria poderia ser o imanifesto manifesto no universo?

Essas e outras perguntas instigantes podem, se respondidas, abrir novos horizontes para os estudos lógico-científicos, desvelando a multidimensionalidade da realidade. Várias realidades, sendo a imediatamente anterior imanifesta, manifestando-se na subsequente.

O universo, desde sua formação, demonstra que as certezas são restritas, enquanto as incertezas são irrestritas. Em suma, vive-se num mundo de poucas certezas, mergulhados em incertezas irrestritas.

Palavras-chave: Curso de Especialização, Ensino Superior, FTU, Religiões Afro-brasileiras, Teologia.

Abstract

Before the beginning there was nothing in the cosmos. As nothing we understand the absence of space / time. How could anything generate the known universe? Nothing,no matter / energy could be the unmanifest manifest in the universe?

These and other intriguing questions can be answered, opening new horizons for the logical-scientific studies, revealing the multidimensionalnature ofreality. Several realities, being the immediately preceding unmanifested, manifested in the subsequent.

The universe since its formation, demonstrates that the certainties are restricted, while the uncertainties are unrestricted. In short, lives in a world of few certainties, plunged into unrestricteduncertainty.

Keywords: Specialization, Education, FTU, Afro-Brazilian Religions,Theology.


FTU – ENSINO SUPERIOR EM TEOLOGIA DAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS

Antes do início do Cosmo não havia nada. Como nada entendemos ausência de espaço/tempo. Como pôde o nada gerar o universo que conhecemos? O nada, ausência de energia/matéria poderia ser o imanifesto manifesto no universo?

Essas e outras perguntas instigantes podem, se respondidas, abrir novos horizontes para os estudos lógico-científicos, desvelando a multidimensionalidade da realidade. Várias realidades, sendo a imediatamente anterior imanifesta, manifestando-se na subsequente.

O universo, desde sua formação, demonstra que as certezas são restritas, enquanto as incertezas são irrestritas. Em suma, vive-se num mundo de poucas certezas, mergulhados em incertezas irrestritas.

Depois desta resenha pode-se questionar: verdades? Quais verdades? Serão relativas ou absolutas? Pelo proposto supra, as verdades são mutáveis, pois o universo é mutável, marcado pelas incertezas (Heisenberg).

Alguns exemplos esclarecerão a assertiva acima.

Primeiro – Revolução Copernicana

Antes de Copérnico, pontificava a teoria de Ptolomeu que afirmava ser a Terra era o centro do Universo (Sistema Geocêntrico). Hoje é sabido que o centro do universo é o Sol (Sistema Heliocêntrico).

Segundo – Revolução Darwiniana

O cientista que criou a teoria da evolução das espécies e a seleção natural (aplicável na Biologia), afirmou ser o homem apenas um elo da longa cadeia evolutiva, e não um ser privilegiado por Deus ou outra força sobrenatural qualquer.

Terceiro - Revolução Freudiana

Sigmund Freud um dos ícones mais importantes da ciência por intermédio de seus estudos e pressupostos defendeu que a mente tem duas porções. A maior porção da consciência (90%) é inconsciente, e mais, deu origem à porção consciente da mente (10%). Com tais pressupostos, pesados vergalhões do preconceito se dobraram, pois Freud afirmou que o homem possui pouca consciência, num mar de inconsciência...

Após os três exemplos, se pode concluir que as verdades se sucederam e ainda ocorrem. Vivemos ou não num mundo de incertezas? A morte que é universal, portanto absoluta, é marcada pela incerteza, pois não se sabe quando ocorrerá.

A FTU-Faculdade de Teologia Umbandista credenciada e autorizada pelo MEC, em seu curso de bacharelado (4 anos) em Teologia, com ênfase nas Religiões afro-brasileiras, promove um ensino de excelência, mormente quando afirma em seus aspectos pedagógicos-curriculares que a complexidade do conhecimento desenvolvida pela instituição é o mais condizente com os avanços da educação contemporânea onde o conhecimento em rede ou teia (de interrelações ) promove de forma inequívoca a interdisciplinaridade e sua oitava superior a convergência entre ciência, arte, filosofia e religião.

O mote estrutural da FTU deve-se às religiões afro-brasileiras formarem uma unidade que se expressa na diversidade e pluralidade; o todo e suas partes possuem função e posição definidas no contexto de unidade aberta, em constantes releituras e ressignificações.

Na expectativa de se produzir o melhor para a sociedade e à comunidade das religiões afro-brasileiras, nesta publicação disponibiliza-se, com o desejo de aprofundar as discussões o vídeo – Ensino Superior em Teologia das Religiões afro-brasileiras e o fluxograma que se segue.

Obs: Clique na imagem para ampliá-la


Obs: Clique na imagem para ampliá-la





Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 169

3 comentários:

  1. Axé Baba Mi,

    Acredito que a sociedade padece por se limitar a um número reduzido de perguntas. As pessoas se contentam em aceitar sempre aquilo que está pronto, o que é dado.
    É importante entendermos que a realidade está em construção constante porque ela ela é uma construção de nossa mente e que sempre podemos ir mais adiante, nas causas primeiras ...
    Isso é fé e isso também é lógica. Como o senhor diz ,o Sagrado se manifesta pela religião,ciência,arte e filosofia.
    Obrigada por sempre nos incentivar a ir mais a diante dentro de nós mesmos. Por nos tirar do "convencionalismo viciado" de nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  2. A FTU por meio do Pai Rivas - Mestre Arapiagha, demonstra mais uma vez que o testemunho oral de conhecimentos e vivências das religiões afro brasileiras, vem permear ou transitar pelos pilares dos saberes, trazendo a sociedade religiosa e científica nosso entendimento e posturas quanto a estes saberes.
    Procura por meio do diálogo, discutir com estas sociedades assuntos de grande relevância. O conhecimento de rede que propugna nosso mestre, demonstra que todos estão incluídos e que o mundo de certezas e incertezas se complementam.
    Paó ao nosso mestre!
    Paó a FTU!

    ResponderExcluir
  3. Axé Babá Mi!
    Que texto, que fluxo, que cartaz, que vídeo! Meus irmãos já comentaram questões importantes, mas gostaria de retomar a discussão sobre formação teológica e sacerdotal.
    O respeito pelas Religiões Afro-brasileiras neste assunto é evidente!

    A FTU possui condições epistemológicas e legais para formar sacerdotes, mas respeitando a diversidade das suas Escolas, bem como o processo de formação sacerdotal no terreiro, optou por formar apenas teólogos. Em contra partida iniciativas de alguns sacerdotes para formar teólogos em cursos livres é sem sentido, uma vez que estes cursos livres não são registrados e, muito menos, chancelados pelo MEC – único órgão que regula os diplomas de bacharéis em teologia no país.

    A FTU com esta postura reforça seu papel de ser promotora de inclusão social por meio da educação seguindo as diretrizes importantes da nossa sociedade tão bem representadas no MEC.

    ResponderExcluir