quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Manifesto à Sociedade Brasileira, em especial, à Comunidade das Religiões Afro-brasileiras

Aos irmãos planetários,

A Ordem Iniciática do Cruzeiro Divino – OICD -, fundada por nós em 1970, é um Templo que defende e sustém a Escola de Síntese, a qual ocupa na Umbanda uma posição de vanguarda, pois apresenta um enfoque que abrange todas as Escolas ou Segmentos de Umbanda. Não discrimina nenhum setor filosófico-religioso, científico ou artístico; É não-excludente, grassando de forma explicita que todas as Escolas têm seu valor, sendo todas igualmente respeitadas.

A Escola de Síntese, esposada pela OICD, é o pensamento filosófico e doutrinário propagado pela Umbanda. Não se trata apenas de escola de ensino, mas de uma Filosofia baseada em Epistemologia, Ética e Método.

Nesta linha filosófico-doutrinária fundamos o Instituto de Estudos Avançados e Pesquisas em Teologia – IEAPT -, que promove atividades diversas, tais como workshops e seminários temáticos, permitindo aos participantes reconhecer a essência das questões propostas, encontrando soluções abrangentes e universais para os problemas que afligem os indivíduos nos aspectos espiritual, social, político e econômico.

O IEAPT promove atividades em todos os setores, e sua atuação pode ser dividida, para melhor compreensão, em duas áreas.

Na Umbanda, os seminários de Introdução à Teologia, segundo a Escola de Síntese, são transmitidos em três módulos.

1º Módulo –

Nos seminários são apresentados os aspectos fisioandrogônicos, que atingem todo contingente de adeptos umbandistas. Franqueado aos interessados de todas as Escolas Umbandistas. Não se exige grau de escolaridade. O curso tem duração de 12 meses, com carga horária de seis horas semanais.

2º Módulo –

Nestes são apresentados os aspectos cosmogônicos. Inicia com uma revisão da Historia da Umbanda e pervade os aspectos doutrinários teórico-práticos das varias Escolas Umbandistas. O acesso é aberto a todos os setores filosófico-religiosos, científicos e artísticos. A duração é de 12 meses. Carga horária de seis horas semanais.

3º Módulo –

Nestes seminários são discutidos os aspectos teogônicos de umbanda, como: cosmogênese; planetogênese; filogênese; ontogênese; antropogênese; aspectos antropológicos de Umbanda, bases fundamentais da doutrina de todas as Escolas Umbandistas; estudo teórico-prático das Leis que regem a magia etéreo-física; a psicurgia e a teurgia; Umbanda e suas Divindades; convivência pacífica; História das Religiões e fundamentos da Convergência. A duração é de 12 meses. Carga horária de seis horas semanais.

Embora o curso seja abrangente, pretende colaborar nos ensinamentos transmitidos pelos Mestres Espirituais (Mães e Pais de Santo) de cada Escola, e nunca o contrário. Assim, não iremos diplomar sacerdotes, magos ou similares, pois se assim fizéssemos estaríamos afirmando ser nossa Escola melhor que as demais, ferindo a Diceologia de Umbanda.

Os seminários de Introdução à Teologia ou outro qualquer não são Iniciação. Somente as pessoas com esta tarefa kármica devem cumprí-la, e isso com certeza não é transmitido em curso de caráter geral, independente do tempo de duração do mesmo. Para quem tenha esta predisposição kármica, recomendamos procurar um Mestre Espiritual consumado e seguir seus métodos.

Não podemos nivelar graus conscienciais. Isto é um acinte ao bom senso espiritual. Esta é a visão dos que desejam obter vantagens financeiras de outrem afirmando que todos podem ser iniciados, magos, etc. Esta é a massificação daqueles que querem homogeneizar a Umbanda, mesmo que, ideologicamente, afirmem o contrário.

Queremos afirmar que achamos justo o desejo de todos serem Iniciados. Porém, não devemos confundir o querer com o poder. É desastroso transmitir a Iniciação a quem não a tenha em seu karma.

Esperamos que todos entendam que isto não é filigrana, mas sim respeito às Leis Espirituais, a todos os Irmãos Planetários, aos quais queremos bem, sendo esta a causa de nossa posição. Todavia, respeitamos quem não pense como nós. Acreditamos ser o livre-arbítrio algo inalienável em qualquer plano do universo.

Após descrição sumarizada dos três módulos de seminários de Introdução à Teologia Umbandista, penetremos em nosso corolário – a Faculdade de Teologia Umbandista - FTU. A FTU, fundada em 2004, oferece um curso universitário, autorizado e credenciado pelo MEC e os interessados deverão ser selecionados por meio de vestibular, de acordo com as normas previstas pelo MEC. O curso têm duração de quatro (4) anos, suas aulas são ministradas de segunda à sexta-feira, no período noturno (das 19:30hrs as 23:30hrs). O curso abrange todas as áreas do conhecimento humano, como as Ciências Sociais, as Ciências Físicas e as Ciências Biológicas, sempre relacionando-as com os conceitos da Teologia Geral e da Teologia Umbandista. A FTU tem como ponto alto de sua proposta o diálogo interdisciplinar, inter-religioso e intra-religioso que nos remetem a uma visão amplificada de todos os Segmentos, da Vertente Una do Sagrado, da Convergência.

