segunda-feira, 14 de junho de 2010

Caso insólito de Esquizofrenia Catatônica

RESUMO

A depressão, quando resistente, pode estar no “boderline” com as esquizofrenias, não sendo raro a estes pacientes ter problemas com a identidade e instabilidade afetiva que podem levá-los ao suicídio. Além de toda a clássica sintomatologia que permite o diagnóstico, este e outros distúrbios de personalidade têm como etiologia a influência direta de outras mentes, que influenciam decisivamente o paciente ou vítima. Estes distúrbios do humor podem ter várias manifestações, mas todas mesmo as com possível comprometimento orgânico, tem como base a influência espiritual deletéria de um antagonista astralizado (sobrenatural).

Desde a esquizofrenia simples até a catatonia, além dos quadros descritos e estudados pela psiquiatria, merecedora de amplo e irrestrito respeito pelo seu venerável trabalho no auxílio ao doente, há o aspecto espiritual a ser considerado. À guisa de ilustração, com todo respeito, nos reportaremos a um caso de esquizofrenia catatônica por nós atendido a pedido de um colega psiquiatra que também é simpatizante do espiritualismo, especificamente da Medicina Complementar ou Medicina das Religiões Afro-brasileiras.

Palavras-chave: Espiritualidade, Esquizofrenia catatônica, Medicina Complementar, Religiões Afro-brasileiras, Sobrenatural.

ABSTRACT

Depression, when resistent, can be in "boderline" with schizophrenias, not been uncommon for these patients to have problems with identity and emotional instability that may lead them to suicide. Besides all the classic symptoms which allows the diagnosis, these and other personality disorders have as their etiology the direct influence of other minds, influencing decisively the patient or victim. These mood disorders can have various manifestations, but even with all possible organic impairment, it is based on the deleterious influence of a spiritual supernatural antagonist.

From the simple schizophrenia to the catatonia, beyond the medical pictures described and evaluated by psychiatry, worthy of broad and strict respect for its venerable work to aid the sick, there is a spiritual aspect to be considered. To illustrate, with all due respect we report a case of catatonic schizophrenia treated by us at the request of a fellow psychiatrist who is also a supporter of spiritualism, specifically of Complementary Medicine or Medicine of Afro-Brazilian Religions.

Keywords: Spirituality, catatonic schizophrenia, Complementary Medicine, Afro-Brazilian Religions, Supernatural.

CASO INSÓLITO DE ESQUIZOFRENIA CATATÔNICA

A depressão, quando resistente, pode estar no “boderline” com as esquizofrenias, não sendo raro a estes pacientes ter problemas com a identidade e instabilidade afetiva que podem levá-los ao suicídio (vide postagem - transtornos depressivos).

Além de toda a clássica sintomatologia que permite o diagnóstico, este e outros distúrbios de personalidade têm como etiologia a influência direta de outras mentes, que influenciam decisivamente o paciente ou vítima. Estes distúrbios do humor podem ter várias manifestações, mas todas mesmo as com possível comprometimento orgânico, tem como base a influência espiritual deletéria de um antagonista astralizado (sobrenatural).

Desde a esquizofrenia simples até a catatonia, além dos quadros descritos e estudados pela psiquiatria, merecedora de amplo e irrestrito respeito pelo seu venerável trabalho no auxílio ao doente, há o aspecto espiritual a ser considerado.

À guisa de ilustração, com todo respeito, nos reportaremos a um caso de esquizofrenia catatônica por nós atendido a pedido de um colega psiquiatra que também é simpatizante do espiritualismo, especificamente da Medicina Complementar ou Medicina das Religiões Afro-brasileiras.

O quadro consistia em: paciente moça, com vinte anos de idade, solteira, bom nível socioeconômico, estudante de medicina. Até a eclosão do quadro era calma, equilibrada e bem humorada, segundo relato da mãe; mantinha ótimo relacionamento com todos e nunca havia apresentado qualquer alteração psiquiátrica.

Esta teve início com um quadro agudo de agressividade e intensa agitação, movimentação violenta e postura bizarra com fala alterada, apresentando vocabulário chulo, seguido de torpor.

Após o quadro clínico psiquiátrico descrito, a paciente permaneceu sem falar, sem comer, sem deambular (andar). Em suma, este é um quadro catatônico.

Quando da primeira entrevista, apresentava “alucinações visuais”; afirmava que havia sido tocada por uma mulher com “cabelo verde”, que tinha lhe ordenado ficar parada, pois se andasse iria morrer...

Nesse estado, apresentou uma crise típica dos epilépticos, com agitação intensa, seguida de exaustão e torpor.

Acordada, parecia robotizada, como se “hipnotizada”, “cumprindo ordens” como um autômato, caminhando, se não fosse tratada, para a desagregação total ou demência.

Embora a desagregação não seja tão rápida, o quadro pode ser progressivo, levando à demência, apesar desta, entre as psicoses, ser a mais benigna. Isto se receber tratamento adequado e não encontrar um médico mercantilista, que além de produzir efeitos deletérios e iatrogênicos, pode por a perder uma vida. Felizmente, esses são minoria.

