segunda-feira, 31 de maio de 2010

Discussão de Caso - Dependência Alcoólica e Goécia

RESUMO

Prosseguindo no mote de aproximar a Espiritualidade da Ciência, relataremos respeitosamente para fins elucidativos um caso por nós atendido e assistido, de paciente do sexo masculino, com 38 anos de idade, que apresentava o quadro clássico de dependência alcoólica, já em estado avançado, pois, além do comprometimento psico-social, havia também o orgânico.

Tivemos muito trabalho para aparar as arestas de seu caráter, principalmente das influências inferiores de certas entidades espirituais viciadas que, além da bebida, faziam-no escravo dos sentidos, da sensualidade desvairada, levando-o a prostíbulos onde faziam-no beber mas antes, porém, fazer sexo.

Claro está que não queremos esgotar o assunto e muito menos cantar loas aos nossos humildes e apagados conhecimentos da nobre arte e ciência, mas, como um discípulo de Asclépio, demonstrar o quanto poderá fazer em futuro próximo a Convergência entre os pilares do conhecimento humano e espiritual.

Palavras-chave: Convergência, Dependência Alcoólica, Espiritualidade, Estudo de Caso, Goécia.

ABSTRACT

Continuing in the theme of bringing together spirituality and Science, we will respectfully report, for an elucidative purpose, a case attended and assisted by us, of a male patient with 38 years old who presented the classic picture of alcohol dependence, already at an advanced stage, because in addition to the psycho-social impairment, there was also the organic issue.

We had a lot of work to trim the edges of his character, especially the lower influences of certain spiritual addicted entities that, besides the drink, made him a slave of the senses, sensuality mad, pushing him to brothels where they made him drink after having sex.

Of course we do not want to exhaust the subject, much less sing praises to our humble knowledge of the noble art and science, but as a disciple of Asclépio, we want to demonstrate how much you can do in the near future convergence between the pillars of human and spiritual knowledge.

Keywords: Convergence, Alcohol Dependence, Spirituality, Case Study, Goetia.

DISCUSSÃO DE CASO – DEPENDÊNCIA ALCOÓLICA E GOÉCIA

Prosseguindo no mote de aproximar a Espiritualidade da Ciência, relataremos respeitosamente para fins elucidativos um caso por nós atendido e assistido, de paciente do sexo masculino, com 38 anos de idade, que apresentava o quadro clássico de dependência alcoólica, já em estado avançado, pois, além do comprometimento psico-social, havia também o orgânico.

Para melhor conhecermos o paciente e as causas que o levaram ao alcoolismo, é importante citar que tanto o avô paterno como o próprio pai, este último trabalhando numa fábrica de vinhos, eram alcoólatras.

O pai do paciente, após peregrinar por muitos psiquiatras, conseguiu diminuir ou mesmo suprimir o álcool, todavia havia adquirido como seqüela sérios problemas hepáticos (cirrose de Laenec), agravados por diabetes melito, coronariopatia obstrutiva (poderia ser por miocardiopatia alcoólica) e dores generalizadas no trajeto de certos nervos (polineuropatia periférica) e, por fim, um rebaixamento do grau cognitivo (degeneração do sistema nervoso central).

Quando estávamos tratando o paciente que ora passaremos a relatar, seu pai, após um quadro isquêmico cerebral devido a crise hipertensiva (pressão alta), teve complicações cardio-vasculares (edema agudo de pulmão), vindo a falecer aos 70 anos de idade.

Na verdade quem procurou-nos foi sua esposa, pois a mesma desejava saber se haveria condições de melhorar; embora amasse o esposo era impossível manter o casamento por mais tempo nas condições em que estavam. Também pensava no prejuízo que poderia estar causando aos seus dois filhos homens na adolescência (15 e 13 anos).

Relatou-nos que seu sofrimento era atroz, pois muitas vezes, além de todos os transtornos ocasionados pela bebida, ele havia se tornado excessivamente agressivo, violento, não raras vezes agredindo-a fisicamente e ao mesmo tempo humilhando-a perante os filhos (inventava os maiores absurdos).

Ela mesma apresentava fácies de sofrimento que talvez exteriorizasse apenas parcela mínima de seus atrozes padecimentos interiores. Percebia-se nela uma alma atormentada, em conflito e com prenúncios de desequilíbrios psico-orgânicos: psíquicos, pois informava-nos que tinha medo de tudo, principalmente após fazer uso de inibidor de apetite, o que estranhamos, pois era magérrima e, pela nossa experiência, já havia muito tempo que mantinha aquela forma física.

A surpresa maior foi quando conversamos com os filhos, que nos informaram que a mãe não poderia falar muito do alcoolismo do pai, pois ela era viciada em medicamentos para emagrecer. Após esta informação, perguntamos a eles desde quando sabiam desse problema. Informaram que desde pequenos, pois ela estava magra, mas continuava a tomar o medicamento e também tomava, confirmado depois pela paciente, um laxante todos os dias.

Um dos filhos do casal (o rapaz de 15 anos), que percebemos estar sob fortes impactos emocionais e mesmo espirituais, informou-nos que pela insatisfação que possuía e pela tristeza de ver a desarmonia dos pais, havia experimentado e vinha fazendo uso constante de maconha, mas queria parar e não conseguia, pois quando parava ouvia coisas, via vultos e disse-nos pensar que iria ficar louco.

