quinta-feira, 29 de julho de 2010

W. W da Matta e Silva - escritor de ponta da literatura umbandista








PREFACIANDO: "UMBANDA - LUZ NA ETERNIDADE"













Prefaciando...

Umbanda - Luz na Eternidade!... De certa forma o leitor vai se surpreender com semelhante título. Qual Umbanda? Que eternidade?

Bem, caro leitor, essa obra que estamos prefaciando, é de um nosso filho-de-santé, coroado em nosso santuário de Itacuruçá, há mais de 7 anos. Ele é o Francisco Rivas Neto, cujo nome de iniciação é ARAPYAGA. É um profundo estudioso e pesquisador, pessoa de cultura universitária, e há cerca de 25 anos que pratica a Umbanda, como médium, e sobre médiuns.

O Francisco Rivas Neto já alcançou o grau de Magista – Mestre de Iniciação. Segue a Umbanda Esotérica, segundo nossas obras, acrescidos de sua própria Criatividade espiritual mediúnica.

Acreditamos que o leitor, ao ir lendo esse livro, encontrará na substância de sua doutrina, as razões para compreender que essa Umbanda, levará o seu consciencional para longe; para o espaço infinito e ilimitado, que pode ser a citada eternidade, ou seja o nada, no absoluto, aquilo que não tem princípio nem fim, - a luz da sabedoria que é eternal...

Essa obra de Rivas Neto tem pesquisa histórica, especulações metafísicas e doutrina prática. Pois, ele fala na Umbanda Esotérica, isto é, daqueles conhecimentos internos, selecionados, próprios de quem já é um Iniciado.

Não confundi-lo com a Umbanda popular, essa que o povão pratica, segundo concebe e alcança, através desses milhares de terreiros, ou nessa tremenda variação dos denominados cultos afro-brasileiros.

E finalmente, caro leitor, se você também é um estudioso, aconselhamos a pegar uma moeda, e ver nela suas duas faces: a cara e a cora. No livro do Rivas Neto você vai ler a parte que está contida na coroa, isto é, o lado interno, esotérico da Umbanda, com suas verdades, e deixe de lado a parte da cara dessa moeda, que essa umbanda popular, folklórica, que você vê nas praias, no dia 31 de cada ano.

Escrevemos assim, para que o leitor pesquisador ao ler seu título, não pense logo que ele encoberte uma série de bobagens, de mitos e de ensinamentos absurdos, patéticos, sem base sólidas.

Em verdade, a maioria dessa literatura que lançam por aí, é mais uma fonte de perturbações, de confusões etc... Nessa obra, há pesquisa, há doutrina e orientações sobre a Umbanda de fato e de direito.

W.W. da Matta e Silva


PREFACIANDO: "UMBANDA - A PROTO-SÍNTESE CÓSMICA"

Sim, Caboclo pede licença aos poderes das divindades, ou seja, aos Orishas Superiores, para expressar para a coletividade umbandista as verdades, ou melhor, levantar um pouco do véu dos arcanos, para reafirmar ou mesmo revelar muitas coisas que fazem o mistério da vida deste mundo e do outro.

Esses ensinamentos que o leitor vai encontrar nesta obra foram transmitidos por intermédio dos canais mediúnicos de F Rivas Neto, filho do meu "Santé", ou seja, coroado em nosso Santuário de Itacuruçá. Ele é um Mestre de Iniciação de 7º grau, no grau de mago, e com a outorga do Astral Superior de promover a Iniciação de seus médiuns.

Assim, desejamos que o leitor se conscientize de que esse "Caboclo" (Entidade Espiritual que usa a roupagem fluídica de índio), que pede agô (licença) para transmitir o que vai transmitir, traz ensinamentos da doutrina esotérica da Umbanda.

Quando qualificamos de Umbanda Esotérica, queremos que fique bem claro que ela não tem nada em comum com o "Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento".

É só o leitor abrir um dicionário e verificar o que significam os termos esotérico e exotérico, que são as coisas internas e externas, respectivamente.

Assim é que, como Umbanda em seus aspectos externos, entendemos os rituais que são produzidos pelos atabaques ou palmas, quer seja nos terreiros, praias, cachoeiras, etc, alimentados por crenças, crendices e superstições, sem querermos apontar diretamente para o animismo vicioso que pode se manifestar nesses setores ditos dos cultos afro-brasileiros.

Então, "Caboclo" vem através de seu médium autenticar os ensinamentos mais límpidos, que são eternais ou de todas as escolas esotéricas ou filosóficas de conceito da antigüidade.

Assim é que ele fala primeiro da Divindade Suprema sem que com isso queira defini-la, e rasga os véus de certos mistérios que eventualmente foram ditos muito por alto em obras de outros autores conceituados. Assim é que fala do Além, isto é, "do outro lado da vida", das vivências grosseiras que existem e aguardam os Seres Espirituais imprevidentes que se mancharam de vícios, egoísmos, ódios, ambições, luxúria, e que são imediatamente atraídos para campos de teor vibratório de energias degradantes e morbosas após o desencarne. Eles são reconhecidos devido ao aura de seus corpos astrais, ou seja, pela cor vibratória que modela suas características psicoastrais.

Esta obra é de certa forma um pouco contundente, porque revela conceitos que podemos chamar até de inéditos.

Em Umbanda — A Proto-Síntese Cósmica o leitor vai verificar como essa entidade fala das 7 fases da Umbanda no Brasil, como tem um ensinamento muito preciso sobre os Exus, como aborda a questão do desencarne, etc. Caboclo 7 Espadas, que é como se identifica essa Entidade, fala com muita propriedade da ancestralidade da Umbanda, vindo até a comprovar a sua origem no seio da Raça Vermelha, em pleno solo brasileiro. Faz o mesmo com a origem do termo Exu, coordenação precisa de termos que sofreram ligeiras alterações semânticas mas que no fundo são a mesma coisa.

Inumeráveis leitores de nossas obras vão encontrar semelhanças no que escrevemos e no que está nesta obra.

Evidentemente, a verdade não são duas, é uma só. Uns alcançam-na até certo ponto e outros ainda vão além, dentro de sua relatividade.

Finalizando este prefácio, queremos dizer aos nossos leitores que nos sentimos até certo ponto envaidecido com o que Umbanda — A Proto-Síntese Cósmica ensina.

Portanto, leia-o leitor, atentamente, porque vai ficar plenamente satisfeito.

MESTRE YAPACANY WOODROW WILSON DA MATTA E SILVA

Itacuruçá, 18 de dezembro de 1987


Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 58

Um comentário:

  1. Que bom ver um discípulo honrar seu mestre, mesmo já sendo um mestre dez vezes consumado. E é este o exemplo da verdadeira tradição: amor e amizade transformados em êxito nas coisas que o mundo precisa: ética e procedência.

    Que bom ver o caminho forte traçado que nos convida, de forma irresistível, a trilharmos com orgulho e honra à nossa linhagem...

    Nesses tempos em que muitos que usam diginas imaginárias e divulgam doutrinas estúpidas e sequiosas de um poder irresponsável, mera construção da infeliz identidade dos profetas enlouquecidos, é um alívio presenciar estas palavras de amizade entre espíritos tão grandiosos.

    É aqui que ainda vemos a luz, meu querido mestre.

    Sua benção.

    ResponderExcluir