segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A Hierarquia Divina na Umbanda na visão da Escola de Síntese

RESUMO

A presente publicação que versa sobre a Hierarquia Divina, a manifestação da Divindade nos vários planos do universo onde todos têm como fatores essenciais a Energia/Matéria. Ressalve-se que a Escola de Síntese denomina esse plano de ação de Universo Astral, onde há domínio da Energia/Matéria, decorrência do Poder Volitivo do Orixá aplicado à Substância Escura, portanto, anterior ao Big Bang ou ao t0(instante zero).

O ORIXÁ antecede o Big Bang, portanto é anterior ao Universo, logo, também, ao Planeta Terra, que faz parte de determinado Sistema Solar, que faz parte do Universo.

O plano que antecede o Universo como conhecemos, é o que denominamos Cosmo Espiritual ou Reino Virginal. Virginal, pois não há matéria ou energia (vazio) como conhecemos do planeta e no Universo Astral.

Depois deste sumário do Cosmo Espiritual (adimensional, atemporal) e de sua manifestação no Universo Astral ou Reino Natural (dimensional, temporal), penetremos mesmo que de forma parcial ou superficial, na Hierarquia Divina e sua manifestação no Cosmo Espiritual e nos vários locais do Universo Astral onde há domínio da Energia/Matéria.

Palavras-Chave: Hierarquia Divina, Escola de Síntese, Cosmologia, Cosmogênese, Umbanda

ABSTRACT

This publication focuses on the Divine Hierarchy, the manifestation of God in the various planes of the universe where everyone has, as essential factors, the Energy / Matter. The Synthesis school calls this action plan the Astral Universe, where there is the field of Energy / Matter, due to the volitional power of the Orixá applied to the dark substance, therefore, before the Big Bang or t0 (time zero).

The ORIXÁ before the Big Bang, so it is from a time before the universe, so, too, before the Planet Earth, which is part of a particular solar system, which is part of the Astral Universe.

The plan prior to the universe as we know, is what we call Spiritual Cosmo or Virginal Kingdom. Virginal, because there is no matter or energy (empty) as we know from the planet and universe Astral.

After this summary of Spiritual Cosmo (dimensionless, timeless) and its manifestation in the Astral Universe or Natural Kingdom (dimensional, temporal), let us penetrate, even as in a partial or superficial way, the Divine Hierarchy and its manifestation in the Spiritual Cosmos and the various spiritual sites in the Astral Universe where there is the domain of Energy / Matter.

Keywords: Divine Hierarchy, School Summary, Cosmology, Cosmogenesis, Umbanda

A HIERARQUIA DIVINA NA UMBANDA NA VISÃO DA ESCOLA DE SÍNTESE

Aproveitamos o ensejo da publicação anterior, em que apresentamos um modelo (tipo) de ritual de fundamento, segundo os princípios esposados pela Escola de Síntese, para de forma resumida, descrever a Hierarquia Divina.

Da publicação passada, reiteramos a importância da unidade irredutível ORIXÁ-EXU. É EXU que acompanha todos os Orixás, que executa a função do ORIXÁ; no caso das Religiões Afro-Brasileiras, é EXU que mobiliza seus poderes ou remédios sobrenaturais, cumprindo assim as suas funções.

No texto apontado é explicado todo o awô do rito de fundamento por nós apresentado, pois Ele (EXU) manifesta a vontade do Orixá, do Caboclo (Orixá do Brasil), de outros Ancestrais (Mestres, Caboclinhos, enfim as entidades tidas como Encantados) e também permite o transe e o pós-transe – “o estado de erê” – “estado infantilizado”, tal qual é o inconsciente, que gradativamente, após o transe, permite o indivíduo retomar a sua personalidade própria, com ganho de percepção, cognição, estado de harmonia e equilíbrio biopsicossociológico.