Embora freqüentasse um bom colégio, pois a família era de classe social média-alta, (o pai era dono de uma rede de frigoríficos), não conseguia levantar-se para ir às aulas, nem sentia vontade. Nem com o irmão queria conversar, pois preferia ficar sozinho no quarto, onde fumava maconha e de lá não desejava sair. Fez seu mundo tornar-se pequeno, enfim, estava fugindo da vida, estava sob forte depressão, sob fortes vibrações de inimigos espirituais da família, que estava sob os guantes de terrível vingança espiritual.

Este rapaz também apresentava um quadro de arritmia (taquicardia atrial paroxística) acompanhada de extra-sístoles freqüentes e, algumas vezes, com bigeminismo.

Finalmente, após o breve relato sobre o quadro sócio-familiar, descrevamos sucintamente nosso primeiro encontro com o paciente etilista por nós citado.

Paciente fumante, excessivamente ansioso, com dissociação do pensamento e ligeira dificuldade em manter diálogo, o qual foi essencialmente superficial e pautado por desconfiança por parte do paciente, que queria demonstrar algo que não era verdadeiro, o que nós permitimos; gradativamente fomos ganhando sua confiança e amizade.

Durante o tratamento tivemos várias intercorrências, mas talvez a mais séria tenha sido a síndrome de abstinência apresentada, pois o mesmo interrompeu abruptamente a ingestão alcoólica, chegando a apresentar a clássica sintomatologia de tremores nas mãos, taquicardia, precordialgia importante com ECG apresentando alterações da repolarização (onda T), vômito, hipotensão ortostática (de pé) e hipertensão em decúbito ventral, com profunda ansiedade. Se não fosse tratado iria chegar ao delirium trements (que além de todo desequilíbrio neuro-endócrino e mesmo vascular, está condicionado a uma importante influência espiritual de seres antagônicos que, atuando em determinados centros nervosos, podem levar o paciente a morte).

Tivemos muito trabalho para aparar as arestas de seu caráter, principalmente das influências inferiores de certas entidades espirituais viciadas que, além da bebida, faziam-no escravo dos sentidos, da sensualidade desvairada, levando-o a prostíbulos onde faziam-no beber mas antes, porém, fazer sexo. Se é que assim pode-se dizer, pois além de estar quase impotente, estes espíritos vingativos quase que incorporavam nele para executar o animalizado ato sexual, o qual já estava propiciando-lhe, pelos baixos teores vibratórios do local, doenças sérias e inextricáveis para a medicina da atualidade.

Para que se entenda melhor o quanto é cruel e desalmada a vindita desses tiranos, verdadeiros lacaios dos senhores das trevas, não satisfeitos com as libações dos bordéis que o faziam frequentar, deixavam-no a maior parte do tempo em um ou outro de seus frigoríficos, onde lhe seviciavam ainda mais as energias vitais, desta vez com classe de espíritos sub-humanos verdadeiros vampiros que habitam esses locais, pois estão e são sedentos por sangue fresco e quente, mas também pelo sêmen. Estes seres eram suas companhias nas casas noturnas onde prolifera essa classe de espíritos.

Para encerrar, queremos afirmar que após 15 meses de tratamento espiritual proporcionado pela Medicina Integrativa ou Medicina das Religiões Afro-brasileiras e sua terapêutica, que inclui a atuação sobre os espíritos negativos (arajés, quiumbas e eguns) por intermédio de metodologias próprias; explicamos ao paciente que só a mudança de hábitos poderia salvá-lo e auxiliá-lo de forma patente neste intento, conseguindo ele se restabelecer, reorganizando toda a família, a qual até hoje vem sendo tratada por nós, não apenas no consultório, mas principalmente no Templo por intermédio da terapia do diálogo com os ancestrais e ritos de fundamento, onde não se descuida do corpo e atendem-se as causas espirituais.

Claro está que não quisemos esgotar o assunto e muito menos cantar loas aos nossos humildes e apagados conhecimentos da nobre arte e ciência, mas, como um discípulo de Asclépio, demonstrar o quanto poderá fazer em futuro próximo a Convergência entre os pilares do conhecimento humano e espiritual.

Os resultados positivos que obtivemos neste e em outros tratamentos devem-se a vontade do paciente, a qual soubemos desenvolver, mas muito principalmente à atuação dos espíritos superiores enviados dos Orixás Ancestrais, os Supremos Curadores do Mundo.

Embora consideremos importante a fé religiosa, principalmente nestes casos e no início do tratamento, pois quando o paciente está mais lúcido e preparado explicamo-lhe que somos crédulos da Espiritualidade, que não é somente religião. A Espiritualidade independente da Religião é a visão imediata de nossa realidade espiritual, de nossa transcendência, de nossa realidade última – o Ser Espiritual, Imortal, Eterno.