O mote da Faculdade é a Convergência e não o lucro. A receita é revertida para a manutenção da mesma e para a aplicação em projetos sócio-culturais importantes para a comunidade. A FTU tem um corpo docente formado por Sacerdotes e simpatizantes umbandistas que possuem titulação acadêmica nos graus de Especialista, Mestre ou Doutor.

A FTU, em seu curso de graduação, forma teólogos com visão universalista, que colaboram para uma melhor qualidade de vida calcada na igualdade e na inclusão total que remetem à Paz Mundial, pois preconizam a convivência pacífica entre todos os segmentos filosófico-religiosos, e destes com a Filosofia, a Ciência e a Arte.

Defende uma visão de síntese, a universalidade e unidade de todas as coisas (tudo proveio de um só conhecimento e a ele retornará) que remetem a Paz Mundial e se consolidarão na Convergência.

Importante que se defina Convergência, segundo o conceito grassado pela Faculdade de Teologia Umbandista. A questão é perceber que a forma, quando em detrimento da essência, impede a Convergência, abrindo espaço para as divergências ou conflitos vários que infelizmente pululam em nossa Sociedade Planetária.

Depois desta alusão, temos que Convergência não é a simples combinação ou união de ideias, pois as mesmas permanecem como são e se conflitam. Na Convergência as ideias ou filosofias desaparecem na aparência, mas persistem na sua essência para dar lugar a uma nova realidade superior.

Esperamos com isto ter demonstrado que não queremos institucionalizar o Sacerdócio Umbandista, nem mesmo negá-lo, como muitos têm afirmado. Desejamos sim formar teólogos com uma mentalidade arejada e abrangente sobre a Realidade Espiritual, Cultural, Social, Política e Econômica.

Portanto, nosso curso não vilipendia os Sacerdotes Umbandistas, nem os nega. Todavia, aos que desejarem, há seminários, a título de reciclagem, independente de seus graus de escolaridade (privilegia todas as Escolas).

Como muitos podem ter dúvidas a respeito do critério do ensino da Doutrina de Umbanda, afirmamos que nenhuma Escola representativa deixará de ser estudado à luz da lógica, da razão e do bom senso que devem nortear um curso de nível superior...

A outra área de atuação do IEAPT atenderá a todos os setores Religiosos, Filosóficos, Científicos e Artísticos, realizando seminários, objetivando congregar os representantes destes setores no intuito de exemplificar a convivência pacifica e propor meios que conduzam à Convergência.

Esta, em linhas gerais, é a organização externa da OICD, pois existe o aspecto iniciático, interno que tem amplitude e magnitude ligadas ao interior do Templo, sendo para aqueles que possuem a predisposição kármica para tal empreitada. Estes aspectos, reiteramos, é bom que se ressalte, não são transmitidos em cursos que fornecem apostilas e títulos, e conferem graus mediante os processos capitalistas tão bem conhecidos. Iniciação não se faz como se fosse uma aventura, é fruto de amadurecimento espiritual e compromisso com o bem estar planetário.

Na Faculdade de Teologia Umbandista há vários cursos temáticos de Extensão Universitária, onde se busca aproximar o saber acadêmico com o saber popular tradicional. Encerrando, gostaria de deixar registrado uma reflexão e pronta ação por parte de todos nós...

Esperamos com isso incentivar uma cultura de Paz que nos remeta ao consenso da necessidade de união de nossa gente.

Estamos em consonância com a UNESCO a qual estabeleceu que de 2001 a 2010 seria a década da Cultura de Paz. Neste contexto, qual o papel da Umbanda?

Não temos mártir, profeta ou reconhecimento público. Muitas vezes a Umbanda é considerada um subproduto espiritual, um adereço periférico a cultura e à sociedade.

Na verdade, a Umbanda, ressurgida há mais de um século no Brasil, foi capaz de conciliar e harmonizar, silenciosamente, as diferentes etnias, os diferentes credos os variados segmentos sociais e econômicos. Foi o amortecedor da magoa deixada pela escravidão e é hoje o polo que procura neutralizar as desigualdades materiais geradoras de violências várias (com a criação da FTU aumentou a credibilidade umbandista).

Mártires umbandistas são todos aqueles que, anonimamente, dedicaram suas vidas a esperança de um mundo mais espiritualizado. Profetas são todos aqueles que, fielmente, servem como veículos mediúnicos as palavras dos Ancestrais (Guias Espirituais) que curam as dores do corpo e da alma.

Em silêncio, sem alarde, há muito, a Umbanda é emblema de universalidade, de uma Cultura de Paz, em Espírito e Verdade.

É isso que a OICD e a FTU desejam a todos os Umbandistas, adeptos das Religiões Afro-Brasileiras, livres pensadores e a toda Comunidade Planetária. Este é o mote principal da OICD e da FTU que desejam entregar ao maior número possível de pessoas a Cultura de Paz indutora de Luz e Sabedoria!

F. Rivas Neto – Arhapiagha

Fev/11




Publicação 121

Nenhum comentário:

Postar um comentário