sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Manifesto "A conscientização política dos umbandistas e dos cidadãos brasileiros"

Aos irmãos planetários,
À Sociedade Civil como um todo,
Aos irmãos das Religiões Afro-brasileiras,

Por meio deste manifesto gostaríamos de promover uma ampla mobilização da sociedade civil para o seguinte tema: A conscientização política dos umbandistas e dos cidadãos brasileiros.

A Faculdade de Teologia Umbandista (FTU), primeira e única faculdade de teologia afro-brasileira autorizada e credenciada pelo MEC (Ministério da Educação) pela portaria 3864 de 18 de dezembro de 2003, fundada por nós e na qual somos reitor, além de sacerdote das religiões Afro-brasileiras há mais de quatro décadas, propugna que a sociedade possui 5 eixos básicos e fundamentais: Espiritual, Cultural, Social, Político e Econômico.

Acontece que atualmente estes eixos não se relacionam de forma harmônica como deveriam. Em vez de seguir o fluxo natural que vai do Espiritual até o Econômico, sendo o último a máxima concretude do primeiro, constatamos que o poder econômico domina o político, que por sua vez determina o social. Este último fragiliza o cultural no qual simplesmente se descarta os aspectos espirituais (independente das religiões).

Neste contexto, a FTU após um longo processo de pesquisa acadêmica, de captação dos anseios populares e, principalmente, sensibilização aos valores vaticinados pelo templo-terreiro em sua grande diversidade de Escolas, inaugura um processo amplo e profundo de mudanças estruturais que visa por meio do diálogo conscientizar a sociedade civil da importância de compreendermos e exercitarmos valores pacíficos, que aproximam as diferenças pelas semelhanças neutralizando as desigualdades.

Este processo dialógico dar-se-á pela discussão de cada eixo da sociedade a começar pelo político. Além do desafio do processo eleitoral deste ano onde escolheremos nossos governadores estaduais, deputados estaduais e federais, senadores e o próximo presidente da República, todos nós devemos nos preocupar com o futuro político do nosso país, desde políticas de bairro até políticas entre comunidades internacionais visando o melhor para todos os cidadãos planetários.

A proposta de conscientização política dos umbandistas e dos cidadãos brasileiros será desenvolvida neste documento em três momentos.

1. As Religiões Afro-brasileiras precisam de religiosos com consciência política e representantes políticos que expressem os anseios da nossa comunidade: Isonomia e Inclusão Total já!
1.1 Em Noberto Bobbio verificamos como uma sociedade desigual, mantenedora do status quo cria basicamente 3 dicotomias que são concretizações de doenças sociais com raízes profundas: Ideologia gerando Sábios e Ignorantes, Poder Econômico gerando Ricos e Pobres e Poder Político-coercitivo gerando Fortes e Fracos. Para curar esta chaga planetária não podemos olvidar as iniciativas emergenciais, mas desde já são necessárias construções estruturais que afastem de vez a miséria espiritual e material.
1.2 Para a concretização desta nova realidade social mais justa e igualitária, apoiamos todos e quaisquer políticos ou candidatos políticos que desejam representar a nossa comunidade para defender os direitos humanos e a soberania popular consubstanciados em propostas políticas que promovam a isonomia, respeitando a diversidade existente em todos os níveis não tolerando o erro, a desigualdade.
1.3 A FTU não é contra nenhum político umbandista que dignamente luta pelos interesses coletivos. Muito pelo contrário, sabemos da existência de lideranças que atuam na política em diversos estados do Sul e no Nordeste, por exemplo, que dentro do poder legislativo construíram leis e fiscalizaram a ação do poder executivo, para garantir políticas públicas que atendam a todas as camadas sociais, afinal os religiosos Afro-brasileiros estão em todas elas.
1.4 No entanto, a FTU não concorda com o posicionamento de certos indivíduos que sem nenhuma contribuição significativa para a nossa comunidade religiosa, sem experiência política alguma, pleiteiam cargos eletivos querendo fazer da Umbanda e das Religiões Afro-brasileiras uma massa de manobra. Ou seja, como um meio de chegar ao poder para apenas atender aos interesses pessoais ou de seu grupo político.
1.5 Desde já ratificamos nossa posição institucional e apartidária de apoiar todos os candidatos políticos por meio dos mais variados partidos que apresentem propostas sérias e factíveis para a promoção de igualdade em todos os aspectos: espiritual, cultural, social, político e econômico.
1.6 Nosso apoio não pode ser a um único candidato, pois do contrário seria necessário um consenso de todas as Religiões Afro-brasileiras que aquele e somente aquele candidato seria o nosso representante político nas distintas esferas políticas. Fato este que até o presente momento nunca ocorreu.
1.7 Essa posição nada mais é do que aprendemos nos templo-terreiros espalhados pelo Brasil afora. Diuturnamente recebemos em nossos pejis irmãos de diversas procedências sociais, econômicas e até mesmo religiosa e para todos eles o sacerdote, os médiuns e os Ancestrais Ilustres oferecem uma possibilidade de cura. Por que na política agiríamos diferente?
1.8 A FTU não quer indicar esse ou aquele candidato político, pois não tem nenhuma vontade de exercer uma pressão autoritária, para não dizer totalitarista, à nossa comunidade religiosa. O que efetivamente queremos é promover um diálogo onde o cidadão faça suas escolhas políticas livremente e com a consciência politizada. Os próximos itens discutirão como isso é possível.