Neste momento queremos, apesar de nosso conceito, reiterar o respeito e o carinho que temos por todos os setores filosófico-religiosos (visão mediata da Espiritualidade), verdadeiros bastiões contra a desigualdade em todos os âmbitos, social, político, econômico, racial, que campeia pelo planeta. Portanto, felizes daqueles que podem estar sob os influxos de uma fé (a medicina reconhece a necessidade da fé na cura do indivíduo) sincera, vivenciada, pois mais tarde, com toda a certeza e total isenção de ânimos partirão para os aspectos da convergência, que esta acima de todos os dogmas, apartheids e antagonismos, pois a Espiritualidade é patrimônio não do indivíduo, de grupos seletos ou isolados, mas de toda a humanidade.

A Convergência à Espiritualidade nos tornará uma só família, que deixará o nacionalismo exclusivista; tombarão as fronteiras e todos serão irmãos planetários. Prevalecerá a comunhão de interesses de interdependência e cooperativismo, calcados na vigência amplificada e norteadora da Espiritualidade. Áureos e alvissareiros tempos que chegarão. Preparemo-nos para tal evento de luz e redenção da humanidade, pois terá chegado a Era do Espírito.

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 41

Bibliografia

Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos

· ANDRADE, Arthur Guerra de. ALVARENGA, Pedro Gomes.Fundamentos de Psiquiatria. 1. ed. Barueri: Manole, 2008, 644p.

· AUSIELLO, Dennis. GOLDMAN, Lee. Cecil - Tratado de Medicina Interna - 2 Vols. 23. ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2009, 2688p.

· BICKLEY, Lynn S. Propedêutica Médica – Bates. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 928p.

· HALL, Calvin S. LINDZEY, Gardner. CAMPBELL, John B.Teorias da Personalidade. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 591p.

· KAPLAN, Harold I., SADOCK, Benjamin J. Tratado de psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1999, 1486p.

· MURPHY, Michael J. COWAN, Ronald L. Psiquiatria – Murphy – Série Blueprints. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 2009, 152p.

· PADRO, Cintra do. VALLE, Ribeiro do. RAMOS, Jairo.Atualização Terapêutica. 23. ed. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2007, 2400p.

· PAIN, Isaias. Tratado de Clínica Psiquiátrica. 3. ed. São Paulo: E.P.U. Ed, 1991, 370p.

· PINHEIRO, Raimundo. Medicina Psicossomática – Uma abordagem clínica. 1. ed. São Paulo: Fundo Editorial DYK, 1992, 125p.

· PORTO, Celmo Celeno. PORTO, Arnoldo Leme. Semiologia Médica. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 1356p.

· SÓFOCLES. Édipo Rei. 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2001, 104p.

Aspectos Religiosos

· RIVAS NETO, Francisco. Do Sincretismo à Convergência. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE UMBANDA DO SÉCULO XXI, São Paulo: Faculdade de Teologia Umbandista, 2010.

· RIVAS NETO, Francisco. Sacerdote, Mago e Médico : cura e autocura umbandista: terapia da alma. 1. ed. São Paulo: Ícone, 2003, 493p.

· RIVAS NETO, Francisco. Vídeo-Aula 19: A ciência do Orixá - Parte 2 - Psicanálise e Arquétipos dos Orixás. Disponível em:mms://wm01.mediaservices.ws/ftu12-ondemand/FTU_VIDEOAULA_19.wmv. Acesso em: 17 abr 2010.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

FTU - Dialogando com a Sociedade


O curso de bacharelado em Teologia da FTU-Faculdade de Teologia Umbandista, apesar de estar afinado com a Tradição das religiões afro-brasileiras, proporciona uma visão do atual momento da sociedade. Vivemos numa sociedade laica, plural e diversa e disto devemos nos conscientizar quando versarmos sobre Teologia.

O futuro teólogo seja de qual for a Tradição deverá, segundo nossa visão, adaptar-se ao respeito às diferenças, a ética, e entender os avanços das ciências sejam elas sociais, exatas ou biológicas.

Na FTU - Faculdade de Teologia Umbandista seguimos no curso de graduação (4 anos, período noturno – 19h30 – 23h, todos os dias) os seguintes eixos:

Eixo Filosófico – Desenvolve disciplinas que permitem entender o pensamento subjacente às teologias – Filosofia, Epistemologia e Ética.

Eixo Metodológico – Metodologia Científica como forma de instigar a necessidade de pesquisa e produção efetiva de conhecimento humano.

Eixo Sociológico – Sociologia – Ciências Políticas – Entendimento das relações institucionais e internacionais.

Eixo Linguístico – Permite a compreensão de leituras (textos) e domínio da Hermenêutica – Lógica e Retórica – Comunicação – Diálogo – Português – Inglês

Eixo Interdisciplinar – Interface da Teologia com: psicologia, direito, antropologia, matemática, biologia e outras áreas científicas.

Sistemas Religiosos – todos os setores filosófico–religiosos são estudados, respeitados observando a essência comum a todos (diálogo inter-religioso).

Esta é a visão da FTU-Faculdade de Teologia Umbandista, da qual somos professor fundador, desde 2004.

Após este sumário da ação da FTU, a 1ª Faculdade de Teologia Umbandista do Brasil e do mundo, iremos disponibilizar um vídeo do curso de extensão universitária à distância, onde não se exige grau de escolaridade, visando aproximar a academia (FTU) com a população em geral.

O vídeo é sobre Fundamentos de Teologia Umbandista, ministrado há três anos (reatualizado anualmente). É uma pequena amostra do curso, à filosofia da FTU em aproximar os saberes acadêmico e popular tradicional.

Esperamos que o projeto proporcione uma discussão da história e da cultura na sociedade. Se isto for conseguido, nos sentiremos recompensado.

E vamos ao diálogo assistindo ao vídeo. Axé!




Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 40

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Esquema Resumido do Funcionamento Mente-Corpo

RESUMO

Depois de discorrermos de forma sumarizada sobre muitos transtornos psicossomáticos, sucintamente vejamos como se dá o funcionamento mente-corpo, o processo mente-corpo. Postulamos que a mente a manifesta-se, em primeira instância, no sistema nervoso central e deste para toda a economia orgânica, ou seja, a mente por intermédio do sistema nervoso central, autônomo (sistema simpático / parassimpático) e periférico, está presente em todo organismo físico (corpo).

Demonstraremos também o modelo que ilustra nossas digressões sobre o mecanismo mente-corpo. Atentemos para o pequeno esboço que busca demonstrar a indissolubilidade e a total interdependência entre mente-corpo. É importante ressalvar que segundo nossos pressupostos o Espírito se manifesta na mente; como esta se manifesta em vários níveis no organismo físico, concluímos a Unidade mente-corpo e mais, a não dualidade Espírito–matéria. Portanto, para nós matéria (mente) é a manifestação do Espírito.

Palavras-chave: Corpo, Espírito, Espiritualidade, Mente, Psiquismo

ABSTRACT

After talking in a summary form about many psychosomatic disorders, let us briefly see how works the mind-body operation, the mind-body process. We postulate that the mind manifests itself, in its first instance, in the central nervous system and from there to the whole organic economy, in other worlds, the mind through the central nervous system, autonomous (sympathetic / parasympathetic) and peripheral, is present in whole physical organism (body).

We will also demonstrate that the model illustrates our digresses on the mind-body mechanism. We should be alert to the little draft that seeks to demonstrate the total and indissoluble interdependence between mind and body. It is important to note that under our presuppositions the Spirit manifests itself in the mind; as the mind is manifested at various levels in the physical body, we can conclude that the Unit of mind-body, and more that this, not the spirit-matter dualism. So for us the subject (mind) is the manifestation of the Spirit.

Keywords: Body, Spirit, Spirituality, Mind, Psyche

ESQUEMA RESUMIDO DO FUNCIONAMENTO MENTE-CORPO

Depois de discorrermos de forma sumarizada sobre muitos transtornos psicossomáticos, sucintamente vejamos como se dá o funcionamento mente-corpo, o processo mente-corpo. Postulamos que a mente a manifesta-se, em primeira instância, no sistema nervoso central e deste para toda a economia orgânica, ou seja, a mente por intermédio do sistema nervoso central, autônomo (sistema simpático / parassimpático) e periférico, está presente em todo organismo físico (corpo).

A proposição por nós expressa afirma que a mente, o psiquismo se manifesta em primeira instância no sistema nervoso (cérebro, cerebelo, bulbo, medula, nervos), este por sua vez atua nas glândulas endócrinas – glândulas de secreção interna, secretando hormônios vários, p. ex. tireóide – responsável pelo metabolismo intermediário.

O sistema nervoso na verdade está em todo organismo, é a mente concretizada gerenciando a economia orgânica como um todo – é o que denominamos, nos textos disponibilizados no blog, de Unidade Psicossomática.

Na seqüência demonstraremos o modelo que ilustra nossas digressões sobre o mecanismo mente-corpo. Atentemos para o pequeno esboço que busca demonstrar a indissolubilidade e a total interdependência entre mente-corpo.

MODELO DA UNIDADE MENTE-CORPO

SINOPSE

SISTEMA NERVOSO: Central – Autônomo – Periférico - gerencia todo o organismo por intermédio dos nervos e plexos nervosos (é a manifestação da mente em toda a economia orgânica).

SISTEMA ENDÓCRINO: glândulas de secreção interna – secretam hormônios. Ex. tireóide, secreta o hormônio tiroxina, responsável pelo metabolismo intermediário.

SISTEMA IMUNOLÓGICO: sistema de defesa – humoral e celular. Circula no organismo neutralizando células anômalas (do próprio indivíduo) ou microrganismos invasores (externo ao indivíduo).

SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO: Faz circular o sangue a toda economia orgânica. O sangue conduz eletrólitos, hormônios, células de defesa e células transportadoras de gases (oxigênio e gás carbônico) – trocas gasosas e manutenção da concentração iônica.

SISTEMA FÍGADO-RIM: Representa o laboratório químico e bioquímico. Produção de sangue com a medula óssea. Depuração sanguínea e manutenção do PH.

Os demais sistemas são decorrentes dos acima citados. Faz exceção a pele, o maior órgão do organismo, que segundo nossa visão, em associação com os órgãos do sentido e a fonação, é a exteriorização do sistema nervoso, portanto manifestação da mente.