Deixaremos para próximos trabalhos os fundamentos da Entidade sobrenatural Exu (Yorubá) – Elegbara (Jeje) – Aluvaiá (Bantu), entendamos o texto da presente publicação que versa sobre a Hierarquia Divina, a manifestação da Divindade nos vários planos do universo onde todos têm como fatores essenciais a Energia/Matéria. Ressalve-se que a Escola de Síntese denomina esse plano de ação de Universo Astral, onde há domínio da Energia/Matéria, decorrência do Poder Volitivo do Orixá aplicado à Substância Escura, portanto, anterior ao Big Bang ou ao t0(instante zero).

O ORIXÁ antecede o Big Bang, portanto é anterior ao Universo, logo, também, ao Planeta Terra, que faz parte de determinado Sistema Solar, que faz parte do Universo.

O plano que antecede o Universo como conhecemos, é o que denominamos Cosmo Espiritual ou Reino Virginal. Virginal, pois não há matéria ou energia (vazio) como conhecemos do planeta e no Universo Astral.

Depois deste sumário do Cosmo Espiritual (adimensional, atemporal) e de sua manifestação no Universo Astral ou Reino Natural (dimensional, temporal), penetremos mesmo que de forma parcial ou superficial, na Hierarquia Divina e sua manifestação no Cosmo Espiritual e nos vários locais do Universo Astral onde há domínio da Energia/Matéria.

No livro “Umbanda – a Proto-Síntese Cósmica. 12ª ed. São Paulo: editora Pensamento. 2011, de nossa “autoria”, temos o seguinte texto:

“No capítulo em que tratávamos da Deidade ou Divindade Suprema, dissemos que no Cosmo Espiritual existia como realidade única, o Ser Espiritual em consciência, percepção, inteligência, etc. Nesse mesmo Cosmo Espiritual havia uma realidade acima de todos os Seres Espirituais, sendo essa a Realidade Absoluta, o Supremo Espírito, o Qual denominamos, sem defini-lo ou limitá-lo, como Deus. Assim, nesse Cosmo Espiritual, a Suprema Luz Espiritual estende suas Vibrações Espirituais aos primeiros 7 Puros Espíritos, na chamada Coroa Divina, ou seja, aquelas Potestades de Sublime Luz que estendem suas Vibrações a todos os Seres do Cosmo Espiritual. São os 7 Espíritos Virginais por nós denominados ORIXÁS VIRGINAIS”.

Sumarizemos e desdobremos o parágrafo acima citado:

Nesse Cosmo Espiritual o Supremo Espírito – Deus – O Incriado Absoluto – estende suas Supremas Vibrações Espirituais (se é assim que podemos nos expressar) aos 7 Puros Espíritos (Puros, pois estão isentos de qualquer agregação sobre si mesmo que conhecemos como Energia/Matéria.). A “Natureza Espiritual”, dos Seres Espirituais ou simplesmente Espíritos, nada tem em comum com a “natureza material” ou do Universo Astral.

Essas Potestades Primevas – os 7 Puros Espíritos são os primevos, no Reino Virginal, a receber sobre os mesmos o Poder Espiritual Divino – do Supremo Espírito que denominamos Tupan, Olodumare, Zamby, Deus. Eles, os 7 Espíritos Supremos por interveniência do Poder Divino deram formação à Coroa Divina. Nas várias Escolas das Religiões Afro-Brasileiras, assim como na Escola de Síntese, são denominados de ORIXÁ VIRGINAL. O ORIXÁ VIRGINAL deflagrou seus Poderes Espirituais no Cosmo Espiritual nos:

