segunda-feira, 4 de abril de 2011

Introdução à Magia das Religiões Afro-Brasileiras

RESUMO

A movimentação magística nas Religiões Afro-Brasileiras está intimamente ligada às forças vivas da natureza ou Axé que se manifestou em energias sutis ou elementos (Ar-Fogo-Água-Terra) expressos nos voláteis, ígneos, líquidos e sólidos. Os sítios vibracionais da natureza (rio, pedreira, cachoeira, serra, mata, praia e mar) onde estagiam em vários níveis de desenvolvimento (mineral, vegetal e animal) os elementares, são os locais onde podemos renovar e regenerar o axé (Princípio e Poder de Realização) que como vimos é invisível, mas transmissível por vários rituais magísticos, psicúrgicos e teúrgicos.

Esses rituais devem ser realizados por pessoas que foram habilitadas no processo da Iniciação, na convivência direta com seu Pai de Santo, por dentro dos Templos das Religiões Afro-Brasileiras.

Palavras-chave: Ação Magística, Energia, Magia, Mago, Religiões Afro-brasileiras.

Abstract

Magistic movement in Afro-Brazilian Religions is closely linked to the living forces of nature or Axé, wich has manifested itself in subtle energies or elements (Air-Fire-Water-Earth) expressed in the volatile, fiery, liquids and solids. The nature’s vibrational sites (river, rocks, waterfall, mountain, forest, beach and sea) where the Elementary stages in various levels of development (mineral, vegetable and animal) are the places where we can renew and regenerate the axé (Principle and Power of Realization) that, as we have seen, is invisible, but transmissible by various magistical, psycurgial and theurgical rituals.

These rituals should be performed by people who were habilitated in the process of Initiation, in direct interaction with their Spiritual Father, inside the Afro-Brazilian Religion temples.

Keywords: Magistic Action, Energy, Magic, Magician, Afro-Brazilian Religions.

INTRODUÇÃO À MAGIA DAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS

AÇÃO MAGÍSTICA

O ser humano é considerado pela ciência oficial um complexo biopsicossocial. A vertente biológica é o próprio corpo (soma). A mente é a “alma” (psique), e por último, a interação do homem com outros homens em conformidade com a sociedade que está inserido (social).

Os adeptos das Religiões Afro-Brasileiras acreditam que a dimensão espiritual (o Ser Espiritual-Espírito) manifesta-se nas três dimensões citadas. Na verdade procura adaptar-se ao ambiente e a sociedade.

Podemos nominar de outra maneira dizendo que o ser humano se adapta a três ambientes, a saber: o natural (corpo), a sociedade (social) e o sobrenatural (psiquismo ou alma).

A partir das premissas citadas diremos que o fenômeno social religião consiste no meio pelo qual o homem se ajusta a seu ambiente sobrenatural.

“Um sistema unificado de crenças e práticas relativas às coisas sagradas, isto é, a coisas colocadas à parte e proibidas – crenças e práticas que unem uma comunidade moral única todos os que as adotam”. (Durkheim)

Concordar ou não com o iminente sociólogo francês não resolve a transcendentalidade do Sagrado, que dissemos ser uma forma de adaptação (quando se manifesta como religião) com as várias energias, forças e poderes de várias entidades sobrenaturais, tal como acontece nas Religiões Afro-Brasileiras (Axé, Orixá, Ancestral, Exu, Orun, Aye, Aruanda, Caboclo e outros).

Após estas ligeiras considerações tratemos de nosso tema central – a magia – a qual, como afirmamos no texto anterior, leva em conta aspectos do indivíduo mago ou quem o represente (ideação-vontade-palavra e ação) projetados nos elementos radicais da natureza (energia eólica, energia ígnea, energia hídrica e energia telúrica) e sobre os elementares (seres espirituais em processo evolutivo, que estagiam nos sítios sagrados da natureza).

A própria natureza é mágica, tem seus encantos. Tudo é cíclico e rítmico, tudo vibra e tudo se move. Ciclos e ritmos são características da ordenação estrutural (forma) e funcional, objetivando concretizar atributos espirituais.

Os aspectos cíclicos e rítmicos podem ser exemplificados, sendo melhor percebidos, quando citamos os movimentos de rotação e translação feitos pelo planeta Terra.

Sabemos que a rotação do planeta (em torno de si mesmo) é realizada em aproximadamente 24 horas, produzindo períodos de luz seguidos pela sombra (dia e noite).

O movimento de translação é executado em torno do Sol. O ciclo dura aproximadamente 365 dias sendo subdividido ou ritmado em quatro tempos, denominados estações.