É importante ressalvar que segundo nossos pressupostos o Espírito se manifesta na mente; como esta se manifesta em vários níveis no organismo físico, concluímos a Unidade mente-corpo e mais, a não dualidade Espírito–matéria. Portanto, para nós matéria (mente) é a manifestação do Espírito.

Nas próximas publicações continuaremos com os transtornos e enfermidades que infortunadamente infelicitam o homem planetário. Todavia não deixaremos de postular os processos profiláticos e curativos que minimizam e esperamos possam curar todos os males da humanidade.

Espiritualidade para todos é o que sinceramente desejamos inclusive para nós mesmos. Axé!

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 39

Bibliografia

Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos

· ANDRADE, Arthur Guerra de. ALVARENGA, Pedro Gomes.Fundamentos de Psiquiatria. 1. ed. Barueri: Manole, 2008, 644p.

· AUSIELLO, Dennis. GOLDMAN, Lee. Cecil - Tratado de Medicina Interna - 2 Vols. 23. ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2009, 2688p.

· BICKLEY, Lynn S. Propedêutica Médica – Bates. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 928p.

· HALL, Calvin S. LINDZEY, Gardner. CAMPBELL, John B.Teorias da Personalidade. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 591p.

· KAPLAN, Harold I., SADOCK, Benjamin J. Tratado de psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1999, 1486p.

· MURPHY, Michael J. COWAN, Ronald L. Psiquiatria – Murphy – Série Blueprints. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 2009, 152p.

· PADRO, Cintra do. VALLE, Ribeiro do. RAMOS, Jairo.Atualização Terapêutica. 23. ed. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2007, 2400p.

· PAIN, Isaias. Tratado de Clínica Psiquiátrica. 3. ed. São Paulo: E.P.U. Ed, 1991, 370p.

· PINHEIRO, Raimundo. Medicina Psicossomática – Uma abordagem clínica. 1. ed. São Paulo: Fundo Editorial DYK, 1992, 125p.

· PORTO, Celmo Celeno. PORTO, Arnoldo Leme. Semiologia Médica. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 1356p.

· SÓFOCLES. Édipo Rei. 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2001, 104p.

Aspectos Religiosos

· RIVAS NETO, Francisco. Do Sincretismo à Convergência. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE UMBANDA DO SÉCULO XXI, São Paulo: Faculdade de Teologia Umbandista, 2010.

· RIVAS NETO, Francisco. Sacerdote, Mago e Médico : cura e autocura umbandista: terapia da alma. 1. ed. São Paulo: Ícone, 2003, 493p.

· RIVAS NETO, Francisco. Vídeo-Aula 19: A ciência do Orixá - Parte 2 - Psicanálise e Arquétipos dos Orixás. Disponível em:mms://wm01.mediaservices.ws/ftu12-ondemand/FTU_VIDEOAULA_19.wmv. Acesso em: 17 abr 2010.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Tratamento da Neurastenia


O principal tratamento é a compreensão de que os sintomas do paciente não são imaginários, e sim objetivos. E para tal acontecer é decisivo o relacionamento médico-paciente.

A relação entre médico e paciente poderá ser uma poderosa arma terapêutica. O médico deverá ser parceiro do paciente no combate à doença; pode e deve usar sua própria pessoa como instrumento para compreender e avaliar o paciente.

A boa formação científica e comprovado saber ajudam, são necessários, mas o médico deve dar uma oportunidade ao paciente de que ele se “identifique” consigo. Isto permitirá ao paciente “tomar emprestada” alguma força da pessoa que ele vê como poderosa, onisciente e confiante.

O paciente se sente mais seguro quando ele é capaz de pensar: “meu médico e eu estamos combatendo a doença. À medida que eu aprendo como meu médico pensa, sente, eu posso combatê-la dentro de mim mesmo com um pouco de tenacidade e força.”

Acreditamos que nenhum médico pode praticar boa medicina se não estiver a par do “efeito placebo” e suas implicações. Ainda há muito a ser compreendido neste fenômeno, mas o que já sabemos pode ser usado para obter bons efeitos. (PAIN)

O paciente cronicamente temeroso pode, observando a atitude de seu médico e a maneira como se conduz em relação a ele, aprender que sua mente e seu corpo não são tão delicados como, por exemplo, sua mãe (provavelmente por causa de suas próprias ansiedades) levou-o a acreditar. Como se percebe o médico deve ser possuidor de um alto senso humanitário, e entender a fragilidade do paciente, proporcionando-lhe confiança e esperança para uma vida renovada, com melhor qualidade de vida possível.

Após elucubrações, que cremos pertinentes, pois realmente auxiliam no retorno homeostático do paciente penetremos no tratamento preconizado pela medicina acadêmica.

FARMACOTERAPIA

A disponibilidade dos agentes terapêuticos permite algumas opções:

1. Agentes serotonérgicos

Fluoxetina – efeitos antidepressivos e antiansiedade

Nefazadona e mirtazapina – também são eficazes

2. Analépticos

a. Anfetamina

b. Metilfenidato

Auxiliam no tratamento de fadiga crônica e anedonia

3. Os benzodiazepínicos estão, atualmente, desaconselhados, devido ao abuso – não obstante, sob supervisão médica, podem ser ministrados por um período de tempo, principalmente, para lidar com a ansiedade, fobias ou insônia.

