segunda-feira, 15 de março de 2010

Linguagem e Aspectos Semióticos Desenvolvidos nos Textos

RESUMO

O mote principal deste blog é interdependência entre Espiritualidade, Saúde e Sustentabilidade. Este tem como objeto “Espiritualidade e Ciência” e como objetivo “a Espiritualidade é inerente a todo ser humano, independente ser ou não religioso”. Desde o primeiro texto explicitamos segundo nossas descobertas e pressupostos como entendíamos e como iríamos desenvolver a temática: no inconsciente profundo acessa-se a Espiritualidade. A Espiritualidade é inerente a todos independente de serem elevados, sublimes, transcendentes, espiritualistas, ou prosélitos das várias expressões do espiritualismo.

No que concernem as religiões afro-brasileiras ou afro-americanas os ritos de fundamento são afetos a remoção das camadas estratificadas do inconsciente superficial, permitindo acesso a Espiritualidade, saúde e sustentabilidade. Ao mesmo tempo a Umbanda, uma religião de matriz brasileira, se delineia como universalista, pois nela há vários segmentos ou escolas sendo este o motivo principal do respeito incondicional às diferenças, à alteridade. É emblemática sua aplicação ética manifesta nos vários segmentos mais próximos da pajelança indígena ou africana, onde não se descartou a aproximação européia expressa no catolicismo e espiritismo.

Palavras-chave: Ciência, Diversidade, Espiritualidade, Inconsciente, Umbanda

ABSTRACT

The main motto of this blog is interdependence between Spirituality, Health and Sustainability. Its object is the "Spirituality and Science" and the objective is "Spirituality is inherent to every human being, regardless of whether or not religious." Since the first text we explained, according to our findings and assumptions, how we felt and how we would develop the theme: the deep unconscious access to Soul. Spirituality is inherent to all whether they are elevated, sublime, transcendent, spiritual, or proselytes of the various expressions of spirituality.

Regarding african-Brazilian or african-American religions, rites of foundation are affects of the removal of the laminated layers of the unconscious surface, allowing access to spirituality, health and sustainability. At the same time Umbanda, a religion of the Brazilian matrix, emerges as universal, because it is multithreaded or schools, being the main reason of the unconditional respect for differences, the otherness. The flagship application ethic manifested in various segments closer to the indigenous or African witchcraft that have not ruled out the European approach expressed in Catholicism and spiritism.

Keywords: Science, Diversity, Spirituality, Unconscious, Umbanda

LINGUAGEM E ASPECTOS SEMIÓTICOS DESENVOLVIDOS NOS TEXTOS

Os textos que postamos justificam-se pelo mote principal do blog: interdependência entre Espiritualidade, saúde e sustentabilidade. Procuramos ser fiel ao propósito, buscando discorrer sobre o objeto e o objetivo.

Objeto: Espiritualidade e Ciência;

Objetivo: a Espiritualidade é inerente a todo ser humano, independente de ser ou não seguidor de uma religião.

Dos textos postados, concluímos que o inconsciente profundo acessa a Espiritualidade. O vocábulo Espiritualidade é revestido de intensa “polissemia”. No léxico, está explícito como qualidade do que é espiritual; tudo o que tem por objeto a vida espiritual. Mas qual é o significado da palavra espiritual? “O que é desprovido de corporeidade, imaterial, o que é concernente ao espírito”.

Deparamo-nos com o vocábulo principal que permite, possibilita nosso objetivo. Ser espírito é decisivo, pois, é tratado por nós como imanifesto, a porção imaterial do ser humano. No léxico também é associado à mente, pensamentos. Princípio vital superior à matéria; onde se situam os princípios psíquicos.

Alguns exemplos que encontramos no dicionário foram por nós citados, e ousamos acrescentar à Espiritualidade outro significado, que tem sido a pedra basilar do blog.

A Espiritualidade é inerente a todo ser humano vivente no seu interior, independente ser ou não religioso. Independe por quê? Porque é inerente a todo ser humano, e como nem todo ser humano é religioso, portanto, independe. E mais, afirmamos que a Espiritualidade pode ser acessada por intermédio do inconsciente profundo, sendo o mesmo inerente a todo ser humano. O acesso à Espiritualidade depende da fragilização das concreções estratificadas do inconsciente superficial

A Espiritualidade contempla a todo ser humano, é pela inclusão total. Temos escrito, insistentemente, que Espiritualidade é a “ciência de Ser espírito”, que admite no mínimo duas interpretações. A primeira, a ciência, pode significar a consciência de ser Espírito. A segunda, uma “teoria geral”, em que se conclui: Ser Espírito, a essência, o imanifesto o qual manifesto na energia/massa, proporciona a existência na substância; a essência manifestada em diversos níveis de energia/matéria ou massa.