2. Projeto acadêmico para disseminar os projetos políticos oferecidos pelos candidatos aos cargos eletivos
2.1 Os professores da cadeira de Sociologia, Ciências Políticas e Relações Internacionais da FTU desenvolveram um projeto de participação popular que terá como consequência direta a construção de um portal na rede mundial de computadores (internet) onde todos os candidatos políticos, que de alguma forma estejam relacionados com as Religiões Afro-brasileiras, possam apresentar sua história e sua plataforma política.
2.2 Este projeto será em âmbito nacional e cada candidato terá uma ficha com sua descrição e currículo, o que fez dentro do nosso movimento religioso, nos movimentos sociais e na sociedade civil como um todo, se está de acordo com os critérios de elegibilidade estabelecidos pelo projeto de lei Ficha Limpa e qual o seu programa político para beneficiar não só a nossa comunidade religiosa como todos os cidadãos religiosos e seculares, dado os motivos esposados no item 1.
2.3 Para o êxito deste projeto contamos com a participação de instituições sérias e representativas das religiões Afro-brasileiras seja em nível nacional, estadual ou municipal. Como dito anteriormente, trata-se de um projeto de participação popular, inclusivo e abrangente.

3. Realização de Debates e Fóruns de conscientização política em âmbito presencial e telepresencial
3.1 A FTU realizará de maneira permanente debates, fóruns e locutórios com o corpo docente e discente da FTU, sacerdotes e sacerdotisas do conselho comunitário da FTU e da comunidade que é mobilizada pela faculdade – um público oscilante de no mínimo cinco mil pessoas mensalmente.
3.2 Estes encontros dialógicos serão transmitidos ao vivo pela rede mundial de computadores (internet) e contará com a participação ativa do público presente e dos internautas por meio de correio eletrônico e redes sociais.

Acreditamos que as três frentes abordadas neste manifesto são um passo importante e esclarecedor aos cidadãos brasileiros sobre o posicionamento político apartidário e universal assumido pela FTU. Acreditamos na política e nos políticos como meios democráticos de promoção da Isonomia em todos os níveis: Espiritual, Social, Cultural, Político e Econômico. A FTU dá a sua parcela de contribuição por meio da Educação, do Esclarecimento e Conscientização Política para a realização da tão falada Paz Mundial.

F. Rivas Neto – Pai Rivas (Mestre Arhapiagha)
Reitor da Faculdade de Teologia Umbandista




Um comentário:

  1. SENSACIONAL
    Fecho com suas palavras
    A Umbanda precisa sim ter posicionamento e representatividade politica, mas isso nao quer dizer sair apoiando qualquer um que sem passado consistente e sem postura alguma religiosa, venha se arvorar a representante umbandista
    Se auto denominando salvador da patria, nao precisamos disso, temos que escolher pessoas com coerencia politica e religiosa
    Nesse ponto fundamental a participaçao da FTU nesse processo, abrindo suas portas para todos aqueles que querem ou de fato representem a Umbanda sagrada
    Conte com o apoio da nossa FUCABRAD
    Ashe
    Aranauan

    ResponderExcluir