segunda-feira, 11 de julho de 2011

Religiões Afro-brasileiras - Releituras dos Rituais de Umbanda Esotérica

RESUMO

Na FTU, Teologia é muito além do que se sabe da religião. Claro está que não se pode olvidar as crenças, fé e rituais, todavia não se pode esquecer do fenômeno social, cultural, antropológico ou de outras áreas do saber acadêmico.Religião sob o prisma do senso crítico é Teologia, segundo a visão da FTU. Sim, Teologia, não é só religião ou ciência, mas a interface entre ambas.

O processo propugnado pela FTU é complexo, porém não complicado. O mesmo é percebido pelas duas vertentes da Teologia. Uma vertente é a do saber religioso, que aproxima , dialoga com o saber acadêmico. A outra vertente na religião, nas crenças e rituais mágico-religiosos.

Palavras-chave: Religiões Afro-brasileiras, senso crítico, Teologia, Tradição Oral, Umbanda Esotérica

ABSTRACT

In FTU, theology is far beyond what is known of religion. Of course you can not forget the beliefs, rituals and faith, however can not forget the social phenomenon, cultural, anthropological or other areas of academic knowledge. Religion through the prism of critical sense is theology, in the view of the FTU. Yes, Theology, not only is religion or science, but the interface between them.

The process advocated by FTU is complex but not complicated. The same is perceived by the two branches of theology. One strand is that of religious knowledge, which approaches, dialogues with the academic knowledge. The other aspect in religion, beliefs and magical-religious rituals.

Keywords: Afro-Brazilian Religions, critical thinking, Theology, Oral Tradition, Esoteric Umbanda

RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS – RELEITURA DOS RITUAIS DE UMBANDA ESOTÉRICA

Na FTU, Teologia é muito além do que se sabe da religião. Claro está que não se pode olvidar as crenças, fé e rituais, todavia não se pode esquecer do fenômeno social, cultural, antropológico ou de outras áreas do saber acadêmico.

Religião sob o prisma do senso crítico é Teologia, segundo a visão da FTU. Sim, Teologia, não é só religião ou ciência, mas a interface entre ambas.

O processo propugnado pela FTU é complexo, porém não complicado. O mesmo é percebido pelas duas vertentes da Teologia. Uma vertente é a do saber religioso, que aproxima , dialoga com o saber acadêmico. A outra vertente na religião, nas crenças e rituais mágico-religiosos.

A FTU tem posição privilegiada, pois se encontra na ciência e na religião. A Teologia das religiões afro-brasileiras, preconizada por esta instituição promove a decodificação e a tradução da linguagem da ciência para a religião e vice-versa. Torna-se, pois o instrumento, é ferramenta deflagradora da interface, é a própria interface entre ambas, ou seja, o diálogo, a reconciliação entre elas.

Sacerdote-raiz e professor da FTU, Rivas Neto tem afirmado que a Teologia das Religiões afro-brasileiras está fundamentada na Tradição Oral, não por inabilidade ou ausência de tecnologia, mas por metodologia que não desdenha da Tradição Escrita.

A Tradição Oral é diferente, mas de igual importância a outras Tradições. Por isto é que a FTU tem o “Templo” na Faculdade ou a “Faculdade no Templo”. Não se pode negar o avanço na Faculdade de Teologia das Religiões afro-brasileiras (FTU) que tem como corolário o ensino de alta qualidade e o Templo que faz a interface da religião com o saber científico.

Muitos acharam que a FTU queria codificar a Tradição Oral. Mas como codificar o que se encontra aberto permitindo releituras ou ressignificações? Não tem como ser adepto da Tradição Oral e desejar codificar as religiões afro-brasileiras e a sua Teologia. Na Tradição Oral não há codificações, é impossível tal violência.

Depois destas considerações introdutórias se apresenta um recorte dos rituais da Umbanda Esotérica preconizada pelo Sacerdote-escritor Woodrow Wilson da Matta e Silva, revisitando suas crenças e idéias manifestadas nesses rituais.

O objeto é o ritual da Umbanda Esotérica e nele descobrir pontes com outras religiões afro-brasileiras, se há ou não hibridização, adaptação ou outras formas de interação.

No intuito de proporcionar uma discussão aprofundada disponibiliza-se o vídeo “Releitura da Ritualística de W.W. da Matta e Silva”.

Outros desdobramentos serão apresentados em próximas publicações. Que o vídeo permita elucidar, dar luz ao tema e a devida compreensão. Axé!




Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 163

10 comentários:

  1. Sua benção Mestre, Axé Babá mi
    Parabéns pelo maravihoso vídeo, e como o sr. meso escreveu, espero que este vídeo possa elucidar nossos irmãos que gostam sempre de contestar suas realizações. Que este vídeo também sirva para mostrar que quem tem raiz tem, e quem não seguiu esta raiz, se perdeu no tempo e no espaço, é lamentavél.
    Paô Paô Paô para as religões afro-brasileiras.
    Sua benção, e muito axé
    Yamaracy

    ResponderExcluir
  2. Aratish - Antônio Luz12 de julho de 2011 17:31

    Axé Baba Mi,

    Como sempre, esclarecedor e conciliador.

    A FTU e o Centro de Cultura Viva das Tradições Afro-brasileiras são dois marcos importantíssimos não só para os adeptos, simpatizantes e estudiosos das Religiões Afro-brasileiras, mas um exemplo vivo para nossa comunidade planetária.

    Realizações que já vem sendo reconhecidas pela academia e pelo Estado Brasileiro.

    Quanto à Mestre Yapacani, sua vivência, bom senso e lógica esclarecem qualquer tentativa etnocêntrica ou ortodoxa de interpretação sobre a Umbanda Esotérica.

    Sinto-me honrado em seguí-Lo,

    Peço sua benção,

    Aratish - Antônio Luz

    ResponderExcluir
  3. " Vejam "a Imagem do Ponto cantado...

    E a resposta também está neste vídeo

    ResponderExcluir
  4. Que enorme satisfação é viver momentos tão auspiciosos como este, onde a relação da religião e a ciencia, se se faz cada vez mais presente, tendo como força de vanguarda as religiôes Afrobrasileiras, representadas por instituições tão dignas como a FTU e o Centro de Cultura Viva das Tradições Afro-brasileiras.

    Axé
    Baba mi

    ResponderExcluir
  5. Não pude presenciar os ritos do Pai Matta e mesmo lendo seus livros não tinha uma idéia tão clara de como eram seus ritos como tive após essa elucidação feita pelo Pai Rivas nesse vídeo.
    Somente quem vivenciou isso tudo para nos mostrar com tanta clareza seus ensinamentos.
    Agradeço novamente nosso Mestre por passar essa tradição com tanta profundidade.
    Axé Babá...Sua benção.

    Ricardo Briga

    ResponderExcluir
  6. É maravilhoso poder ouvir nosso Pai contando a respeito dos ritos de Mestre Yapacani,dá até para "sentir" o cheiro da defumação...
    O vídeo está maravilhoso...muito esclarecedor...
    Sinto uma alegria enorme em poder vivenciar com meus irmãos,cada dia um rito diferente,uma vivência diferente....pois nada é estático e imutável nas religiões Afro-brasileiras...
    Sua bênção,Pai...hoje e sempre!
    Yarashava.

    ResponderExcluir
  7. Axé Baba Mi
    Que releitura maravilhosa e esclarecedora, como sempre o Sr. nos presenteia com seu saber e demonstra a importancia da Tradição Oral. Tenho absoluta certeza que essa releitura ficará gravada em nossa alma. Para que caneta e papel??? Obrigada Mestre.
    Sua Benção

    ResponderExcluir
  8. Axé Baba Mi,

    o verniz do livro nos trás conhecimentos sem dúvida mas certamente é a tradição oral que faz com que esse conhecimento se torne vivo em nossa alma!

    Aryashava

    ResponderExcluir
  9. Axé Baba mi,

    Sempre me emociono ao ouvir o Sr falar sobre o Pai Matta. Nesse momento não há tempo e podemos vivenciar esses histórias como se estivéssemos lá.

    Aradhana

    ResponderExcluir
  10. Benção Mestre,

    A ligação entre as diferentes escolas é tão clara, explícita e mesmo assim, não conseguimos perceber de imediato todos estes elementos, comuns a todas elas, que o senhor mencionou.
    Talvez por isso, a dificuldade de muitas pessoas em aceitar que elas fazem parte de um mesmo todo.
    Mas quando o Senhor fala, fica tudo tão claro!
    Obrigada Mestre por nos mostrar que a Tradição viva sempre se manifesta igualmente em todas as linguagens rituais ontem, hoje e sempre.
    Mesmo não tendo conhecido Vô MAtta e seus ritos hoje, com este video, é como se eu estivesse lá também.

    Sua benção,
    Fernanda R

    ResponderExcluir