Por isto, afirmamos ser o espírito, quando imanifesto, vazio de matéria, independe dela em todos os níveis de densidade. Nestas assertivas, segundo os pressupostos citados, estamos fiéis ao objeto e objetivo, que sabemos não ser o corrente. Desde o primeiro texto postado explicitamos segundo nossas descobertas e pressupostos como entendíamos e como iríamos desenvolver a temática: no inconsciente profundo acessa-se a Espiritualidade. Nos textos não utilizamos Espiritualidade com significado de transcendência, elevação, sublimidade, como qualidade de alguns e não da maioria. Dissemos que a Espiritualidade é inerente a todos, independente de serem elevados, sublimes, transcendentes, espiritualistas, ou prosélitos das várias expressões do espiritualismo. Podem ser, mas não é condição necessária.

Prosseguindo, o verbete espiritualismo é expresso como: “consiste na afirmação da existência ou realidade substancial do espírito, de sua autonomia, diferença e preponderância em relação ao corpo material”.

Acatamos e respeitamos o significado, mas não é o que usamos, pois não dicotomizamos espiritual e material, ao contrário, propusemos ser a matéria manifestação do espírito. O Espírito imanifesto (essência) se manifesta na matéria (substância), propiciando a existência.

Quanto ao vocábulo espiritualista, o dicionário explica: “que ou aquele que se vê no espiritualismo; que se coloca na posição do espiritualismo”. Muito claras as duas assertivas, e mais uma vez afirmamos, não coincidir com nossos pressupostos.

No final do texto postado, sobre medicina psicossomática, em consonância com o mote do blog, discorremos de forma analógica e metafísica sobre a Espiritualidade, corroborando com o defendido, sustentado neste texto.

Sentenciando, o inconsciente interessar à ciência e à religião, temos de adaptar, não podemos aumentar ainda mais os conflitos.

Penetrando no inconsciente superficial, por vários métodos, inclusive nos ritos de fundamento das religiões afro-brasileiras, quem sabe não descobriremos os ascendentes das vidas passadas ou reencarnações? Quem sabe!?! Não podemos rivalizar, precisamos conciliar e, para isto, temos de sair da zona de conflito que não eleva e não esclarece. É o que esperamos, sem pressa, ansiedade e, muito menos, violência cultural e espiritual.

No concernente às religiões afro-brasileiras ou afro-americanas, os ritos de fundamento significam a base sólida que autoriza, demonstra a veracidade de seus pressupostos. É definido como força divina dos Orixás e outras divindades do panteão afro-brasileiro. O fato é que, os ritos de fundamento, no que concerne a nossa visão de Espiritualidade, são afetos a remoção das camadas estratificadas do inconsciente superficial, permitindo acesso a Espiritualidade, saúde e sustentabilidade. Não conseguiremos, de repente, de improviso, acessar o inconsciente profundo, todavia à medida que removermos o conteúdo do inconsciente superficial passaremos a perceber, sentir a espiritualidade melhorando ou mantendo a saúde e a sustentabilidade.

Os vários ritos de fundamento, em geral, são feitos no Ori, como citamos em outros textos. Podem ser feitos por sacerdotes que possuam conhecimento e experiência ou por via mediúnica. Reiteramos, quase a totalidade dos ritos é feita por sacerdotes preparados, iniciados em um longo processo iniciático inerente às religiões afro-brasileiras.

Outro aspecto importante é o de as religiões afro-brasileiras aceitarem o sincretismo. No primeiro momento, como forma de resistência. A partir desta posição, buscam a convivência pacífica e inclusão total.

A Umbanda, uma religião de matriz brasileira, também se delineia como universalista, pois nela há vários segmentos ou escolas sendo este o motivo principal do respeito incondicional às diferenças, à alteridade. É emblemática sua aplicação ética manifesta nos vários segmentos mais próximos da pajelança indígena ou africana, onde não se descartou a aproximação européia expressa no catolicismo e espiritismo.

A “Umbanda branca” tem como base o espiritismo e o catolicismo, influências menores das matrizes indígena e africana. Para melhor entendimento: a palavra espírita é tida como relativa ou pertencendo ao espiritismo; pessoa que é adepta do espiritismo; aquele que é adepto da doutrina propugnada por Allan Kardec (1804-1869). No léxico, constante na bibliografia, encontramos o verbete “espírita de linha” como sendo espiritismo mesclado com a rito-liturgia umbandista; uma variedade de Umbanda, mas sem palmas, cânticos e atabaques. É um culto cristão, pois o catolicismo e o espiritismo se dizem cristãos.