PSICOTERAPIA

1. Orientada para o insight é a mais importante (estudada nos textos anteriores). É necessário ressaltar que sem a psicoterapia citada, apesar dos medicamentos utilizados, a neurastenia, provavelmente continuará inalterada.

2. Vivência- terapia breve ou continuada (citada em outros textos).

TRATAMENTO PRECONIZADO PELAS RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS

O homem é uma unidade biopsicossocial. O ser espiritual, imaterial manifesta-se na energia/massa como mente e corpo, vivendo em sociedade.

Também se sabe que o homem deve estar ambientado aos aspectos sociais, naturais e sobrenaturais. Sim, vive em sociedade, relaciona-se de várias formas com a natureza e com o sobrenatural, o “imaginário”.

O “imaginário” ou aspecto espiritual não pode ser preterido, e nele, segundo nossos pressupostos, encontramos a origem de todos os desequilíbrios, desestabilidades e desarmonias.

Para as religiões afro-brasileiras a quebra da homeostasia é devida as desarmonias da mente, sendo esta a primeira manifestação do espírito.

A mente, por sua vez, concretiza-se no encéfalo. O sistema nervoso central, autônomo e periférico encontra-se em todos os sistemas da economia orgânica, podendo proporcionar equilíbrio (saúde) ou doença (desequilíbrio) na organização psicossomática.

A unidade doente/doença é deflagrada quando, como afirmamos, a desarmonia mental desencadeia lesão (fisiológica e anatômica). No organismo físico é importante o equilíbrio psiconeuro-imunoendocrinológico (homeostasia), o contrário deflagra doenças várias; cremos na desarmonia como causa primeira promotora de doenças, que na dependência da maior ou menor vulnerabilidade do indivíduo (diátese) se apresenta como enfermidades deste ou daquele sistema.

O mecanismo é do sistema nervoso central e autônomo atuar nas glândulas endócrinas (secretam hormônios) e no sistema imunológico (defesa do organismo – exército que combate as células anômalas e as invasoras).

Os hormônios, como os elementos humorais ou celulares do sistema imunológico são veiculados pelo sangue (sistema hematopoiético) o qual é levado a toda economia orgânica por meio do sistema cardiorrespiratório. O sistema respiratório é responsável pelas trocas gasosas, vitais para toda a economia orgânica (metabolismo aeróbico – consumo de O2).

O sistema nefrológico e fígado são como laboratórios que secretam substâncias vitais e excretam metabólitos que são deletérios. São verdadeiros laboratórios químicos (o rim, basicamente desempenha sua função excretando uréia e íons) e bioquímico (o fígado secreta bile e elementos de defesa).

Assim poderíamos demonstrar a interdependência entre mente e corpo (todos os sistemas integrados). Mas com ascendência das idéias, pensamentos, emoções e desejos sobre as células orgânicas, que em última instância são biomoleculares, podendo essas ser polarizadas, eletricamente ativas, produzindo campos elétricos magnéticos, portanto vibrações, ondas que podem ser harmônicas ou desarmônicas, isto é campos elétrico (repulsivo) e magnético (negativo).

A primeira vista pode parecer reducionismo ou minimização do problema, o que não discordamos, pois acreditamos que a “mente sutilíssima” (organismo mental), mente sutil (organismo astral) e mente densa (organismo físico) sejam campos elétrico-magnéticos de freqüências várias, sendo justo postularmos as causas primeiras de todas as doenças na energia sutilíssima, partindo desta para a energia sutil concretizando-se em doença física, como tentamos assim demonstrar.

Encerrando, acreditamos que em futuro não distante pensaremos em medicamentos elétrico-magnéticos, só que na atualidade os mesmos encontram-se presentes nas religiões afro-brasileiras, eis pois preconizá-los constantemente.

Não iremos discuti-los, pois os mesmos foram apresentados em textos anteriores, mas ressaltamos que todos lidam com os aspectos da energia sutilíssima, nos aspectos elétrico magnéticos.

Visando facilitar o leitor apenas deste texto isolado e a guisa de exemplo citaremos alguns dos ritos de fundamento das religiões afro-brasileiras.

1. “Terapia do diálogo com os ancestrais” – consulta com os guias espirituais (nas engiras).

2. Terapia oracular – penetrando no inconsciente do indivíduo, e por intermédio dos augúrios reescreve o destino, retificando-o (por intermédio de vários ritos de fundamento).

3. Bori (vide textos anteriores)

(“dar de comer à cabeça” – “fortalecer a cabeça / Ori”)

4. Bará – destinação – assentamento do Exu individual

5. Ebós - sacudimentos (vários) – adimu

6. Ervas - mantém a relação harmoniosa Orunmilá – Ossaim – Exu, permitindo o bom destino, a saúde e o sucesso (comunicação – Exu).

7. Fumaçadas da Encantaria

(como se fosse defumação - de acordo com a composição das ervas temos uma finalidade (“cura do corpo”, “cura espiritual”, “cura no amor” e “cura social”)

Estes são alguns dos remédios utilizados pelas religiões afro-brasileiras, que esperamos discuti-los nas próximas publicações. Em anexo, vídeo elucidativo. Axé!




Caso não consiga assistir o vídeo, clique aqui

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 38

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Síndrome Neurastênica: Neurastenia

RESUMO

Neurastenia (“exaustão nervosa”), termo cunhado e introduzido no ano de 1860 pelo neuropsiquiatra americano Jorge Miller Beard, caracteriza-se como fadiga crônica e incapacitação. Apesar deste termo não ser mais usado com freqüência, aparece na literatura psiquiátrica e continua a constituir uma entidade diagnóstica da CID-10, na qual está classificado como um dos transtornos neuróticos.

Os componentes aventados como predisponentes da neurastenia, podem ser biológicos (infecção) ou psicológicos (morte de um parente próximo). Na atualidade, psicanalistas pós-freudianos consideram a neurastenia como reação a fatores inconscientes como sentimento de rejeição, baixa auto-estima, sensação de desvalia e raiva reprimida.

Muitas seriam as causas preconizadas para a neurastenia, mas segundo as religiões afro-brasileiras a grande maioria deve-se ao ataque de inimigos espirituais (espíritos “sem corpos”) ou agressão mística (goécia) algo que infortunadamente infelicita muitos pacientes, muitas pessoas que não sabem da causa.

Palavras-chave: Goécia, Mente, Neurastenia, Religiões Afro-brasileiras, Sistema Nervoso

ABSTRACT

Neurasthenia (nervous exhaustion), a term invented and introduced in 1860 by the American neuropsychiatrist George Miller Beard, is characterized as chronic fatigue and disability. Although this term is not used more often, it appears in the psychiatric literature and remains a diagnostic entity in ICD-10, which is ranked as one of neurotic disorders.

The components considered as predisposing of neurasthenia may be biological (infection) or psychological (death of a close relative). Currently, post-Freudian psychoanalysts consider neurasthenia as a reaction to unconscious factors as feelings of rejection, low self-esteem, feelings of worthlessness and suppressed anger.

Many are the causes advocated for neurasthenia, but according to the african-Brazilian religions the vast majority is due to the attack of spiritual enemies (spirits without bodies) or mystical aggression (goetia) something that unluckily disgraced many patients, many people who do not know the cause.

Keywords: Goetia, Mind, Neurasthenia, Afro-Brazilian Religions, Nervous System

SÍNDROME NEURASTÊNICA

NEURASTENIA

O manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-IV) classifica a neurastenia como transtorno somatoforme indiferenciado.

Neurastenia (“exaustão nervosa”) termo cunhado e introduzido no ano de 1860 pelo neuropsiquiatra americano Jorge Miller Beard caracteriza-se como fadiga crônica e incapacitação.

Apesar deste termo não ser mais usado com freqüência, aparece na literatura psiquiátrica e continua a constituir uma entidade diagnóstica da CID-10, na qual está classificado como um dos transtornos neuróticos.

Na Europa e na Ásia é aceita, constituindo-se num bom exemplo das diferenças culturais a influenciar a classificação e manifestação da doença, e caracterizada por fadiga, cefaléia, insônia e outras queixas somáticas vagas, resultante do estresse crônico, mais do que conflitos psicológicos inconscientes.

Muitos autores, renomados em suas áreas, afirmam que especialmente no leste asiático é preferível o diagnóstico de neurastenia, devido à resistência à categorização de portador de transtorno mental. Essa evidência é especialmente constatada na China.

A “exaustão nervosa” dizia respeito, segundo Beard, a depleção de “nutrientes armazenados” na célula nervosa. Seria resultado de um estressor, que desencadearia segundo a teoria da “diátese nervosa” (vulnerabilidade específica do indivíduo) uma gama de sintomas difusos.

Os componentes aventados como predisponentes da neurastenia, podem ser biológicos (infecção) ou psicológicos (morte de um parente próximo).

Na atualidade, psicanalistas pós-freudianos consideram a neurastenia como reação a fatores inconscientes como sentimento de rejeição, baixa auto-estima, sensação de desvalia e raiva reprimida.

Algumas características clínicas que podem estar presentes são as queixas persistentes de sensação de exaustão em geral após esforço mental comum (cotidiano) e queixas de sensação de fadiga e fraqueza física (do corpo) após pequeno esforço. Acompanham sintomas variáveis tais como: irritabilidade, transtornos do sono, dores musculares, tontura e incapacidade de relaxar.

Nas condições citadas, o repouso, o relaxamento e o entretenimento são ineficientes na recuperação dos sintomas. Digno de nota é que apesar dos exames físicos e complementares serem inconclusivos, e na maioria dos casos nada ser detectado, os sintomas não são imaginários. Tem existência objetiva e não podem ser eliminadas por um ato de vontade.

No anseio de resumir, apontamos como fundamental no diagnóstico os sintomas de fraqueza e fadiga crônica, dores e ansiedade geral ou “nervosismo”.

É característica a fadiga após esforço mental, associada à diminuição do desempenho ocupacional e da eficiência nas tarefas cotidianas. Além dos sintomas relacionados não podemos deixar de citar a ansiedade generalizada, dificuldade de concentração, cefaléia, sudorese excessiva, disfunção sexual (transtorno erétil), palpitações, parestesia, memória comprometida, tremores, dores nas costas, irritabilidade e sentimentos de desesperança.

