quinta-feira, 31 de março de 2011

A Magia ou Artes Mágicas


Neste texto escrevemos de forma breve sobre a Magia ou Artes Magísticas. No texto incursionaremos na visão oriunda da fusão mágico-religiosa.

Mais uma vez queremos reiterar que, quando dizemos magia, estamos nos referindo à movimentação de certas forças. Portanto, esperamos retirar definitivamente os conceitos preconceituosos que muitos têm sobre a magia.

Antes de adentrarmos no âmago da magia, devemos afirmar que magia não é coisa que todos fazem. Magia não é mágica, ilusionismo... Também, magia não é trabalho negativo, pois já ouvimos dezenas, centenas de pessoas dizer que vão desfazer magia, sendo esta sinônimo de algo negativo, trabalho feito, feitiço, bruxaria, macumbaria, etc. Qualquer trabalho negativo tacham de magia, confundindo-a com a magia negra, que á a aplicação da magia para fins negativos. Agora comecemos a esclarecer o assunto segundo nossa visão, senão vejamos:

MAGIA NEGRA OU BAIXA MAGIA – é a aplicação da magia para fins negativos, deletérios ou em prejuízo de alguém. Em nada tem a ver com a Raça Negra, pois também já ouvimos falar em magia negra como sinônimo de magia africana, algo totalmente errôneo. A magia negra não se iniciou na África, mas interpenetrou todos os povos em todas as épocas.

MAGIA BRANCA OU ALTA MAGIA - é a aplicação da magia para fins positivos, benéficos ou que visam o bem estar de alguém. Também aqui, esclarecemos que nada tem a ver com a Raça Branca. A magia branca é a aplicação superior da magia.

Na verdade a magia foi e é a mãe de todas as ciências, sendo, pois, a movimentação e transformação da matéria. É a Sabedoria Integral, a Arte Sagrada, a Arte do Mago.O médium magista ou o mago (grau superior de médium magista) sabe como aplicar sua vontade sobre as várias potências, fazendo as mesmas atuarem sobre as transformações da energia de plano a plano (físico, astral e mental), visando, é claro, atingir um objetivo. Assim, a magia é uma condensadora de energias várias que, ao detonar (mudança de plano) libera-as na realização do objetivo pretendido.

Esse conhecimento surgiu no seio de todas as etnias, sendo por meio dele – da magia, das transformações da matéria – que muitos empreendimentos arquitetônicos suntuosos foram erigidos.

Sem nos determos em minúcias, muito menos as históricas, na cronologia da magia, vejamos como a mesma se apresenta dentro da Umbanda ou Religiões Afro-Brasileiras da atualidade. Segundo o pensamento interno, hermético de nossa doutrina, vejamos quais são as leis que regem a magia, deixando para textos futuros a descrição de alguns rituais mágicos que tantos benefícios trazem aos muitos filhos de fé que peregrinam por essas milhares de “choupanas”, “terreiros”, “cabanas”, etc.

Podemos dividir didaticamente a magia em:

Magia Cerimonial – São os vários ritos ou cerimônias pertencentes às operações que se fazem, tais como invocações, evocações, conjuros e outros apelos às várias potências colocadas em ação segundo os objetivos vários.

Magia Kabalística – São as práticas mágicas executadas segundo os diversos fundamentos, por meio do conhecimento da verdadeira Tradição, que mais tarde foi velada e deturpada. A Escrita dos Orixás ou Lei de Pemba faz parte desta Magia Kabalística.

Magia Talismânica – São os rituais que se fazem ao preparar determinados elementos, em constituição especial e geometria especial, ligados a certos sinais kabalísticos devidamente preparados e imantados para diversos fins.

A seguir, estudemos resumidamente as leis da magia.

a. Toda magia inicia-se pelo campo mental. Sem ideação não haverá a corrente de pensamentos, a qual atrairá esta ou aquela força e mesmo certas Entidades Astralizadas.

b. A seguir, haveremos de ter uma forte corrente de vontade, desejo, o qual atua de forma decisiva no sucesso da execução e resultados provenientes da magia. É dominando ou fortalecendo a vontade que o “magista” ou o “mago” tornam-se habilitados e gabaritados a dominar os “elementos vibratórios” ou mesmo atuar por meio da vontade em várias Entidades Astralizadas.

c. Nenhum ritual magístico alcançará seus objetivos se não for projetado sobre determinados elementos físicos, densos e etéricos, os quais servirão de canais da magia – elementos espelhos, que projetarão o ato petitório segundo a corrente de pensamentos e desejos que, segundo a destreza do mago ou magista, alcançará ou não, o objeto visado (por meio das oferendas). Simplificando e esquematizando teremos:


Obs: Clique no esquema para ampliá-lo

Como os irmãos de fé devem ter percebido a ciência ou arte magística, para ser movimentada aqui no planeta, no plano físico denso, requer o concurso do médium-magista ou do mago, que são os únicos habilitados a movimentar a magia etéreo-física. Fixando o conceito, então, magia é o ato de acionar, por meio da vontade, um ritual em que se concentrem idéias e desejos sobre elementos materiais a fim de alcançar um objetivo visado. É a vontade ou desejo, idéias e projeções delas sobre elementos vários de que se serve o mago para movimentar as Forças Sutis da Natureza, bem como atrair esta ou aquela Entidade, no intuito de obter-lhe o beneplácito ou ação desejada. Continua na próxima publicação. Axé!


Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 133

Um comentário:

  1. Este grupinho que saiu do seu terreiro - Pai Rivas - está dizendo que fez macumba, mexeu com o astral para que você venha a desencarnar. Não duvido nada que vão mesmo pagar alguém para matar você e depois dizer que foi o trabalho do astral que fizeram. Tome cuidado! Roger Soares, Wiliam do Carmo, Diamantino e companhia. Tome cuidado!

    ResponderExcluir