Estamos de acordo com o léxico, pois afirma que há uma variedade de Umbanda, mas a maioria não segue o modelo proposto pela “Umbanda branca”. Mas como, há várias umbandas? A Umbanda é uma idéia que se manifesta em várias linguagens ou ritos, onde são privilegiados todos os ângulos de interpretação; só por sua peculiaridade de inclusão, não podemos afirmar ser a Umbanda somente cristã. Ela não é só cristã, e por isto não deve ser preconceituada ou depreciada. A Umbanda é de todos nós, cristãos ou não cristãos.

Não podemos olvidar o escopo, característica fundamental de Umbanda, que permite a seus adeptos praticá-la segundo suas vertentes, e todos estão certos; por isto não podemos afirmar ser a Umbanda cristã, muçulmana, judaica ou outras veneráveis denominações. Umbanda é Umbanda! Manifesta-se em várias escolas ou segmentos: Omolocô, Traçada, Mista, Branca, Esotérica, Iniciática, Popular, “Umbandaime”, Jurema e outras denominações.

Nosso texto e discurso demonstram que a Umbanda, procura incluir, como vimos, o maior número possível ou a totalidade de pessoas. Com isto espera contemplar a todos, o todo. Como discutimos no texto anterior, a parte não responde pelo todo, portanto...

Apesar de tudo, queremos reiterar nosso respeito ao Cristianismo surgido no Oriente Médio, fundado por Jesus Cristo. Sabemos que há várias religiões cristãs e procuraremos citar as mais conhecidas:

1. Catolicismo

2. Igreja Batista

3. Igreja Anglicana

4. Igreja Ortodoxa

5. Igreja Católica Brasileira

6. Espiritismo ou kardecismo

7. Protestantismo

O protestantismo dividi-se em:



8.Igrejas paralelas a Reforma

8a)Igreja Adventista

8b)Igreja Mórmon (Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias)

8c)Testemunha de Jeová

8d)Ciência Cristã

No término do texto, demonstramos, segundo nossa pesquisa, que a Umbanda, as demais religiões afro-brasileiras não constam como religiões cristãs, exceto a Umbanda Branca. Esperamos que a linguagem e a semiologia utilizadas sejam assimiladas, pois sua importância é fundamental ao entendimento dos futuros textos que serão postados e da rito-liturgia das religiões afro-brasileiras.

Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Salve, Saravá

Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar”

Publicação 19

Bibliografia

Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos

  • ANDRADE, Arthur Guerra de. ALVARENGA, Pedro Gomes.Fundamentos de Psiquiatria. 1. ed. Barueri: Manole, 2008, 644p.
  • AUSIELLO, Dennis. GOLDMAN, Lee. Cecil - Tratado de Medicina Interna - 2 Vols. 23. ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2009, 2688p.
  • BICKLEY, Lynn S. Propedêutica Médica – Bates. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 928p.
  • MURPHY, Michael J. COWAN, Ronald L. Psiquiatria – Murphy – Série Blueprints. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 2009, 152p.
  • PADRO, Cintra do. VALLE, Ribeiro do. RAMOS, Jairo.Atualização Terapêutica. 23. ed. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 2007, 2400p.
  • PAIN, Isaias. Tratado de Clínica Psiquiátrica. 3. ed. São Paulo: E.P.U. Ed, 1991, 370p.
  • PINHEIRO, Raimundo. Medicina Psicossomática – Uma abordagem clínica. 1. ed. São Paulo: Fundo Editorial DYK, 1992, 125p.
  • PORTO, Celmo Celeno. PORTO, Arnoldo Leme. Semiologia Médica. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2005, 1356p.
  • SÓFOCLES. Édipo Rei. 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2001, 104p.

Aspectos Religiosos

  • RIVAS NETO, Francisco. Do Sincretismo à Convergência. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE UMBANDA DO SÉCULO XXI, São Paulo: Faculdade de Teologia Umbandista, 2010.
  • RIVAS NETO, Francisco. Sacerdote, Mago e Médico : cura e autocura umbandista: terapia da alma. 1. ed. São Paulo: Ícone, 2003, 493p.
  • RIVAS NETO, Francisco. Vídeo-Aula 19: A ciência do Orixá - Parte 2 - Psicanálise e Arquétipos dos Orixás. Disponível em: mms://wm01.mediaservices.ws/ftu12-ondemand/FTU_VIDEOAULA_19.wmv. Acesso em: 20 fev 2010.

Outros Aspectos

  • FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 4. ed, Curitiba: Positivo, 2009, 2160
  • HOUAISS, Antônio. Novo Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009, 1986p.

Um comentário:

  1. Sua Benção, Mestre!

    Mais uma vez, através deste texto, fica esclarecido um maravilhoso fato.

    A Umbanda, por seus Princípios e sua Ética, propugna o bem-estar da Humanidade em geral, e não só dos adeptos, ou não, de determinada Religião.

    Umbanda, Saúde e Cura para a Humanidade Toda.

    Proposta Pacífica e Revolucionária.

    Taratanan.

    ResponderExcluir