Continuando, antes do término, sabe-se que neurastenia ocorre com maior freqüência durante a adolescência ou a meia idade. Se não tratada pode cronificar e os pacientes ficarem incapacitados.

Na infância pode se manifestar por dificuldades na performance escolar, incluindo não comparecimento às aulas e notas baixas. Na vida adulta, o desempenho no trabalho se deteriora, e o indivíduo pode se sentir tão debilitado que o trabalho se torna impossível. (KAPLAN)

Pacientes que receberam diagnóstico na infância, o prognóstico, sem tratamento, é reservado, com sintomas crônicos como resultado mais esperado. Muitas vezes é impossível ou difícil distinguir os sinais iniciais, prodrômicos da esquizofrenia ou do transtorno bipolar da neurastenia.

A terapêutica tem uma gama ampla de possibilidades, proporcionando razoável prognóstico.

Como temos feito nos outros transtornos, deixaremos para a próxima publicação a terapêutica segunda à medicina acadêmica, igualmente o tratamento preconizado pelas religiões afro-brasileiras.

No término desta publicação não podemos deixar de citar, em nome de princípios por nós defendidos, que a neurastenia deve-se a um profundo desequilíbrio da mente sutilíssima, desencadeando desestabilidade na mente sutil (pensamentos negativos do próprio indivíduo e de antagonistas sobrenaturais) e uma total desarmonia na mente densa (corpo físico) iniciando a derrocada no sistema nervoso central, continuando no sistema nervoso autônomo, glândulas endócrinas (sub-clínico) e para toda economia orgânica.

Muitas seriam as causas preconizadas para a neurastenia, mas segundo as religiões afro-brasileiras a grande maioria deve-se ao ataque de inimigos espirituais (espíritos “sem corpos”) ou agressão mística (goécia) algo que infortunadamente infelicita muitos pacientes, muitas pessoas que não sabem da causa. Portanto, alertamos se, a medicina esgotar todos os recursos técnico-científicos, é de bom alvitre o paciente procurar quem o possa ajudar no âmbito do sobrenatural.

No encerramento, citemos alguns autores clássicos que estudaram a influência do sobrenatural, sem contudo prová-lo cientificamente:

- Há mortalidade mais precoce em pessoas que sofrem conflitos psicológicos (P. Hermann)

- A morte vodu de pessoas condenadas por meio de magia, estudada pelo fisiologista Walter B. Cannon.

Precisamos ter sabedoria e humildade para iniciar um estudo sério sobre os fenômenos sobrenaturais, e ficaremos perplexos, perceberemos que são fatos insólitos, mas não por isso devam ser descartadas suas possibilidades causais. Renovemos e amplifiquemos os conceitos, pois já se tardam os (pré) conceitos.

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 37

Bibliografia

Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos

· ANDRADE, Arthur Guerra de. ALVARENGA, Pedro Gomes.Fundamentos de Psiquiatria. 1. ed. Barueri: Manole, 2008, 644p.

· AUSIELLO, Dennis. GOLDMAN, Lee. Cecil - Tratado de Medicina Interna - 2 Vols. 23. ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2009, 2688p.

· BICKLEY, Lynn S. Propedêutica Médica – Bates. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 928p.

· HALL, Calvin S. LINDZEY, Gardner. CAMPBELL, John B.Teorias da Personalidade. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 591p.

· KAPLAN, Harold I., SADOCK, Benjamin J. Tratado de psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1999, 1486p.

· MURPHY, Michael J. COWAN, Ronald L. Psiquiatria – Murphy – Série Blueprints. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 2009, 152p.

· PADRO, Cintra do. VALLE, Ribeiro do. RAMOS, Jairo.Atualização Terapêutica. 23. ed. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2007, 2400p.

· PAIN, Isaias. Tratado de Clínica Psiquiátrica. 3. ed. São Paulo: E.P.U. Ed, 1991, 370p.

· PINHEIRO, Raimundo. Medicina Psicossomática – Uma abordagem clínica. 1. ed. São Paulo: Fundo Editorial DYK, 1992, 125p.

· PORTO, Celmo Celeno. PORTO, Arnoldo Leme. Semiologia Médica. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 1356p.

· SÓFOCLES. Édipo Rei. 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2001, 104p.

Aspectos Religiosos

· RIVAS NETO, Francisco. Do Sincretismo à Convergência. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE UMBANDA DO SÉCULO XXI, São Paulo: Faculdade de Teologia Umbandista, 2010.

· RIVAS NETO, Francisco. Sacerdote, Mago e Médico : cura e autocura umbandista: terapia da alma. 1. ed. São Paulo: Ícone, 2003, 493p.

· RIVAS NETO, Francisco. Vídeo-Aula 19: A ciência do Orixá - Parte 2 - Psicanálise e Arquétipos dos Orixás. Disponível em:mms://wm01.mediaservices.ws/ftu12-ondemand/FTU_VIDEOAULA_19.wmv. Acesso em: 17 abr 2010.