quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Foi uma noite para entrar na História...


Nesses quarenta anos a frente de um templo como sacerdote das religiões afro-brasileiras, participamos de muitos rituais, mas poucos deles como o de sábado último (dia 23/10) que ficaria registrado de forma indelével em nosso espírito.

Os motivos do registro são simples e complexos ao mesmo tempo. Sim, vivenciamos neste rito o que há muito tempo buscávamos: o respeito incondicional com as diferenças, com a alteridade. Satisfeitas essas metas (simples e complexas), saltava aos olhos o clima de cordialidade, respeito e fraternidade entre todos os presentes, que demonstravam no sorriso da face a felicidade que transbordava do coração.

A liberdade de expressão e atitude, a confraternização entre as várias Escolas e com os Ancestrais Ilustres, fizeram com que vivêssemos instantes mágicos de equilíbrio, harmonia e fé madura, compartilhada na alegria e na esperança de futuro feliz e promissor às religiões afro-brasileiras e a sociedade planetária.

O preparo do ritual se processou na semana que antecedeu o rito, quase que em tempo integral, onde todos participaram ativamente, em várias frentes, proporcionando mais condições na restituição do axé, que permitiu do início ao fim do rito, como dissemos, um ambiente de paz, harmonia e fraternidade, possibilitando a todos nós maior senso de pertencimento e identificação com nossas raízes. Por isso quero agradecer a todos meus filhos espirituais pela dedicação e trabalho incansável nas lides do bem e pelo enaltecimento que proporcionam às religiões afro-brasileiras.

Todos também auxiliaram na composição e na exteriorização do enredo do ritual, no sucesso do ritual. O enredo do ritual-Exu se apresenta como transportador e distribuidor do Axé, por intermédio das folhas mágicas (17) que Ossaim lhe outorgou, segundo os desígnios de Orumilá Ifá – O Orixá da Sabedoria e do destino.

O Oparerê (osun), o bastão magístico do Babalawô, estava encimado por uma cabaça semi-aberta, de onde emergiam 16 coquinhos de dendê – os ikinifá (de 3 ou 4 olhos) guardados pelas folhas de peregun – folhas do Orixá Ogum, que assim como Exu vai à frente, é asiwaju.

Saindo do Oparerê, apoiados em 16 hastes, 16 pássaros levam os desígnios, os augúrios de Orumilá às folhas de Ossaim, que por sua vez, faz penetrar o seu Poder no pote mágico de Exu, permitindo que Ele (Exu) seja o mensageiro do bom destino (Exu Odara), dos bons augúrios e bons auspícios de paz, alegria, saúde, vida longa, amor e espiritualidade.

Agradecendo a todos os irmãos das religiões afro-brasileiras que estiveram presentes no ritual, vindos de 16 Estados, das 5 regiões brasileiras e mais dois representantes do Uruguai, que em comunhão com seus Ancestrais Ilustres representados pelos seus Exus propiciaram, foram protagonistas de uma noite histórica, que com certeza balizará os novos caminhos que trilharemos doravante. Caminhos de respeito, amizade, fraternidade, alçando as religiões afro-brasileiras à sua real posição no cenário da espiritualidade brasileira e mundial.

Com a mente e coração plenos de paz e alegria, pensei que tudo isso fosse um sonho ou devaneio, mas não foi. Foi numa noite-dia dessas que vi e vivi tudo isso, só isso... Axé!


Fechamento da Av. Santa Catarina
onde foi realizado o ritual de Exu

Sala de recepção de Pais e Mães Espirituais

Sala de recepção de Pais e Mães Espirituais

Pais e Mães espirituais na entrada do Templo

Mestre de Cerimônia - Sr. Robson Baroni,
anunciando a presença dos Sacerdotes

Sacerdote entrando no Templo

Sacerdotisa entrando após ser anunciada

Pai Rivas sendo anunciado

Pai Rivas fazendo a prédica e saudando as autoridades civis e eclesiásticas

Pai Rivas, momento anterior à incorporação

Templo lotado de Pais e Mães Espirituais de várias regiões do País

Exus em plena via pública

Fundanga acesa representando abertura de caminhos e prosperidade

Exó - Tema: Exu concretizador do Destino de Orumilá Ifá
por intermédio das folhas mágicas de Ossaim

Pais e Mães de Santo cantando em homenagem ao enredo do Exó

Pai Rivas na 2ª etapa do rito, no Templo da rua Chebl Massud

Pais e Mães de Santo incorporados com Exu e Pomba Gira

Exu saudando, transmitindo Axé e agradecendo a presença de todos -
encerramento do rito ( 5h45 de domingo de manhã)

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 86

Um comentário:

  1. Aranauan!!!

    Mesmo não podendo estar presente no Ritual ao ler e ver fotos fico mto mais mto feliz em ver que foi um Sucesso!!!
    Sucesso espiritual o qual fico sem palavras!!!

    Por isso humildemente um grande Paó ao Astral, aos Srs Exus.
    E também ao Mestre/ Pai Arapiagha por nos mostrar sempre o caminho, o caminho para a Felicidade e respeito. Suas bençãos meu pai.
    Yaramaya

    ResponderExcluir