Além das fenotiazinas (tioridazina, clorpromazina e outros), temos como arsenal terapêutico, alopático as butirofenonas (haloperidol, triperidol, etc). Acreditamos que além da assistência medicamentosa e psicoterápica deve-se introduzir a assistência espiritual, com a neutralização de influências externas provenientes de seres espirituais antagonistas, muito deles cruéis e desalmados hipnotizadores que tentam levar a cabo suas vinditas maléficas.

Portanto, a Medicina Complementar ou psicoespiritual sem desprezar o arsenal medicamentoso alopático, aceita a psicoterapia, mas, tem seus métodos, que não desdenham de nenhum outro, podendo atuar de forma concomitante ou separada, algo que fizemos na paciente citada. Felizmente, após neutralizarem-se as influências espirituais, nunca mais apresentou o quadro citado, portanto sem recidivas, e vem tomando medicamento recomendado pela medicina alopática e recebendo bênçãos de energias positivas de um Templo das religiões afro-brasileiras onde, aliás, é assídua e operosa colaboradora.

Para melhor esclarecer nosso leitor, tentemos fazer uma resenha do que realmente aconteceu com a paciente citada.

Como afirmamos, a paciente tinha vinte anos, cursando na época o terceiro ano de medicina de uma tradicional Escola médica Paulista.

Conhecera no segundo ano um colega que viera, transferido, de uma faculdade do Rio de Janeiro. Logo de início houve uma simpatia, muito grande entre ambos, culminando esta admiração em enlevado namoro.

Os primeiros seis meses foram só encanto, devaneio e amor juvenil, quando ele, sem muitas explicações, disse-lhes não mais estar interessado em continuar o namoro, já que encontrara outra pessoa que lhe fizera sentir o verdadeiro amor.

Esta moça, segundo pudemos penetrar pela clarividência, estava ligada à mais baixa classe de correntes espirituais, com fortes vínculos com a toxicomania e magia negra.

Quando a paciente se restabeleceu, e tendo sido neutralizados os efeitos da magia negra, o namorado retornou, embora estivesse sob os guantes da toxicomania pesada, levando longo período para recuperar-se e tendo ficado sequelado com toda sorte de fobias e outras desordens psicoespirituais.

Não conseguindo mais reaver a amizade, nem mesmo a simpatia e muito menos o amor pela paciente citada, e como não acreditava na espiritualidade e menos ainda na influência dos espíritos e dos efeitos deletérios por eles produzidos através da goécia, retornou ao Rio de Janeiro onde, segundo informações da paciente, deixou de cursar medicina, dedicando-se à administração de uma rede de hotéis de sua família.

Esperamos que a exposição fale por si e que todos possam entender que, infelizmente, vivemos num planeta onde há homens egoístas, orgulhosos e vaidosos, fatores esses que os fazem delinquir, trazendo dores para si e para os outros. É triste, mas esta é uma constatação que não pode ser ignorada, estigma de uma sociedade agressiva, competitiva, desigual e independente, que como dissemos, encontra-se extremamente doente...

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico

Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 45

Bibliografia

Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos

· ANDRADE, Arthur Guerra de. ALVARENGA, Pedro Gomes.Fundamentos de Psiquiatria. 1. ed. Barueri: Manole, 2008, 644p.

· AUSIELLO, Dennis. GOLDMAN, Lee. Cecil - Tratado de Medicina Interna - 2 Vols. 23. ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2009, 2688p.

· BICKLEY, Lynn S. Propedêutica Médica – Bates. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 928p.

· HALL, Calvin S. LINDZEY, Gardner. CAMPBELL, John B.Teorias da Personalidade. 4. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 591p.

· KAPLAN, Harold I., SADOCK, Benjamin J. Tratado de psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1999, 1486p.

· MURPHY, Michael J. COWAN, Ronald L. Psiquiatria – Murphy – Série Blueprints. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 2009, 152p.

· PADRO, Cintra do. VALLE, Ribeiro do. RAMOS, Jairo.Atualização Terapêutica. 23. ed. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2007, 2400p.

· PAIN, Isaias. Tratado de Clínica Psiquiátrica. 3. ed. São Paulo: E.P.U. Ed, 1991, 370p.

· PINHEIRO, Raimundo. Medicina Psicossomática – Uma abordagem clínica. 1. ed. São Paulo: Fundo Editorial DYK, 1992, 125p.

· PORTO, Celmo Celeno. PORTO, Arnoldo Leme. Semiologia Médica. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 1356p.

· SÓFOCLES. Édipo Rei. 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2001, 104p.

Aspectos Religiosos

· RIVAS NETO, Francisco. Do Sincretismo à Convergência. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE UMBANDA DO SÉCULO XXI, São Paulo: Faculdade de Teologia Umbandista, 2010.

· RIVAS NETO, Francisco. Sacerdote, Mago e Médico : cura e autocura umbandista: terapia da alma. 1. ed. São Paulo: Ícone, 2003, 493p.

· RIVAS NETO, Francisco. Vídeo-Aula 19: A ciência do Orixá - Parte 2 - Psicanálise e Arquétipos dos Orixás. Disponível em: mms://wm01.mediaservices.ws/ftu12-ondemand/FTU_VIDEOAULA_19.wmv. Acesso em: 13 jun 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário