segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

A Espiritualidade não é somente religião - Espiritualidade é a mente Inconsciente...






Resumo
A Espiritualidade é inerente a todo ser humano. Esta condição é confirmada quando compreendemos no homem a existência do corpo e da mente. A mente, por sua vez, possui uma porção consciente e outra inconsciente. É justamente na porção inconsciente que encontramos a Espiritualidade, bastando para tanto despertá-La. O complexo processo de despertar a Espiritualidade é teorizado e vivenciado por intermédio de vários ritos de fundamento nas religiões afro-brasileiras e nas práticas da medicina complementar. Sendo assim, a Espiritualidade tem nas religiões um precioso instrumento, mas não o único. Espiritualidade é a ciência de ser Espírito, abrangendo todos os homens, sejam eles religiosos ou não.
Palavras-chave: Consciente, Espiritualidade, Inconsciente, Medicina Complementar, Religiões Afro-brasileiras.
Abstract
Spirituality is inherent to every human being. This condition is confirmed when we realize in man the existence of the body and mind. The mind has a portion of conscious and other one unconscious. It is precisely in unconscious portion that we find spirituality. One just have to wake it up. The complex process of awakening to spirituality is theorized and experienced through various basis rites of the african-brazilian religions and complementary medicine practices. Therefore, spirituality finds in religions a valuable tool, but not the only one. Spirituality is the science of to be Spirit, including all men, whether religious or not.
Keywords: Conscious, Spirituality, Unconscious, Complementary Medicine, Afro-Brazilian Religions.

A Espiritualidade não é somente religião
Espiritualidade é a mente Inconsciente...

Quando estávamos em vias de voltar a habitar um corpo físico, havia poucos anos que o planeta saíra de uma tormentosa e vergonhosa guerra fatricida (Segunda Guerra Mundial), com danosos agravos e embaraços do destino para a Comunidade Planetária.
Sob os impactos desastrosos da miséria, da dor, de sofrimentos atrozes e da desolação, haveria o início da reconstrução de um mundo novo, de uma nova humanidade, onde augurava-se não mais serem deflagradas ignominiosas guerras. Houve e ainda há uma tentativa de mudança de valores, mobilizando os cidadãos planetários para manter o planeta, seu ambiente, pois se o mesmo for agredido como vem sendo, com explosões nucleares, desmatamentos, alterações significativas da camada de ozônio, com graves repercussões sobre a continuação da vida, a mesma estará seriamente comprometida em futuro não tão distante.
Atualmente, embora guerras ainda sejam deflagradas (o que é inadmissível para o "homem civilizado"; será mesmo civilizado?), há uma conscientização dos danos ao planeta e à humanidade. Tanto isto é verídico que o desarmamento das "grandes potências" mundiais é uma constante preocupação da ONU, principalmente no que se refere ao arsenal de armas atômicas, químicas e biológicas.
Antes da Perestroika, da queda do muro de Berlim, o mundo estava sempre em alerta, temeroso de uma guerra mundial desencadeada pelos desentendimentos entre os EUA e a União Soviética, ou entre o Capitalismo e o Comunismo.
Na atualidade, século XXI, talvez não haja mais o perigo iminente de uma guerra nuclear, pois não há mais a União Soviética e conseqüentemente o Comunismo. Porém, há o Capitalismo voraz e desumano que faz vassalos, traz misérias, iniqüidades e desigualdades culturais, sociais, políticas, econômicas e étnicas, fomentando os conflitos geradores de violências várias.
Por sua vez, o socialismo está cada vez mais frágil, pois o poder emana da política econômica em que são privilegiadas as oligarquias, a globalização da miséria. Há poucos ricos (concentração de riquezas) muitos miseráveis (proliferação da pobreza), conseqüência direta de formas de governo que não interferem, por pouco que seja, na economia, produzindo concentração ou reserva de mercados que não permitem a livre circulação de capitais e mercadorias, o mínimo que poderia se esperar para uma humanidade mais justa e fraterna, na qual o cooperativismo sobrepujasse a competição.
Mesmo que houvesse competição, que se dispensassem reservas para o social, teríamos um "capitalismo socializado" ou mais humano, que não desprezasse a Espiritualidade – ponto de equilíbrio e convergência entre o capitalismo e socialismo, que denominamos cooperativismo inteligente, isto é, o governo que emana do povo sagrado, sendo todos os homens, países, continentes e povos sagrados.
Haveremos de preservar os mananciais do mundo, principalmente as fontes de água potável e também nossos mares, nossas florestas. No caso específico do Brasil esses investimentos trariam recursos diversos para serem aplicados no social, produzindo trabalho havendo trabalhadores, pois certamente diminuir-se-ia o êxodo rural, invertendo-se naturalmente este fluxo.
A inversão do fluxo (então da cidade para o campo) criaria trabalho no campo com justiça social, podendo estar aí a queda dramática da guerrilha urbana, da guerra civil não declarada e, principalmente, da fome e da morte. Para tal evento redentor acontecer, precisamos contar com a boa vontade de nossa plutocracia desaliando-se dos modelos imperialistas que nos impõem outros países – tudo sob nossa aquiescência.
Tudo isto acontece pois não pensamos no próximo, na interdependência e muito menos no fato de que somos transitórios, mortais. Sim, quem nasce (talvez por isso choremos quando nascemos) cedo ou tarde morre. Só não morre quem não nasce. Não sendo niilista e nem reverenciando os existencialistas, não podemos negar que agimos como se nunca fôssemos morrer, nem cogitamos se vivemos bem, se morreremos bem. Contudo, caso haja vida pós-morte, como seria? Não seria de acordo com nossa conduta, principalmente com nossos semelhantes? E então?...
Desdenhamos da interdependência, quando não a olvidamos completamente. Somos renitentes, revéis às Leis do Universo que afirmam: enquanto houver alguém sofrendo, um indivíduo que seja, a paz e a felicidade de ninguém será completa. Precisamos urgentemente ir atrás das verdades, antes que elas venham atrás de nós desnudando nosso egoísmo, vergastando nossa vaidade. Antes porém, reavaliemos condutas, sigamos nossas vidas como quisermos, mas não nos distanciemos da Espiritualidade inerente a todo ser humano, vivente em seu interior.
Após estas ilações, que refletem nossa posição e visão no âmbito social, político e econômico, retornemos ao tema central que muito tem a ver com cura e autocura.
Com a tarefa de vencer a guerra e banir definitivamente os sofrimentos, as dores e a morte é que em todos os quadrantes do planeta encarnaram e encarnam espíritos com senso de universalidade, para atuar nas Religiões, restaurando-as, fazendo-as conviver pacificamente, sem excluir e nem se contrapor às Filosofias, às Ciências e às Artes. Esses missionários estão trabalhando sem alarde e com denodo têm procurado derrubar as barreiras e tabus que separam os homens, como se os homens fossem realmente desiguais entre si. Ensinam os vanguardeiros do amanhã que devemos pautarmo-nos pelas semelhanças, e respeito pelas diferenças. Esses Seres Espirituais, missionários anônimos, tiveram experiências em vários setores Filosóficos, Religiosos, Científicos e Artísticos, conquistando a visão universal da Espiritualidade, passando a trabalhar por sua difusão em todos os setores, não só religioso, pois a Espiritualidade pode estar na Filosofia, na Arte, na Ciência ou mesmo fora dela, além delas.
Como afirmamos a Espiritualidade é inerente a todo ser humano vivente no interior dele. Poderiam perguntar: como assim? Todos nós temos corpo e mente. A mente, e neste momento invocamos Freud,é como se fosse um iceberg. Sabemos que a maior porção do iceberg é submersa e a menor emersa. A porção emersa associamos ao consciente e a imersa ao inconsciente. É nessa porção denominada inconsciente, inerente a todo ser humano, que encontraremos a Espiritualidade. Como todo ser humano tem inconsciente, logo toda a humanidade tem Espiritualidade, basta despertá-la. Claro que sabemos que não é tão simples aliás, é complexo despertá-la. É o que pretendemos discutir neste blog, algo que há tempo vimos teorizando e vivenciando por intermédio de vários ritos nas religiões afro-brasileiras (inumeráveis ritos de fundamento, que evocam, trazem o conteúdo do inconsciente decodificado e traduzido para o consciente) e na prática da medicina complementar em vivências-terapia breve, em algumas sessões ou em terapia continuada, que traz benefícios espirituais, mentais, emocionais, físicos e sociais.
Após esta ligeira exposição que estamos desdobrando em livros, discussões, workshops, palestras, seminários fica claro de que para nós a Espiritualidade não é monopólio das religiões que embora respeitáveis em seus fundamentos e objetivos não abrangem o universo de todos os seres humanos. Esta nossa assertiva afirma que a Espiritualidade tem nas religiões um precioso instrumento, mas não o único. Espiritualidade é a ciência de ser Espírito, como dissemos, abrangendo todos os homens, sejam eles religiosos ou não.
E vamos aos desdobramentos... E como várias vezes dissemos, estamos aproximando os saberes religioso e científico. Eis o porque do sacerdote-médico.
Aranauam, Motumbá, Mucuiú, Kolofé, Axé, Saravá
Rivas Neto (Arhapiagha) – Sacerdote Médico
Ifatosh'ogun "O sacerdote de Ifá que tem o poder de curar"

Publicação 03

Adapatado do livro Sacerdote, Mago e Médico - pág. 25 e seguintes


Bibiliografia
Aspectos Psicológicos e Psiquiátricos
  • FREUD, Sigmund. Obras Psicológicas de Sigmund Freud – Escritos sobre a psicologia do inconsciente – VOL I. 1. ed. Porto Alegre: Imago, 2004, 228 p.
  • FREUD, Sigmund. Obras Psicológicas de Sigmund Freud – Escritos sobre a psicologia do inconsciente – VOL II. 1. ed. Porto Alegre: Imago, 2004, 200 p.
  • FREUD, Sigmund. Obras Psicológicas de Sigmund Freud – Escritos sobre a psicologia do inconsciente – VOL III. 1. ed. Porto Alegre: Imago, 2004, 208 p.
Aspectos Religiosos
  • RIVAS NETO, Francisco. Do Sincretismo à Convergência. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE UMBANDA DO SÉCULO XXI, São Paulo: Faculdade de Teologia Umbandista, 2010.
  • RIVAS NETO, Francisco. Sacerdote, Mago e Médico : cura e autocura umbandista: terapia da alma. 1. ed. São Paulo: Ícone, 2003, 493 p.
  • RIVAS NETO, Francisco. Vídeo-Aula 19: A ciência do Orixá - Parte 2 - Psicanálise e Arquétipos dos Orixás. Disponível em: mms://wm01.mediaservices.ws/ftu12-ondemand/FTU_VIDEOAULA_19.wmv. Acesso em: 16 jan 2010.

6 comentários:

  1. Saudaçoes fraternas mestre Arapiaga,
    Esse realmente é um assunto muito interessante e com satisfaçao e alegria a comunidade umbandista na internet tambem o recebe para essas conversas que sao virtuais mas com certeza de alma para alma.
    Alias, temos só a comemorar pois o resultado que vemos nos sucessivos anos dessas interaçoes na internet vem sendo a diminuicao da distancia do saber academico teorico com a vivencia popular onde todos sao beneficiados; E além da troca de informações e saberes é claro que há ainda algo maior que é o assentamento da união que tomos almejamos .
    O mais belo de tudo é perceber que somos cheios de falhas e virtudes mas com humildade ou transparencia podemos sair do nosso mundinho protegido e ousar interagir com os diferentes, se expor as criticas, e se aproveitar delas para mudar e crescer. Porque quando nos projetamos com verdade , nós mesmos nos conhecemos melhor e identificamos com maior clareza nossas possibilidades de melhoria e de contribuir com o outro. E obviamente que falo isso relativo a minha experiencia pessoal.
    Mas quanto a inconsciencia que esperamos um dia ser parte da super-consciencia, acreditamos tbem que a expansao da consciencia é um processo fudamental para nosso crescimento espiritual, tanto nas fases citadas de interiorizaçao e auto-conhecimento, como na alteridade e no reconhecimento da unidade do todo. ( Deus unipresente... )
    E de fato nessa vida estamos nós aqui bem focados no caminho da religiao ou religiosidade que nos impulsiona ao servir no ato devocional aos nossos mentores e tbem caridade para com nossos irmaos, tendo por base que o amor é a palavra chave de realizacao e libertação para a religião. Assim como cremos que o saber impulsiona o caminho da ciencia, e todos certamente nos conduzem a um crescimento e nos aproximam da síntese desejada por todos.
    Concluindo, nao poderia deixar de citar que sobre espiritualidade e ciencia, um ponto interessante que tenho estudado é sobre as ditas ervas de poder chamadas enteogenos que procipiciam estados superiores de consciencia quando partes de ritos com esse proposito. E creio que esse é bom exemplo da ciencia do saber popular de nossos ancestrais que ainda muito pode ser explorada até nos processos de autocura ja que atua na mente ...

    Votos de sucesso sempre do aprendiz ,

    Eduardo Parra
    Yabhaktisvara
    http://eduardoparra.maat-order.org

    ResponderExcluir
  2. Ao ler o texto lembrei-me da revolução social instituída pela teoria Freudiana.
    Freud ao tornar sua teoria pública e levar as cadeiras acadêmicas a se sacudirem com o novo conceito, o inconsciente, também nivelou a humanidade. Neste momento ele desmistificou algumas teorias cientificas de seu período, que defendiam a superioridade de uns e inferioridade de outros. Os homens de diferentes culturas, etnias, classes sociais, gênero, todos sem exceção tinham a mesma estrutura psíquica e mais, a partir de Jung passavam a compartilhar o inconsciente coletivo.
    Estes homens foram desacreditados por trazerem o abstrato como algo “vivo” e determinante para o humanidade. Como poderia o que não era sensível ser a base da estrutura psíquica e também a maior porcentagem do que somos não ser aquilo que dominamos?
    Assim, vejo o tema espiritualidade e inconsciente algo tão “vivo” e verdadeiro, que fará como a teoria de Freud e Jung, construirá uma nova maneira de compreender o homem e a espiritualidade. Deixando de ser a espiritualidade algo exclusivo das religiões e devolvendo a espiritualidade como algo inerente ao homem, nivelando homens da filosofia, homens da ciência, homens da arte e da religião.

    ResponderExcluir
  3. Sua Benção Mestre!
    Aranauan, Saravá, Axé a todos os irmãos leitores do blog!

    A série “A Espiritualidade não é somente religião” remete-nos a uma Sociedade mais justa e igualitária, pois o ponto comum é vivente em todos os seres humanos: Espiritualidade. Ao mesmo tempo, o texto pontua claramente as diferentes formas de acessar e despertar esta Espiritualidade, o que demonstra um profundo respeito às diferenças. Paradoxal? Eu afirmaria aporético!

    Como é possível aproximar temas classificados por muitos como divergentes, historicamente separados? Ao penetrar nos escaninhos da Alma, o autor do blog transita por estes vários setores afastados reconstruindo pontes entre os mesmos na certeza de que todos eles são expressões da Espiritualidade. Em minha opinião, uma verdadeira revolução pacífica e atraumática.

    Se o conceito é verdadeiro, logo a prática não poderia ser diferente. Seja pela Ciência, Arte, Filosofia ou Religião o Homem consegue de fato despertar sua Espiritualidade, pois – citando o subtítulo – Ela “é a mente inconsciente” e esta não só existe nos seres humanos como os conecta no tão falado e pouco compreendido Inconsciente Coletivo.

    No conjunto da obra do sacerdote-médico F. Rivas Neto encontro uma proposta verdadeiramente Universalista, onde o ponto comum (Espiritualidade) pode ser alcançado por diversas metodologias (setores da Gnose Humana) sem concorrência entre elas, apenas Convergência.

    Yabauara

    ResponderExcluir
  4. Thomé Sabbag Neto19 de janeiro de 2010 10:06

    Bênção, Mestre!

    A descoberta do inconsciente (e do inconsciente coletivo) foi, mesmo, um "golpe" importante no narcisismo que ostentávamos enquanto seres humanos que pensavam a si mesmos como unidades "completas", "separadas" e que julgávamos conhecer completamente.

    O nosso lado sombrio, onde se agita tudo aquilo que não conhecemos de nós mesmos e tudo aquilo sobre o que ainda não temos controle, esconde e revela a luz de nossa origem...

    Sua Bênção, hoje e sempre!