ORIXÁ CAUSAL – 7 Espíritos e Hierarquia que são os Senhores do Karma Causal. Esse por sua vez deflagra suas vibrações no ORIXÁ REFLETOR que são os 7 Espíritos e Hierarquia que são Senhores da Luz Espiritual – coordenadores do processo do início da manifestação da matéria, o que aconteceu, no Universo Astral, por intermédio do ORIXÁ ORIGINAL – os 7 Espíritos e Hierarquia que são reguladores do Karma Constituído e da criação do Universo Astral. Deflagraram na substância escura seus poderes volitivos promovendo a Cosmogênese (Luz – Som – Movimento), a origem do Universo. Eles estenderam seus poderes ao ORIXÁ SUPERVISOR – 7 Espíritos e Hierarquia que são Senhores que regulam a Lei Divina em todo o Sistema Galáctico. Deflagraram suas vibrações no ORIXÁ INTERMEDIÁRIO – 7 Espíritos e Hierarquia que são Senhores de todo o Sistema Solar (Verbo Solar). Também deflagraram suas Vibrações no ORIXÁ ANCESTRAL – 7 Espíritos e Hierarquia que são Senhores do Sistema Planetário.

Da resenha que fizemos conclui-se que: no Universo Astral o ORIXÁ ORIGINAL é o ORIXÁ CÓSMICO; o ORIXÁ SUPERVISOR é o ORIXÁ GALÁCTICO; o ORIXÁ INTERMEDIÁRIO é o ORIXÁ SOLAR; o ORIXÁ ANCESTRAL é o ORIXÁ PLANETÁRIO.

No texto que ora estamos desenvolvendo, daremos ênfase a atuação do ORIXÁ ANCESTRAL nas Religiões Afro-Brasileiras, principalmente de como Ele promove sua Hierarquia no planeta e na Tradição do Orixá. Na Umbanda o conceito trazido explica o surgimento e a função dos Orixás e suas Vibrações Espirituais manifestas nas 7 Linhas ou Vibrações Originais (pois foram deflagradas, no Universo Astral , pelo ORIXÁ ORIGINAL.

Antes de pormenorizarmos a atuação do ORIXÁ ANCESTRAL OU PLANETÁRIO e sua Hierarquia reforcemos o conceito de Universo Astral, e qual sua constituição nos três planos de manifestação.

Continuando é de vital importância entender-se que o Princípio Espiritual (imanifesto) ou Essência, ao manifestar-se (Existência) fê-lo no Universo Astral, onde, como vimos, havia domínio da Energia (Substância) em seus vários graus de densidade.

Interpenetrando fundamentos, afirmamos que o Ser Espiritual gerou, exsudou a Substância Escura, sendo a mesma protoforma para a Cosmogênese onde, repisamos, deu início ao domínio da Energia/Matéria.

Recapitulando, visando o melhor entendimento, afirmamos que o Princípio Espiritual Uno (Essência) ao se bipolarizar, separando-se objetivamente (Existência), gerou de moto próprio, devido à sua atribuição criadora, a Substância Escura que é indiferenciada, caótica, sem movimentos coordenados.

É a essa Substância Escura que a Coroa Divina, os 7 ORIXÁS SUPREMOS – Espíritos Virginais de Máximo Poder – por intermédio da Potenciação de suas Vontades, de seus Poderes Volitivos, propiciaram movimentos ordenados, diferenciando-a, imprimindo-lhe um ciclo e ritmo particular, por intermédio de sua Hierarquia deflagrada no ORIXÁ ORIGINAL.

Esse ciclo e ritmo deu formação à Energia Bipolarizada. A essa Energia Bipolarizada denominamos Energia Mental Abstrata e Energia Mental Concreta.

A Energia Primeva Bipolarizada deflagrou a constituição setenária no Universo Astral.

Assim, o Poder Volitivo dos 7 ORIXÁS ORIGINAIS, aplicado à Substância Escura, gerou o Universo Astral. A concretização desse Poder Volitivo pode ser expressa na Cosmogênese, no “Big Bang”, gerador de três fenômenos que perduram até nossos dias. A Luz, o Som e o Movimento são as expressões concretas do Poder Volitivo dos Orixás.