AS QUATRO ESTAÇÕES E SUAS RELAÇÕES MAGÍSTICAS COM O HOMEM:

Primavera (ar) – associada ao nascimento, à juventude

Verão (fogo) – da juventude à maturidade

Outono (água) - da maturidade à senilidade

Inverno (terra) – da senilidade à morte



Podemos, para fins de alta magia, relacionar o ciclo circadiano (diário) com o anual. Esse relacionamento é importantíssimo, pois se refere à presença dos guardiões da primavera, do verão, do outono e do inverno, como também os guardiães ou gênios da hora.



Depois destas preliminares e fundamentais correlações fica clara e patente a interdependência entre homem e planeta, a qual é utilizada nos movimentos aprofundados de Magia, Psicurgia e Teurgia.

Aproveitando o alvissareiro ensejo das correlações vibracionais, introduzimos a Movimentação dos elementos ou forças vitais (vayus) – axé, iwá e abá.

O axé é a força-viva ou energia da natureza. O Poder Volitivo do Orixá manifesto nas forças naturais. Essa “energia mágica” encontrada na natureza, provinda do Orixá é invisível, embora seja transmissível, mas extinguível, portanto, precisa ser constantemente renovada, regenerada. Eis, pois, a Magia das Religiões Afro-Brasileiras, expressas nas oferendas rituais: ebós, etutus, adimus, boris, amassis, banhos de ervas para vários fins, atins, defumações, chás, e rituais vários, mas principalmente os realizados por Sacerdotes que são verdadeiros Magos, iniciados pelos seus iniciadores na prática viva das Religiões Afro-Brasileiras.

Mas qual o substrato básico para a movimentação magística em seus diversos aspectos? Segundo as Religiões Afro-Brasileiras ou Umbanda o Poder Volitivo do Orixá (vontade) manifestou-se em sete energias arquetipais, que são:



Após estas ligeiras explicações dos aspectos da magia, visualizemos o diagrama das sete energias arquetipais e sua geometria.



A seguir explicaremos sucintamente o que é elemento. Quando dizemos Ar – Fogo – Água – Terra, queremos dizer Energia Eólica (expansiva) – Energia Ígnea (radiante) – Energia Hídrica (fluente) – Energia Telúrica (coesiva). O ciclo se origina no éter (espaço ou vazio indiferenciado) e gera o Ar, que se transforma em Fogo, que retorna ao Éter completando o pólo positivo do ciclo; surge então a fase negativa, diferenciando-se o Éter em Água, que se transforma em Terra, que retorna ao Éter.

Esquematicamente, teremos:



Depois do esquema é importante perceber que o pólo positivo corresponde à fase ativa do processo vital ou de existência, que é contrabalançada pelo pólo passivo. Ambos são complementares e interdependentes, como a inspiração e expiração, a sístole e a diástole, o Yang e o Yin. O Ar seria o Yang novo; o Fogo, o Yang velho; a Água, o Yin novo e a Terra, o Yin velho.

Esclarecendo, visualizemos o diagrama dos elementos na Roda da Vida.



Visualizando a Roda da Vida entendemos o movimento magístico dos elementos, que segundo a Escola de Síntese é a base fundamental para as práticas magísticas, psicúrgicas e teúrgicas.

Ainda sobre os elementos, o Ar é associado à qualidade seca; o Fogo é associado à qualidade quente; a Água é associada à qualidade úmida e a Terra é associada à qualidade fria.

Os gráficos abaixo definem as qualidades dos elementos nos níveis grosseiro e sutil.



Encerrando e concluindo, a movimentação magística nas Religiões Afro-Brasileiras, está intimamente ligada às forças vivas da natureza ou Axé que se manifestou em energias sutis ou elementos (Ar-Fogo-Água-Terra) expressos nos voláteis, ígneos, líquidos e sólidos. Os sítios vibracionais da natureza (rio, pedreira, cachoeira, serra, mata, praia e mar) onde estagiam em vários níveis de desenvolvimento (mineral, vegetal e animal) os elementares, são os locais onde podemos renovar e regenerar o axé (Princípio e Poder de Realização) que como vimos é invisível, mas transmissível por vários rituais magísticos, psicúrgicos e teúrgicos.

Esses rituais devem ser realizados por pessoas que foram habilitadas no processo da Iniciação, na convivência direta com seu Pai de Santo, por dentro dos Templos das Religiões Afro-Brasileiras. Na próxima postagem discorreremos sobre os médiuns magistas ou magos e suas funções por dentro das várias “curas” do homem e de sua sociedade. Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 134

Nenhum comentário:

Postar um comentário