    Do teu filho,
    Thomé

    ResponderExcluir
  5. Bençãos mestre,

    Como nos ensinaram nossos ancestrais, o microcosmo reflete o macrocosmo - conheça a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo..., e lendo seus últimos comentarios no Twitter sobre o ' nada ' do inconsciente profundo lembrei desse pequeno texto que havia feito e que de alguma forma aponta para os mesmo caminho com 3 passos que sempre vemos repetir no plano das formas, e que nos misterios do homem podem traduzir o consciente, o subsconsciente e o inconsciente... Lembro tbem que quando garoto sempre ouvia isso nas palestras da gnose como id, ego, super ego,etc.... e nos sucessivos anos de estudo elegi o autoconhecimento como forma de libertacao para minha consciencia , identificando e expurgando tudo que nao me servia mais, e ao mesmo tempo procurando estimular esses processos nas pessoas. Então me identifico bastante com o tema que propoe relacionado a espiritualidade e ao inconsciente e esperamos mais desdobramentos sobre o tema.

    Subject: [Saravá_Umbanda] RE: [apometria_umbanda] A Umbanda precisa ser depurada????
    Date: Fri, 15 May 2009 21:40:34 -0300


    Meus irmãos saravá...


    Lendo as manifestações de todos, penso eu também que o movimento umbandista realmente não precisa ser depurado, unificado ou codificado, já que representa o caminho e não o fim da estrada. Agora o homem, esse precisa mesmo é apressar seu passo..


    E gostaria de compartilhar com vocês esse pequeno texto que fiz para reflexão:

    Peregrino caminheiro viu a força do lugar, corpos nus dançam com o fogo, um banquete ao luar, devorando uns aos outros, esquadrões a avançar, viu a força da espada, é forte vencendo o fraco, corre sangue, corre na terra, clamando força de guerra, para que Deus agradar ?

    Peregrino caminheiro, que não cansa de andar, corre, corre vai ligeiro, vai buscar um outro ar, vai ouvir piar na mata, vai colher a erva rara, que beleza é o mar, olha, olha, como as almas sobem e descem sem parar, corre, corre, vai ligeiro aprender pra ensinar, peregrino caminheiro ajoelha, vai orar..

    Peregrino caminheiro que não cansa de andar, corre, corre, vai tão longe onde não se pode andar, voa, voa, vai depressa, para fora, outro lugar, peregrino caminheiro segue a luz , vai iluminar.
    Voa, voa, vai tão alto, quanta paz nesse lugar, não tem nada mas tem tudo que um peregrino pode precisar, mas voltando seu olhar, vê seu povo sem andar, então sente que sozinho não se chega a nenhum lugar.


    Peregrino caminheiro foi e voltou pra nos buscar, é luz e paz , a caridade, para os filhos do congá.

    Peregrino caminheiro, meu pai velho saravá !


    Do eterno discipulo,

    Eduardo Parra

    Yabhaktiswara

    ResponderExcluir
  6. Não há como não associar o twitter e o blog, muito menos deixar de fazer reflexões sobre o tema, que é extremamente pertinente, o inconsciente. As informações colhidas em ambos os instrumentos da rede tem acrescentado e muito. A associação entre inconsciente e vazio me fez refletir nas relações que estabelecemos entre racional e irracional e a pseudo segurança, que sentimos no universo dominado pela racionalidade, no mundo marcado pelo tempo, espaço, nas relações e fatos seqüenciais e escalonados, onde a consciência reina suprema e determina seu domínio da mais valia da razão. O inconsciente tão bem relacionado ao vazio causa um desconforto para as mentes dominadas pelo racional, pois ele traz o vazio do tempo, o vazio do espaço, o vazio das coisas escalonadas, o vazio dos valores vigentes e mesmo assim, ele é a força motriz de todos os seres humanos, ou seja, a espiritualidade, é a força motriz da humanidade.
    Temos que reconhecer a coragem e convicção do sacerbote-médico F. Rivas Neto ao afirmar que a espiritualidade é inerente a todos os homens, pois isto também estabeleceu uma relação de domínio e poder no mundo dos homens. Parabéns por não ter tido receio de afirmar isto. Necessitamos de homens de coragem para mudar o atual estado de nosso planeta.

    ResponderExcluir