Antes de prosseguirmos no estudo que nos conduz aos Fundamentos do ORIXÁ e Hierarquia, observemos como, analogamente à constituição cósmica, desdobram-se a Matéria e a Energia, em nosso Planeta, pois os mesmos constituem a pedra angular do entendimento do destino planetário e individual.

A matéria constitutiva do planeta Terra é, igualmente, Setenária. A Energia Bipolarizada em Energia Mental Abstrata e Energia Mental Concreta dá origem, por rebaixamento de sua vibração essencial à Energia Astral.

A Energia Astral, por dissociação ou emissão, dá formação a quatro Energias, totalizando o Setenário. A Energia Astral é a base constitutiva da dimensão sutil, hiperfísica do planeta.

Na dimensão densa, a energia astral deflagra os quatro estados da manifestação.

O primeiro estado de manifestação é o Eólico (Ar), essencialmente expansivo.

O segundo estado de manifestação é o Ígneo (Fogo), essencialmente radiante.

O terceiro estado de manifestação é o Hídrico (Água), essencialmente fluente.

O quarto estado de manifestação é o Telúrico (Terra), essencialmente coesivo.

Concluindo, os elementos Ar, Fogo, Água e Terra compõem o Plano Físico denso do planeta, sendo que as Linhas de Forças (Energias Sutis) os sustentam por intermédio do Poder Atuante dos Executores dos ORIXÁS – os Exus, em suas várias funções (qualidades).

A seguir o quadro demonstrativo do que discutimos:

Obs: Clique no diagrama para ampliá-lo.

Após a representação esquemática de toda a Hierarquia Divina, desde o Cosmo Espiritual até um planeta do Universo Astral entremos sem mais delongas na Hierarquia da Umbanda.

Já vimos que os 7 ORIXÁS ou Vibrações Originais que conhecemos como as 7 Linhas são denominados ORIXÁS ANCESTRAIS. Esses donos Vibratórios de cada Linha ou Vibração Original também promovem suas Hierarquias no planeta Terra e, em nosso caso, na corrente Astral e Humana de Umbanda. Assim é que, dentro da Faixa Vibratória Espiritual do ORIXÁ ANCESTRAL, temos Três Planos que se subdividem em 7 Graus ou Vibrações descendentes. Desse modo, o ORIXÁ ANCESTRAL promove a Hierarquia de 1º Plano. Chamemos essas Entidades de ORIXÁS MENORES, pois são Senhores da Luz, Luz como Evolução, Sabedoria, Amor e Conhecimento, relativos ao nosso sistema planetário. Esses ORIXÁS MENORES, Entidades de 1º Plano dentro da Faixa Vibratória do ORIXÁ ANCESTRAL, subdividem-se em 3 graus. O ORIXÁ MENOR de 7º Grau é o chefe de legião. O ORIXÁ MENOR de 6º Grau é o chamado chefe de falange. O ORIXÁ MENOR de 5º Grau é o chamado chefe de subfalange. Essas entidades são, pois as Detentoras da Luz. No 2º Plano, que só tem um Grau, O 4º grau, chamamos as Entidades de GUIAS, os quais são os Refletores da Luz dos ORIXÁS. É o chamado chefe de grupamento. No 3º Plano, que como o 1º Plano subdivide-se em 3 Graus, 3º, 2º , 1º Graus, chamamos as Entidades atuantes de Protetores, que são os Executores da Luz, os chamados integrantes de grupamento. Assim temos:

Dentro de uma Faixa Vibratória, ou do ORIXÁ ANCESTRAL, temos assim posicionados os 3 Planos e os 7 Graus.

No término de mais uma publicação em que não pretendemos esgotar o assunto, demonstramos como a Escola de Síntese entende e defende o conceito de Planos de Evolução (Cosmo Espiritual e Universo Astral), e dentro deles os ORIXÁS, os quais consideramos nossos Pais Divinos. A Eles e aos nossos Ancestrais Ilustres que velam pelos destinos do Planeta e de todos nós Mojubá. Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 111

Nenhum comentário:

Postar um comentário